terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Divagações II

Estou escrevendo textos e artigos cada vez melhores e cada vez menos lidos, mas o que importa é eu exercer meus talentos até a exaustão. Quem sabe assim minhas energias vibrem de forma diferente até atingir meu público e pessoas que tenham ideias semelhantes às minhas? Como no título daquele filme, RETROCEDER NUNCA, RENDER-SE JAMAIS.
Quando este dia chegar, será o paraíso na terra para mim. Estar rodeado de semelhantes e de meus pares, com pessoas que queiram aprender comigo e tenham o que me ensinar. Em algum lugar, em algumas dimensão isto é perfeitamente possível. Sei que ainda não atingi meu paraíso devido às minhas próprias limitações, entre elas a fúria. Por mais que eu me antecipe aos problemas, sempre acontece algo totalmente insano para testar minha paciência.
Mas não é eu me precavendo de todos os aborrecimentos que vou resolvê-los e manter a calma. A vida sempre nos testa das maneiras mais inusitadas que nem podemos imaginar. Não é contornando um problema que o resolvemos, solucionamos um problema quando nos dispomos a encontrar uma solução e pô-la em prática, por mais desagradável que possa vir a ser.

Educaçao financeira

O assunto presente neste artigo é de conhecimento das maioria das pessoas, assim como suas regras são ignoradas por outros tantos. Trata-se da Educação Financeira.
Muitas pessoas reclamam da falta de dinheiro e do aperto em que vivem, suas contas nunca fecham e muitas vezes terminam o mês no vermelho, devendo cada vez mais. Além disso, não conseguem formar uma poupança para ter um dinheiro para momentos em que surge uma surpresa e ter que gastar uma grana extra.
Tudo isso é decorrente da falta de preparo para lidar com o dinheiro que a maior parte dos brasileiros e das pessoas em geral tem. A pessoas gostam de gastar dinheiro e sabem da importância dele na vida de cada pessoa, mesmo que digam que o amor é mais importante que o dinheiro, uma relação pode começar ou acabar por causa dele.
As pessoas não tem preparo para lidar com dinheiro, as famílias não ensinam às suas crianças na esperança de que a escola os ensine, e as escolas não ensinam por considerarem um assunto que deva ser tratado no âmbito familiar. Ou seja, é um jogando a responsabilidade para o outro. Na escola uma criança aprende sobre sexo, diversidade de gêneros e tolerância as diferenças, mas não aprende a lidar com dinheiro.
Ainda tem a questão emocional que este assunto trás: Quantas pessoas não usam o dinheiro ou cartão de crédito para realizar toda as suas vontades ou suprir uma carência não resolvida, como uma falta de um romance ou uma grande baixa autoestima? Não compram o que realmente precisam mas o que pensam que querem, influenciadas peças propagandas que prometem realização e felicidade se adquirir este ou aquele produto, tem ainda o caso de se endividar para mostrar para a família que pode ter o que deseja ou mostrar para aquela vizinha ou colega de trabalho que também está na moda. Tem pessoas que acham que mostrar riqueza e prosperidade é trocar os móveis da casa todo ano ou aparecer com roupas novas para ela e para os filhos em cada evento que participam. São pessoas totalmente despreparadas para lidar com dinheiro e tendem a gastar sempre mais do que ganham.
Mas o que deve ser feito presta não cair na armadilha de endividar-se continuamente e viver no desespero de não ter um dinheiro sobrando para as presentear de vez em quando ou estar preparado para uma eventual despreza extra que surja? Basta seguir uma regras simples mas muito eficientes:
> nunca gaste mais do que ganha mensalmente;
gt; não faça planos com dinheiro que você acredita que vai ganhar. Não comece gastando por conta do que você ainda não tem em mãos;
> não compre por impulso. Antes de comprar algo, pergunte-se se o que você tem é um desejo ou uma necessidade. Uma compulsão por comprar nunca se satisfaz, já uma necessidade é algo que realmente precisa ser suprido;
