quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Carapaça

Acredito que nos assemelhamos aos crustáceos em alguns aspectos. Esses animais tem uma carapaça que serve de armadura para defenderem-se de sua predadores. Porém, para crescer, eles tem que abandonar a segurança da armadura, expor seu frágil corpo para que ele aumente e tamanho e daí sim endurecer e formar uma nova armadura. Nós, seres humanos, vivemos em nossas carapaças mas nem sempre temos a coragem de abandona-las para crescer. Não queremos expor nos fragilidades e ficamos na ilusão de que aquela mesma armadura nos servirá a vida inteira, mesmo que isso signifique viver em um espaço reduzido a ponto de ser claustrofóbico. Tenho me esforçado para viver sem medo: nem da solidão, nem da violência, nem da crise econômica, nem da velhice e nem da morte. Temos que você confiantes mas sem ser ingênuos (que é outro nome que se da a estupidez). Ser inocentes sempre (que é a ausência de culpa), mas ingênuos nunca. Crescer envolve riscos, abandonar os velhos hábitos e vícios, não ficar atrelado s um ambiente que impeça seu crescimento pessoal. Abandonar a falsa sensação de segurança que o comodismo traz.

Nenhum comentário: