quarta-feira, 30 de novembro de 2016

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Quem sou eu

Escrever sobre sim mesmo sem ser imparcial é um desafio. Mas como eu me vejo e imagino que as pessoas me veem? Ou com o quero ser visto e lembrado? Gosto das pessoas e do desafio que representa as relações interpessoais. As relações são dinâmicas porque as pessoas nunca são as mesmas, mesmo que ajam de modo repetitivo. Acredito que o ser humano esta sempre se reinventando, e gosto de colaborar para este aprendizado contínuo. Cada pessoa tem seu valor e quer ser reconhecida pelas suas qualidades, basta que se de a oportunidade para que cada uma revele o que tem de melhor em si, por pior que cada um possa demonstrar ser, ainda sim quer ser valorizado. Mesmo assim, acredito cada vez mais que tudo segue um padrão de comportamento, por mais desconexo que possa parecer à primeira vista, desde a composição de um átomo ao movimento das galáxias, passando pelo comportamento humano. Tudo segue seu próprio padrão e, uma vez conhecido este padrão, os movimentos futuros são possivelmente previsíveis. Quanto mais nos conhecemos mais conhecemos nossos semelhantes. Somos semelhantes não apenas por sermos da mesma espécie, mas por termos comportamentos parecidos nas mais diversas situações. Quem conhece a sim mesmo e do que é capaz, conhece seu semelhante. Não compartilho do pensamento que podemos passar a vida sem conhecer com quem realmente convivemos. As pessoas dão dicas de si mesmas o tempo todo, e para percebê-las, basta observar as atitudes das pessoas, e aprender as gostar delas sem tentar idealiza-las ou modifica-las. Ate o silêncio revela muito dos interesses de alguém. De um modo geral, valorizo a sinceridade, mesmo que esta não corresponda à realidade. Nem tudo que pensamos ou vemos é uma realidade, mas uma interpretação do que entendemos como real. É melhor expressar o que sente e ser corrigido se necessário, do que ficar sustentando uma fantasia que tem base real. Como profissional, acredito que a ética nas relações deve ser uma premissa não negociável. As relações de confiança podem ser abaladas de forma irreparável se for descoberto um vicio proposital em beneficio próprio de uma das partes. Nas relações interpessoais, inclusive no âmbito profissional, a finalidade deve ser para que todos os envolvidos ganhem, sejam eles proprietários, administradores e colaboradores em geral, fornecedores e clientes. Isso significa que cada um deve ter consciência real de seu valor e de sua função na produção seja lá do que for, e receber o devido reconhecimento pelo seu valor. Neste tipo de relação, onde todos estejam satisfeitos com os resultados, as relações serão duradouras e de colaboração, e não de competição predatória. Tenho como característica conhecer primeiramente o serviço, as pessoas da empresa, os clientes e fornecedores e a cultura da para o qual estou sendo contratado. Feito isso, faço uma análise dos processos, avaliando o que está dando certo e o que precisa de correção. Depois é executar de fato as mudanças propostas e avaliar os resultados. Acredito que ninguém é insubstituível e que um profissional que não deixa estruturado seu trabalho de modo que outro possa vir a substituí-lo por qualquer que seja o motivo, este não é um bom profissional e quer garantir seu emprego omitindo informações de modo a ser supostamente insubstituível. Gosto de estreitar meu trabalho da forma mais prática e transparente possível, pois acredito em meu valor e no reconhecimento de meus resultados. Não preciso deixar a empresa refém de meus procedimentos. Gosto de somar e mostrar o meu valor, assumir responsabilidades e aliviar as preocupações desnecessárias de meus empregadores, colegas de trabalho e clientes. Aconselhando, se possível, e buscando soluções juntos para os desafios do trabalho, mesmo que o ocorrido não entrega ligado a mim diretamente. Uma das minhas principais características é ter a capacidade de perceber claramente o ambiente a minha volta, incluindo a pessoas. Chega a ser constrangedor: alguém se apresenta a mim cheio de ostentação, roupas