=> evite de sair de casa com cartão de crédito, feito ou com dinheiro em espécie, assim você terá que voltar para casa se quiser comprar algo e voltar depois. Este é o tempo que você precisa para analisar se realmente a compra é necessária ou seria uma compra por impulso.
> não faça do cartão de crédito ou limite do cheque parte do seu salário. Não gaste esse crédito a menos que seja extremamente necessário. Crédito quer dizer que alguém deu a possibilidade de você comprar agora para pagar depois. Crédito não é um valor que alguém doou para você;
> não empreste seu cartão de crédito para ninguém, nem se aventure em ser fiador nem mesmo para deu melhor amigo. A maior parte das pessoas que têm seus nomes negativados é porque deixaram terceiros comprar com seu cadastro. Depois, no momento de pagar, seu devedor some ou briga com você e te deixa com uma dívida monstruosa para você pagar;
> sempre tenha uma reserva de dinheiro para momentos de dificuldade, assim você não precisará tomar dinheiro emprestado em bancos, financeiras ou viver do limite do seu cartão de crédito. Os juros são extorsivos;
> saiba a diferença entre gasto e investimento. Gasto é algo que não te traz retorno ou benefícios a médio e longo prazos, são desprezas que você faz só para se satisfazer momentaneamente. Investimento é algo que te traz resultados ao longo do tempo.
Por exemplo: comprar um smartphone. Se seu dinheiro está curto você deve comprar um aparelho que tenha as funções que você realmente usa, e não comprar simplesmente porque o modelo do aparelho esta na moda. E se você já tem um smartphone, será que você precisa realmente comprar outro? Além disso, qual o benefício que este novo aparelho acrescentará em sua vida? Ele será usado para realizar um trabalho onde seus ganhos pagarão o que você gastou nele e ainda te dará lucro? Se de lucro podemos classificar como investimento; mas se for uma despesa que não paga o que você empenhou nele, então é gasto;
=> contar m faça pesquisa de preços e avalie marcas similares mais baratas se tem a mesma função e garantias que marcas de produtos famosas;
=> avalie com que frequência você vai utilizar o produto comprado e se há urgência em adquiri-lo desde já ou se pede esperar alguma promoção ou lançamento mais barato;
=> evite de comprar a crédito ou mesmo parcelamentos. Como você não vê o dinheiro saindo momo pagamento em espécie ou no débito, você se ilude acreditando que seu poder de compra aumentou, e gasta sem medir as consequências;
=> evite o que puder pagar o mínimo do cartão de crédito, pague sempre i máximo que puder. O montante que fica para pagar no mês seguinte vem embutidos de tantos juros que sua dívida pode ficar impagável ao longo do tempo. O ideal é que você sempre compre à vista para negociar descontos na compra ou só compre no cartão e já tiver o dinheiro para pagar, só por garantia, caso haja qualquer imprevisto;
=> não tome empréstimos posta fazer uma festa que não te trará retorno algum, ou uma viagem de lazer que só te trará prazer momentâneo. Muitos apresentados, pensionistas e servidores públicos entram nesta situação de adquirirem empréstimos consignados achando que o parcelamento não terá peso em seu orçamento, mas tem, e muito. Eles costumam tomar estes empréstimos não para utilizarem o dinheiro posta si mesmos, mas para ajudar um parente que, muitas das vezes, não os tratam com respeito e sinceridade, tomam o dinheiro para realizarem gastos desnecessárias para si mesmos. E quem pagará pelo empréstimo passará anos de sua vida pagando por uma dívida do qual não se beneficiou em nada.
No caso de empréstimos, o ideal é si recorrer a eles se for para fazer algum investimento que tenha retorno, assim você poderá pagar seu empréstimo antecipadamente ou desfrutar do bem adquirido, como uma casa própria. Carro não é investimento, é despesa, se for para uso particular. Um veículo só é investimento se for posta uso profissional e se for para gerar lucros. Comprar um veículo apenas posta ter o conforto de ir trabalhar sem pegar transporte público é gasto, e dos grandes.

DST

As pessoas continuam se arriscando em relações sexuais com pessoas promíscuas ou de procedência duvidosa. A longevidade que os portadores do vírus HIV tem alcançado tem dado a falsa sensação de que a AIDS foi controlada e até mesmo descoberta a cura para esta doença contagiosa. A mídia não quer desagradar aos governos que querem passar a imagem de que a saúde no país está no rumo certo, e nem que desagradar aos grupos de ativistas que querem passar a imagem de que o sexo esta liberado e tudo acaba em festa.
E como se esta doença já não fosse um problema suficiente, as outras doenças sexualmente transmissíveis - DST - ainda estão em plena atividade: sífilis, gonorreia, cancro, herpes, entre outras. Não é porque estas doenças deixaram de estar na mídia que elas deixaram de ser perigosas que, quando não matam, podem deixar sequelas irreversíveis. Um momento de prazer não vale uma vida sem prazer por causa de uma doença contagiosa.
Isso para não mencionar o risco de uma gravidez indesejada e uma futura criança traumatizada pela briga de seus dois irresponsáveis que só pensaram num momento de prazer sem avaliar os riscos e as consequências. E por onde passa material para formar uma criança, pode passar também diversos tipos de bactérias, germes, vírus e todo tipo de microrganismo.
Fala-se muito em usar camisinha para evitar estas doenças. Na penetração pode até dar alguma segurança, mas e no sexo oral, quantas pessoas tem precaução ou mesmo se recusam a fazer, mesmo que isso desagrade seu parceiro ou parceira?
Quem ama, protege. Não se deve condicionar o prazer ao risco de contágio por parte de sua pessoa amada. Não deve deixar ela sentir-se culpada se não fazer tudo o que você quer só para te dar uns momentos de prazer.
O corpo humano é um paraíso para varia tipos de microorganismos, alguns inofensivos e até necessários a manutenção de nossa saúde. E outros tipos que são verdadeiros parasitas em seu hospedeiro, reproduzindo-se o quanto consegue para garantir a sobrevivência de sua espécie, e o contágio é uma boa forma deles garantirem a colonização e conservação de suas espécies.
Sexo é confiança, além de atração física. Para que o prazer ser duradouro, o casal tem que sentir-se seguro de que não vai adquirir nenhuma moléstia infecciosa que comprometa sua saúde. O amor ainda não é capaz de curar todos os tipos de doenças nesta dimensão. É necessário continuar a se precaver sempre e sempre.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Marketing pessoal

Este artigo trata do marketing pessoal. Mas como poderíamos defini-lo? Dentre tantas definições existentes, Marketing Pessoal é sua imagem diante dos outros. Já é consenso, entre os estudiosos do comportamento humano, de que as pessoas têm dificuldade de ver a realidade como ela realmente é, na verdade, o que vemos é apenas uma interpretação pessoal da realidade.
Para uma pessoa distraída, a realidade é aquilo que ela vê. Por exemplo,é mais fácil acreditar na competência de um profissional que se apresenta como esperamos que ele se apresente: um médico de jaleco branco, um executivo de termo e gravata, uma recepcionista de uma clínica vestida de forma discreta, e assim por diante.
Mas o marketing pessoal não se resume a forma de se vestir, e sim ao próprio comportamento como um todo. O modo de falar e as atitudes falam muito de uma pessoa, e a linguagem não-verbal. Imagine uma nutricionista obesa, um pneumologista que fuma ou uma cozinheira com a unhas sujas, ou um psicólogo com claros sinais de desequilíbrio mental, quem iria confiar nos resultados ou querer o um trabalho executado por pessoas assim?
Não basta ser bom no que faz, mas tem que parecer ser bom no que faz. Agir com seriedade e mostrar interesse em resolver a demanda da outra pessoa; estar vestido adequadamente para impressionar antes mesmo de falar; falar de modo seguro de quem domina o assunto, além de conhecê-lo de fato. Conhecer seu público antecipadamente também é importante, pra assim você poderá estar vestido e se expressar como esperam que você se apresente. Caso contrário, terá muitas resistências a vencer e seu trabalho será dificultado exponencialmente. E depois de conquistar seu público logo no início, você terá mais liberdade para exercer seu trabalho ou agir de forma mais espontânea,pois você já venceu a primeira barreira apenas com sua apresentação pessoal. Deste modo, terá melhor receptividade para se expressar livremente.
Quem não te conhece e precisa ter conhecer, irá te testar e te provocar para que você se revele, que saia do seu lugar seguro. Seu público só vai confiar em você se ele se passar uma sensação de segurança. Não adianta querer romper barreiras a força, tem que ser convincente.

