segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

A sedução da carne

As pessoas tem uma ideia que errada do que considero fé e prosperidade. Esses dias eu estava conversando com um colega de trabalho e expus o seguinte pensamento: Deus não é o gênio da lâmpada que está aqui para atender aos nossos desejos. Pelo contrário, entregar-se a Senhor é abrir mão de desejos mesquinhos, é renunciar tudo o que for mundano. Não se torna cristão para que a vida seja mais fácil e próspera aos olhos da humanidade, mas para salvar a alma desde já e a vida ter sentido. Isso não significa deixar de viver, mas significa começar a viver. Não sou ingênuo e sei que o apelo da carne é forte e a sedução do mundo é potente, mas de que adiantaria uma prova se ela fosse fácil demais? Não é porque alguém segue a fé cristã que deixará de sofrer. Pode até sofrer mais, como prova de fé e persistência. Não acredito que o Paraíso ou Reino De Deus seja uma monotonia de pessoas andando de branco de um lado para outro sem propósito por toda a eternidade. Acredito que tenha-se prazeres indescritíveis e insuportáveis para atual estrutura orgânica chamada corpo humano. Acredito que seja algo muito além dos melhores sonhos ou fantasias que pudermos ter. João Luiz

Fé ou fantasia?

A fé é algo curioso: ensina que nem tudo que sentimos é real e permanente. Algumas coisas são fruto da imaginação individual ou coletiva. A questão é como saber o que é real e o que é fantasia. Duvidar da realidade pode ser perigoso mas se apegar a realidade socialmente aceita por todos pode ser tolice. Os hábitos mudam o tempo todo, o que era proibido antes depois se pode se tornar regra, o que antes era discriminado depois pode ser aceito plenamente. Atualmente venho sendo bombardeado por idéias de pessoas de todas as idades, culturas e credos religiosos de que a luxúria é algo normal e que pode ser praticada sem nenhum pudor ou constrangimento, de que isso não é errado ou que Deus permite, pois se trata de um desejo humano. Difícil resistir a tanta permissividade, ao "liberou geral" que que se espalha na sociedade atual. É incoerente alguém falar em fé absoluta em Deus e libertinagem mundana. As relações permeadas no amor, no respeito e na família parece já ser coisa de um passado distante. É difícil conciliar o desejo com o amor em Deus sem ficar confuso. Como se permitir viver experiências sem falsos pudores e sem se perder em uma paixão que é passageira? Encontrar o ponto de equilíbrio é o grande desafio. Procuro pessoas que me sirvam de exemplo e não encontro ninguém. Não condeno as pessoas, apenas acredito que elas estão muito confusas sem referências para guiá-las: ou encontram quem permite tudo ou proíbe tudo, sem compreender a real necessidade de cada um. Toda essa safadeza que é disseminada na sociedade atual seria muito divertido se desde já não tivesse consequências: além de desagradar a Deus, a velhice das pessoas tem sido muito solitária e triste, num momento de doença não se tem companhia ou mesmo conselhos e em caso de solidão não se encontra que dê uma palavra de apoio. No caso dificuldades financeiras não censuro quem não gosta de emprestar dinheiro, pois quando o dinheiro entra pela porta a amizade sai pela janela. Enfim, permanecer firma na fé com tanta permissividade é difícil mas quem sabe não seja essa exatamente a prova? Quem sabe que o amor verdadeiro não seja revelado para aqueles que permanecerem firmes em sua fé? Acredito que a prosperidade presenteada por Deus seja para aqueles que O sigam, O amem e O obedeçam sem hesitação. João Luiz