bonitas, casa e carro caros, contando vantagens, e tudo que consigo ver é a pessoa como ela é. E eu tiver alguma dúvida, testo a pessoa como ela não pode imaginar para que ela revele sua verdadeira natureza. Normalmente eu falo maiores do que escuto pirata que eu não perceba logo de início com quem estou falando, e mesmo assim eu percebo. Sempre fui uma pessoa intuitiva e ao longo dos anos fortaleci casa vez mais minha intuição, mesmo que não tivesse essa intenção, mas agora faço isso conscientemente, assim desenvolvo cada vez mais minha força interior. Uso o tempo todo meus dons para chega mais rapidamente as respostas e evitar conflitos desnecessários, assim como fortalecer as relações. Mas de início me mantenho reservado e estudo a melhor maneira de me apresentar em um novo contato, as pessoas estão acostumadas com padrões e procuro não fugir destas expectativas pode haver de não ter uma segunda chance de me revelar realmente como sou. Manter-se fiel aos próprios princípios é valoroso sem, contudo, provocar desgastes desnecessários. Gosto de passar meu tempo livre aprimorando meus conhecimentos nas mais diversas áreas, como comportamental e artes. Sou um artista plástico autodidata nas horas vagas e curto temos clássicos como mitologia e história em geral, além de escrever textos que acredito. É uma forma de colaborar com a sociedade depois de tanto receber dela. Quero deixar meu legado registrado de alguma forma para que minhas experiências possam ser úteis a outras pessoas a continuarem evoluindo continuamente. Também é uma forma de desenvolver talentos naturais e também aprendo a desenvolver os talentos de cada pessoa que me permitir faze-lo, pois todos somos bons em alguma coisa e que desenvolvemos de forma natural se houver algum incentivo para descobri-los. Escrever textos em meu blog tem me ensinado muito sobre mim e outras pessoas e sobre o mundo ao meu redor. Gosto de passear, viajar, conversar e expor pensamentos, teatro, ouvir musicas de diversos estilos, mas de boa qualidade, dançar à dois e soltinho. Curto filmes do tipo aventuras, fantasia, ação, comédia e as vezes romance mas não curto filmes do gênero de terror ou de violência. Gosto de viver novas experiências, pois acho a rotina e falta de novidades muito entediante. Tenho praticado a arte culinária para ter uma alimentação mais saudável e saborosa, abolindo ou reduzindo drasticamente o uso de sal, gordura, açúcar, farinha de trigo e o que mais possuir glúten e elementos transgênicos, mas estou em débito ainda com as atividades físicas. Não bebo álcool e nem fumo, evito alimentos industrializados e com conservantes na medida do possível, assim como embutidos e defumados, refrigerantes, uso excessivo de leite e derivados. Tenho uma mãe idosa e a convivência com ela tem sido uma lição de vida para mim. Percebi que as pessoas idosas, de um modo geral, se sentem sós e um tanto órfãos. Sabem que tem limitações, mas tem receios de serem rejeitadas por isso. Não gostam de serem tratadas como invalidas e ainda querem se sentir produtivas. Dou o maior apoio para que ela não perca a alegria de viver. E este mesmo carinho tenho procurado aplicar a outras pessoas que me permitam faze-lo. Quem tem consciência do seu papel na sociedade, aspira em tornar o ambiente a sua volta cada vez melhor, e ser um exemplo de persistência, dedicação, amor e profissionalismo. Atualmente venho desenvolvendo um projeto pessoal que chamo de confraternização: ao invés de reunir pessoas em um ambiente onde se formem grupos fechados que não permitem a participação de outros que não sigam a mesma “doutrina”, minha ideia é facilitar o entrosamento de todos no mesmo ambientem procurando pontos de interesse em comum, para que cada um saia de sua zona de conforto e conheça opiniões diferentes das suas e entenda melhor a diversidade de culturas. Não há motivo para manter o isolamento em ambientes como uma empresa ou mesmo em uma festa familiar. Devemos aproveitar cada oportunidade para cometer erros toleráveis e ampliar nossos conhecimentos, onde haja um maior compartilhamento de experiências.

domingo, 27 de novembro de 2016

Têndencias

Estes dias vi uma reportagem interessante sobre o comportamento social contemporâneo cada vez mais utilizado no mundo ocidental civilizado e que esta chegando ao Brasil: Compartilhamento de residências e de outros bens. As pessoas passam o tempo acumulando coisas para ter um conforto maior na vida r na sua velhice. Mas nessa corrida para acumular bens, acabam por sacrificar sua qualidade de vida: deixam de viajar para pagar a prestação do carro, passam menos tempo com seus familiares, deixam de passear e estar com seus entes queridos para acumular coisas que mais adiante não compensarão tantos sacrifícios. Hoje em dia, a ostentação só atrai a atenção de mentes atrasadas. De que me adianta meu vizinho ter um carro como uma Ferrari se não me der uma carona? De nada vai valer pra mim. Temos que compartilhar o que temos. Não precisa que se de aos outros, mas que a sociedade participe, de alguma forma, de nossa prosperidade. Por enquanto tenho pouco a oferecer, só a alegria que minhas obras proporcionam e essas palavras, mas compartilho de coração o que tenho.

Mudanças

As mudanças que pelas quais tem passado a sociedade como um todo tem passado de uma amorfa para cá tem me dedicado entediado sem ver muitas perspectivas de melhoras a curto prazo: violências locais e até em escala global, relações de amor e amizade entre as pessoas, desemprego e crise econômica são algumas das coisas quis tem afetado a vida de cada um de nós e ninguém comenta de fato. As pessoas vivem como se tudo fosse uma crise passageira e logo as coisas voltarão a ser como antes. Não voltarão. As mudanças vieram para ficar. Não sei ainda para onde estamos indo, mas o pior ainda está por vir. Quem souber ler os sinais que estão acontecendo poderá se preparar com alguma antecedência, mas quem ficar esperando que as coisas melhorem sem tomar nenhuma atitude para se tornar uma pessoa melhor e mais adaptável, sofrerá amargamente. Quem acha que se fechar em suas relações familiares, colocar grade em suas casas, comprar tudo que deseja e que ter um emprego que pague razoavelmente bem que já está seguro das drásticas mudanças que já estão acontecendo, está totalmente enganado. Estar preparado para se adaptar as mudanças, saber w relacionar com pessoas desconhecidas, acreditar em si mesmo, aprender cada vez mais, pensar criativamente, desenvolver e usar todos os talentos que possui dado alguns dos meios de passar por este momento de grandes transformações e manter-se em pé pirata a próxima fase da humanidade.

Aprendendo a pensar

Cada vez mais as pessoas querem mais e pensam cada vez menos. Mas vou ser mais específico e falar da experiências que estou vivendo atualmente. É tão fácil pensar, depois que aprendemos. Pensar significa visualizar seu objetivo, executar suas ideias e arcar com as consequências, tudo isso tendo consciência de cada etapa do processo. Não consigo mais falar ou fazer nada sem"amarrar" tudo em causa / realização / consequência. A maturidade mental me permite visualizar o resultado de cada ação antes mesmo que eu execute uma ideia. Não preciso cometer tudo que é erro e mais tarde justificá-los dizendo que não sou perfeito ou que fez parte da experiência. Ter responsabilidade pelos próprios atos pode ser chato, mas é por demais importante para ser deixado de lado. Pensar no problema, analisar as alternativas de solução, verificar os custos materiais e humanos, por em prática, acompanhar todas as etapas do processo e corrigir os eventuais erros, e avaliar os resultados finais: não se consegue realizar nada de prático sem passar por todas essas etapas. Confiar em si mesmo é de fundamental importância e ter em quem confiar pode facilitar mais os processos. Ser capaz de abandonar algumas ideias que se mostrem inviáveis ou demasiadamente custosas, onde a relação custo x benefício não compensem, também deve ser considerado. Não se deve seguir adiante com um plano apenas por vaidade ou um capricho pessoal, se os prejuízos forem grandes demais e não justifiquem tanto tempo e recursos gastos. Toda ação tem que ter um retorno, e todo bom investimento tem mais resultados favoráveis que custos para realizá-lo. Pensando e agindo assim, o que parece impossível passa a ser possível. Mas para ser chegar a um resultado final satisfatório tem que haver dedicação, perseverança, eventuais sacrifícios e responsabilidade.