Corpo e alma - parte II

Podemos descrever o ser humano como um ser material e um ser espiritual. Não podemos negligenciar um aspecto em favorecimento do outro. A alma quer chegar até Deus e o corpo quer sobreviver porque ele sabe que é material e se desmanchará quando a alma o abandonar, pois o corpo é o templo do espírito. O corpo é sagrado, mas faz parte deste mundo e desta dimensão. 
O corpo quer alimentar-se, sentir prazer, segurança e sobreviver. Não há nada de errado nisso. Errado é querer mortificar o corpo como se ele fosse o culpado por não estarmos com Deus. Deus não quer nosso sacrifício, mas quer nossa obediência, pois este mesmo corpo que abriga nosso espírito, não compreende ainda a coisas de outras dimensões mais elevadas. E a sociedade só faz reforçar nossos medos e inseguranças, repassando conceitos que limitam nossa criatividade para descobrir os mistérios do Universo.
Já o espírito que chegar até Deus, mas este mesmo espírito não deve ser supervalorizado a ponto de esquecermos que somos um conjunto: corpo e alma que formam o espírito. Sentir desejo é natural e saudável, assim como qualquer outro tipo de prazer, mas não devemos viver somente para a satisfação destes desejos. Imagine um empregado de uma empresa dizer para seu empregador que vai ficar uma semana sem trabalhar porque precisa se embebedar para sentir o prazer que deseja. Isso seria motivo para demissão se ele cumprir o que disse. Se um empregador exige que seus contratados cumpram ordens, por que nos achamos que devemos fazer só o que da prazer imediato? Alguém que quer passar em um concurso público sabe que tem que ter disciplina para estudar, sendo não terá condições de responder às questões da provas.
Devemos fazer tudo quis dá prazer, desde que esta busca pelo prazer não nos desvie de nossos objetivos mais duradouros.
O corpo não é inimigo de alma, apenas tem que ser disciplinado mas também recompensado e não punido o tempo todo. Castigo só gera revolta e não é um ato de amor.
Sinto que quando eu renunciar de vez às distrações mundanas, minha mente se abrirá e serei capaz de vê a verdade como ela é e não como eu penso que seja. Sinto que estarei alinhado com o com Deus, com o Universo e com meus semelhantes. Afinal, fazemos parte de um todo. Já sou capaz de assumir publicamente meus pensamentos, mas ainda sinto e seu que posso fazer muito mais do que estou fazendo. Ainda estou deixando a censura e crenças limitantes bloquearem todo o meu potencial.
Encontrar o ponto e equilíbrio entre o corpo e a alma traz uma sensação de paz e acaba com aquela sensação que as ideias tem de que estão divididas e dispersas em seus pensamentos.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