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Súmula nº 276 do TST

AVISO PRÉVIO. RENÚNCIA PELO EMPREGADO (mantida) - Res. 121/2003, DJ 19, 20 e 21.11.2003 O direito ao aviso prévio é irrenunciável pelo empregado. O pedido de dispensa de cumprimento não exime o empregador de pagar o respectivo valor, salvo comprovação de haver o prestador dos serviços obtido novo emprego . Precedentes: ERR 2010/1981, Ac. TP 1869/1985 - Min. C. A. Barata Silva DJ 08.11.1985 - Decisão unânime RR 1559/1986, Ac. 1ªT 362/1987 - Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Mello DJ 30.04.1987 - Decisão unânime RR 2131/1986, Ac. 1ªT 6/1987 - Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Mello DJ 27.02.1987 - Decisão unânime RR 665/1986, Ac. 1ªT 4378/1986 - Red. Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Mello DJ 06.02.1987 - Decisão por maioria RR 4167/1986, Ac. 1ªT 4610/1986 - Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Mello DJ 19.12.1986 - Decisão unânime RR 1772/1986, Ac. 1ªT 3682/1986 - Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Mello DJ 14.11.1986 - Decisão unânime RR 561/1986, Ac. 1ªT 2932/1986 - Min. João Wagner DJ 24.10.1986 - Decisão unânime RR 6578/1985, Ac. 1ªT 947/1986 - Red. Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Mello DJ 13.06.1986 - Decisão por maioria RR 6194/1985, Ac. 1ªT 921/1986 - Red. Min. Marco Aurélio Mendes de Farias Mello DJ 23.05.1986 - Decisão por maioria RR 9898/1985, Ac. 2ªT 535/1987 - Min. C. A. Barata Silva DJ 30.04.1987 - Decisão unânime RR 2394/1986, Ac. 2ªT 5278/1986 - Red. Min. Marcelo Pimentel DJ 06.03.1987 - Decisão por maioria RR 1144/1986, Ac. 2ªT 3848/1986 - Min. Marcelo Pimentel DJ 14.11.1986 - Decisão unânime RR 8838/1985, Ac. 2ªT 3473/1986 - Min. C. A. Barata Silva DJ 31.10.1986 - Decisão unânime RR 8596/1985, Ac. 2ªT 2746/1986 - Red. Min. Marcelo Pimentel DJ 10.10.1986 - Decisão por maioria RR 1327/86, Ac. 2ªT 2594/86 - Min. Marcelo Pimentel DJ 19.09.1986 - Decisão por maioria RR 311/1986, Ac. 2ªT 2580/1986 - Min. C. A. Barata Silva DJ 19.09.1986 - Decisão por maioria RR 677/1985, Ac. 2ªT 4485/1985 - Min. Marcelo Pimentel DJ 13.12.1985 - Decisão por maioria RR 2058/1985, Ac. 2ªT 4377/1985 - Min. C. A. Barata Silva DJ 22.11.1985 - Decisão por maioria RR 5699/1984, Ac. 2ªT 3465/1985 - Min. Marcelo Pimentel DJ 14.10.1985 - Decisão unânime RR 7145/1983, Ac. 2ªT 3541/1984 - Red. Min. Marcelo Pimentel DJ 01.03.1985 - Decisão por maioria RR 6611/1986, Ac. 3ªT 1562/1987 - Min. Norberto Silveira de Souza DJ 26.06.1987 - Decisão por maioria RR 2268/1986, Ac. 3ªT 4088/1986 - Min. Norberto Silveira de Souza DJ 28.11.1986 - Decisão unânime RR 5124/1986, Ac. 3ªT 688/1987 - Min. Ranor Barbosa DJ 15.05.1986 - Decisão por maioria RR 6253/1984, Ac. 3ªT 3890/1985 - Red. Min. Antônio Alves de Almeida DJ 18.10.1985 - Decisão por maioria RR 4645/1984, Ac. 3ªT 2688/1985 - Red. Min. Orlando Teixeira da Costa DJ 30.08.1985 - Decisão por maioria RR 5176/1984, Ac. 3ªT 2722/1985 - Min. Orlando Teixeira da Costa DJ 23.08.1985 - Decisão por maioria RR 5029/1984, Ac. 3ªT 2718/1985 - Min. Orlando Teixeira da Costa DJ 23.08.1985 - Decisão por maioria Histórico: Redação original - Res. 9/1988, DJ 01, 02 e 03.03.1988 Nº 276 Aviso prévio – Renúncia pelo empregado. O direito ao aviso prévio é irrenunciável pelo empregado. O pedido de dispensa de cumprimento não exime o empregador de pagar o valor respectivo, salvo comprovação de haver o prestador dos serviços obtido novo emprego.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Resumo de postagens no facebook

Não estou muito preocupado com meu corpo físico e saúde. Pelo contrário, preocupação significa falta de fé em Deus e em sua benevolência. Se eu sentir fortes dores ou estiver mal da saúde, é porque eu provavelmente mereci, talvez pela falta de fé ou porque Deus quis mostrar-me algo que de outra forma eu não saberia. Só peço a Deus que ele me poupe das dores terrenas. Ainda sinto que sou um homem de pouca fé, mas também desconheço atualmente que seja um exemplo de fé. Estou aprendendo no dia-a-dia a ter fortalecer minha fé. Sei que o que escrevo agora é polêmico, mas acredito que só se parte desta vida quando perde-se a vontade de continuar a viver nesta vida. Isso acontece em duas situações: a) quando se está totalmente desiludido e perde-se a vontade de viver, ou por angústias, doenças, perda da fé e do amor. Despedir-se da vida assim deve ser um grande sofrimento e certamente continuará ligado a esta existência de alguma forma. b) ou quando sente-se que já realizou tudo o que podia nesta vida e o espírito está pronto para ir em direção ao Pai Eterno. Neste caso, parte-se serenamente em paz e sem traumas. Acredito que quando descobre-se o verdadeiro amor a vida passa a ter sentido, tanto as coisas boas quanto as desagradáveis. quem não sabe o que é amor não sabe o que é viver e nem saberá como ir embora. Existe um jogo que está quase extinto: o autêntico jogo da sedução, onde o vendedor desse jogo é quem "dará as cartas" na relação. É um jogo porque cada um usa o que tem de melhor: aparência, inteligência, cultura, charme e forma. A sedução é algo muito intenso que pode despertar fortes paixões. Digo que este jogo já está quase extinto porque o que era sedução se restringi cada vez mais a um simples jogo de interesses, onde cada um tenta apenas chamar a atenção para conseguir vantagens financeiras e às vezes sexuais. Hoje em dia se "seduz" apenas com algumas poucas garrafas de cerveja em mesa de bar ou com um carro popular usado. Está muito baixo o nível das relações. Não aguento mais guardar este amor dentro de mim, vou ter que ser "egoísta" (na falta de palavra melhor) e colocá-lo de fora para fora. Já o guardei tempo demais esperando momento oportuno. E esse momento é agora, "porque, a todo aquele que tem, será dado mais, e terá em abundância. Mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. (São Mateus 25, 29)". Só desejo não despertar paixões onde não deve existir. Mesmo correndo este risco, não posso deter o amor que existe, é grande e Deus cobrará de mim os resultados aos quais ele me confiou. Por que as pessoas são tão resistentes ao amor? Por que não acreditam no amor gratuito sem interesses mesquinhos? Por que sempre associam o amor a trocas de favores? Por que simplesmente não acreditam em um sentimento nobre como este de forma confiante? Por que sempre tem que haver desconfiança? Por que as pessoas acreditam na violência, na inveja, no, rancor, no sexo irresponsável e no ódio mas não acreditam no amor? Por que as pessoas estão tão agressivas e brutas no dia-a-dia? Tenho que deixar o amor invadir minha alma e fazer parte do meu dia-a-dia. Quando dou risadas demais é como se eu me mantivesse afastado do Espírito de Deus. Mas faço isso por dois motivos: - tenho medo do que sinto quando estou sério demais. é como se uma força imensa fosse se apoderar de mim. é bonito demais e muito emocionante, de uma paz e alegria infinita que não tenho como descrever. Nada parecido com nada que eu pudesse sentir caso conquistasse alguma coisa aqui na terra; - tenho receio de continuar com uma vida social tão pobre. Eu agindo da forma ridícula já consigo ver quem são as pessoas que conheço, como se elas não tivessem nenhum mistério para mim a ponto de eu pouco ser surpreendido pelas atitudes alheias, seu eu me entregar a essa força que acredito ser o Espírito Santo, acredito que verei e saberei de coisas que poderia tornar a convivência com quem faz coisas erradas, como bebedeira e luxúria, insuportável. Mesmo assim, é inevitável que Deus faça parte de minha vida cada vez mais e esse receio de ficar solitário se dissipará a medida que eu for me descobrindo cada vez mais e fazendo as obras que Deus quer que eu faça, assim com cada um tem sua própria missão nessa vida. E essa missão não é atender os próprios desejo e interesses pessoais e mesquinhos. Sei que escrevo pensamentos profundos e uso palavras duras para me expressar. seria bom que eu usasse de palavras doces e só escrevesse coisas agradáveis, mas tenho uma responsabilidade para com as pessoas: me sinto na obrigação de esclarecer fatos obscuros na mente e no coração. Escrevo coisas duras pois o tempo é curto e não podemos perder tempo