A força do mal

Às vezes temos a impressão de que uma pessoa violenta ou estúpida e grossa é uma pessoa forte, tão segura de si que desafia qualquer um e não tem medo de retaliações. Já vi em alguns filmes o vilão afirmar quem tem maior poder aquele capaz de tirar a vida do que dá-la ou gerá-la. É mais rápido destruir que construir, e esquecer um trauma de uma violência sofrida pode ser muito mais demorado do que fazer alguém lembrar dos momentos bons da vida. O violento e agressivo chega de forma impactante e muitas vezes inesperada, não dando tempo de defesa ou reação de suas vítimas.Com uma arma na mão ou com atitudes agressivas, violentas ou intimidatórias, sente-se no controle de tudo e de todos, e que podem ter todas as suas vontades realizadas. Eles utilizam o medo das pessoas contra elas mesmas, infligindo dor nos outros sem o menor remorso ou compaixão. Algumas pessoas sentem prazer em maltratar seu semelhante ou qualquer criatura indefesa. Tem pessoas que sentem-se seguras por terem relações de amizade com pessoas perigosas, apoiando seus atos cruéis.
Eu mesmo achava que mulheres grosseiras eram muito boas no sexo e de tão boas e seguras de si mesmas, que davam-se ao luxo de serem arrogantes e esnobar quem quer que seja. Acreditava que mulheres assim agiam desta maneira porque teriam o homem que desejassem a hora em que tivessem vontade. 
Somos condicionados desde cedo a acreditar ter medo de tudo do que a confiar nas vitórias durante nossa vida. Às vezes, parece que o mal prevalece sobre o bem, e que fazer boas ações não resultados duradouros.
Eu acreditava que se eu mantivesse um sentimento de fúria dentro de mim eu estaria seguro e que essa sensação de pode machucar alguém para me defender seria útil para mima defesa. Ainda tenho algumas reações agressivas devido a anos de condicionamento das ideias a favor da agressividade maldosa. Mas a consciência de que estas reações só me prejudicam e atrasam minha vida tem me feito refrear meus impulsos na  maior parte das vezes em que eu percebo que posso passar dos limites.
Mas isso tudo é mito, um erro pensar assim. O mal pode prevalecer por um curto período de tempo, mas já ficou provado que a opressão não funciona durante muito tempo. A manipularão é mais eficiente e duradoura que a violência ou agressão, mas a manipulação também perde seus efeitos quando as pessoas manipuladas percebem que só estão sendo usadas e não estão tendo benefício algum real e duradouro. Vários impérios ao longo da História caíram devido a revoltas internas provocadas pela sua esmagadora opressão sobre uma parcela de sua população ou povos dominados. Assim como vários líderes foram assassinados ou depostos devido as suas atitudes cruéis. O mal pode prevalecer por um período curto, mas ninguém aguenta ser oprimido por muito tempo sem planejar uma reação ou mesmo agir de impulsiva devido a longos períodos de sofrimentos a ela impostos.
Não se vence o mal utilizando as mesmas armas que ele, não funciona. A História tem provado que todo grupo de rebeldes que toma o poder dizendo-se defensores da democracia e da população indefesa, esses mesmos rebeldes costumam apegar-se ao poder depois de toma-lo e utilizam métodos de opressão parecidos com aqueles que eles tanto combateram. Não é matando-se bandidos que a acaba-se com a violência. Acaba-se com a violência dando motivos para que as pessoas queiram acabar com a violência.
O mal não sustenta-se por si só e não cumpre o que promete, nem dá proteção e nem pôe comida na mesa ou cura doenças.
Gerar a vida ou construir algo pode ser mais demorado, mas é autossustentável e multiplica-se ao longo do tempo, por mais que as condições sejam adversas. Fazer o bem cria um fluxo de boas energias que movimentam os sentimentos e corações e podem acalmar os ânimos mais exaltados. Não devemos julgar ninguém, por mais que suas atitudes sejam reprováveis. Mesmo porque a vida os testa e nos dá oportunidade de sermos melhores a cada dia, nem que para isso tenha que colocar provações para testar nosso caminhar. Só se combate o mal fazendo o bem e eliminando qualquer resquício de maldade que possa haver em nossos corações.  