com amabilidades quando há muita coisa em jogo. Todos recebemos dons de Deus: a quem tiver será dado e que não tiver, mesmo o que tem será tomado. Devemos exercitar o que sabemos para recebermos mais. Não estamos nesta vida só para aprender, mas também para ensinar. quando eu estiver diante de Deus, não quero me envergonhar de não ter feito minha parte em sua grande obra. quero fazer a minha parte e faço com alegria. Em pleno século XXI, existem mulheres que ainda acreditam que haja homens que sejam capazes de cair aos seus encantos apenas por causa de umas belas curvas. Mulheres que acreditam que o homem que paga algumas cervejas e levam elas de caso para o motel nos primeiros encontros virá a se apaixonar perdidamente porque elas fizeram todas as fantasias dele. Não dá para acreditar que existem pessoas tolas a esse ponto, mas é o que mais existe. Mulheres que se iludem pelo reflexo da pintura de um veículo motorizado e embriagam-se nos odores do combustível. E a história continua a se repetir. Depois de algumas aventuras amorosas, esse tipo de homem abandona essa mulher iludida por outra mais atraente. E assim por diante. Quando é que as mulheres vão aprender a valorizar o homem pelo que ele é e não pelo que tem ou porque ele é do tipo "gostosão". Entra ano, sai ano e a história é sempre a mesma: a mulher se mete com o cara porque o cara tem uma "pegada", se encanta e se envolve pela carícias ardentes. O cara é um tremendo mulherengo, mas é gostosão e ela acha que pode mudar a natureza dele e fazer com que ele só a veja e deseja neste mundo. engravida, vai morar junto com ele e tempos depois está se queixando porque ele só vive traindo ela. Ou seja, sai uma piriguete de cana para ser substituída por outra mais jovem e sem filhos. E assim a infelicidade se perpetua na sociedade. Pedi em 2013 e voltei a pedir em 2014 a Deus que desse o que acredito que precisasse: fé e amor incondicional a Ele. Acredito que estas cirurgias pelas quais estou passando faça parte do plano Dele. Embora tenha sido desgastante e até doloroso para mim, sei que o que acontece comigo é para o meu bem, por mais que eu possa discordar ou não entender. Devo entregar minha vida na mão Dele e apenas confiar sem hesitação. Uma das poucas coisas que tem me animado é o modo com que tenho me relacionado com as pessoas, inclusive meus colegas de trabalho. É muito divertido brincar mesmo depois de adulto e nem por isso parecer infantil. Mas sei que posso fazer mais do que estou fazendo, só preciso saber o que posso fazer de bom e como fazê-lo. Não sei por que eu não consigo ser ao vivo como sou virtualmente. Aqui consigo ser verdadeiro e dizer o que realmente penso, no dia-a-dia não consigo ter a mesma desenvoltura. Não tenho coragem de mostrar minha sensibilidade , caráter e filosofia de vida. Enquanto eu me envergonhar do que sou Deus não me abrirá as portas da felicidade e prosperidade, seja ela material e/ou espiritual. Talvez eu tenha medo dos resultados e de ver e saber de coisas que eu já mais poderia imaginar. Mas tenho me esforçado para brincar menos e ser mais verdadeiro a cada dia, seja lá qual forem as consequências. " Ninguém acende uma lamparina e depois a coloca debaixo de um cesto ou de uma cama. Pelo contrário, a lamparina é colocada no lugar próprio para que todos os que entram vejam a luz. Pois tudo o que está escondido será descoberto, e tudo o que está em segredo será conhecido e revelado." São Lucas 8,16-18 Sei que as pessoas não gostam de curtir esse tipo de postagem, mas tenho que fazer a minha parte. Uma amizade sincera é muito melhor que qualquer terapia ou bebida alcoólica. Deus quer ser amado e não temido. Por que as pessoas são tão resistentes em permitir que sejam amadas ou simplesmente curtir a companhia? Por que impõem tantas regras e colocam tanta dificuldade na relação com o outro? Por que tem que haver malícia em tudo? A vida é breve e depois pode não haver um depois... ser tarde demais. Não tem jeito mesmo: por mais que tentemos fazer algo, nada se realiza sem a vontade de Deus, nenhum projeto dá certo sem que Ele ermita, assim como nada pode impedir a realização de um sonho quando Ele decide que já é o momento. Mas que é difícil ter paciência e aguardar dias melhores, é difícil mesmo. É um exercício de humildade Decidi tratar as pessoas que conheço no dia-a-dia como trato meus clientes: com objetividade, segurança e seriedade. Desse modo consigo que eles sejam cordiais comigo e até façam o que eu quero. Se eu quero o bem das pessoas e ajudá-las, tenho que passar credibilidade, assim como seu eu quiser chamar a atenção de uma grande empresa.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

A devastação alcoólica

As pessoas preocupam-se demais com as drogas, devido a destruição que ela causa, seja na saúde, na vida familiar, social e profissional. E estão certas. As drogas são uma droga para qualquer usuário. Mas acredito que tenha uma coisa muito pior que já acabou com as famílias, os amores e a sociedade como um todo: BEBIDAS ALCOÓLICAS. Elas sim tem sido a causa da degradação da vida das pessoas. Disfarçadas com o apelido singelo de cervejinha, tem causado enorme devastação na sociedade vigente. Alguns chamam informalmente de "água-dura" e quem bebe recebe o s apelidos mais esdrúxulos: manguaça, pau-d'água, cachaceiro, esponja, entre outros que não me ocorrem agora. Mas tudo serve para encobrir que nossa sociedade brasileira está tão dependente do álcool com a população russa é dependente da vodca. Difícil encontrar alguém que não beba álcool pelo menos uma vez na semana e em grande quantidade. Não se paquera mais e não se passeia mais sem que a maldita bebida alcoólica esteja presente. Antes para se conquistar o coração de um mulher palavras bonitas e flores eram um bom começo. Hoje em dia basta oferecer cerveja para começar a ser atraente aos olhos femininos. Evidentemente que nem todas as mulheres se vendem por um copo de cerveja, mas que desmoraliza a classe feminina, isso é incontestável. Se depender de bebida alcoólicas para ser popular e atraente, terminarei meus dias sozinho. Mas quem bebe demais também termina sozinho. Basta surgir o primeiro problema na vida de um alcoólatra (o nome é esse mesmo para quem bebe desregradamente), que os "amigos" de copo somem todos. Os próprios viciados em álcool concordam: pode faltar dinheiro par ao feijão mas não para a cachaça. Não sou radicalmente contra a bebida, mas que se beba com moderação. Que a bebida seja apenas uma complementação de um passeio ou encontro e não a causa. Jesus Cristo santificou o vinho. O problema não está na bebida, mas no exagero que as pessoas cometem frequentemente. Tudo que é demais, sobra. Sei que este texto é forte e atinge muitas pessoas, mas passei a minha vida tentando ser aceito por todos, escondendo o que realmente sentia, mas agora chega. Não posso me isentar da responsabilidade de esclarecer a verdade em troca de uma suposta popularidade.