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Breves pensamentos

Não tenha pressa para que nada aconteça, a pressa só te trará mais ansiedade. Tudo acontece no tempo certo. Se você não tem ainda a vida que deseja, é porque sua mente está confusa e contaminada por desejos que, na maioria das vezes, não são realmente seus, mas foram plantado lá por outras pessoas e você tomou a ideia como sendo sua. De tempo ao tempo. Não pense porque você sabe algo a mais que alguém que você já pode se intitular mestre de algo. Não queira aparecer, mas deixe que suas obras te apresentem a sociedade que você deseja se comunicar. Teu pensamento cria sua realidade.
Mais avançam aqueles que andar sempre no caminho reto, do que aqueles que correm e dele se distanciam.
Ainda está cedo para eu bancar o aprendiz de mestre. Escrevo não para tentar convencer alguém de meus pensamentos, na devemos exercer nossos talentos até a exaustão, não há tempo a perder. Aprimorar nossas habilidades em cada oportunidade é sinal de sabedoria. Melhor estar entre os vencedores que perdedores. Expor pensamentos é um desafio e lidar com pessoas pode ter resultados inesperados e até recompensadores.
Quem me dera eu ter encontrado alguém que tivesse indicado a direção do caminho certo s mais tempo. Levei tempo demais para descobri-lo. A vida é curta e temos responsabilidades uns com os outros. Se eu quero sabedoria, estou derramando sabedoria a quem interessar possa. Esse mesmo pensamento vale para o amor, amizades e oportunidade de prosperidade.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Solidão

A solidão pede pode ter várias faces. Tem pessoas que estão casadas a anos e sentem-se solitárias, outras pessoas que trocam de parceiros a todo momento e também sentem-se só. E tem aquelas pessoas que não encontram ninguém com quem possam trocar ideias de níveis elevados, e este é meu caso.
Tenho tanto a descobrir, aprender e ensinar, mas meu público é tão silencioso que parece que estou falando ao vazio. Talvez o que eu pense, fale e escreva não interesse as pessoas com as quais eu tenha contato. Insisto em escrever pois isso tem me tornado uma pessoa cada vez melhor, mas é uma tortura não ter pessoas interessadas em comentar assuntos inteligentes.
Na internet e nas bibliotecas tem cada assunto de tirar o fôlego, mas não tenho com quem debater e chegar a conclusões mais rápidas. Tem tantas pessoas inteligentes e com um grau de cultura elevado, mas parece que não terei acesso a elas.
Não aguento mais viver cercado de pessoas cuja suas maiores preocupações são a resenha do futebol, ou a palavra do pastor, ou a novela da televisão, ou a violência não sei onde, ou a falta de dinheiro. Existe um Universo a ser descoberto e mistérios a serem desvendados, mas ninguém que conheço parecer ter tempo para perceber o que realmente importa: viver a vida em plenitude e descobrir a centelha divina em cada um de nós.
Não estou me preocupando mais em fazer sentido ou parecer coerente para a maioria das pessoas, pois não vale o esforço nem o desgaste de me explicar demais a quem não tem interesse em entender mesmo.
Acredito que devo continuar minha busca por ambientes em que eu possa desenvolver meu potencial. Quem sabe as gerações futuras tenham interesse e acesso ao pouco que já consegui produzir, e assim esta solidão e este silêncio passe a fazer algum sentido.

Ambiente de trabalho

Sou formado em administração e tenho aplicado isso em meu cotidiano.  Como o nome já diz, o ambiente é de trabalho, ou seja, ambiente preparado para produzir algo com a finalidade de alcançar um objetivo prático.
Quando uma empresa ou organização é criada, ela tem uma finalidade que é cumprir seria objetivos. Esses objetivos devem ser alcançados independentemente da vaidade do proprietário, de um superior em nível hierárquico ou de um cliente que não sabe seus limites. O cliente nem sempre tem razão, em qualquer que seja o ramo de atividade, mas ele é  a razão da existência da empresa.
Alguns prioritários tratam a empresa como se fosse sua conta particular, retirando recursos da empresa para uso pessoal e sem reembolsá-la depois, mas isso já é outro assunto.
Se o ambiente de trabalho é para trabalho, então ele deve estar na prioridade do funcionário e da gestão da empresa. Mágoas pessoais devem ser relegadas a segundo plano, a menos que essas rusgas interfiram diretamente nos resultados da empresa.
Em se tratando de uma empresa particular, como a própria definição diz: é particular. Mesmo que as regras desagradam aos funcionários ou mesmo clientes, eles devem respeitá-las ou retira-se de duas dependências.
Se um funcionário não produz adequadamente,e de de substituído por outro mais interessado naquele tipo de serviço. Se o funcionário estiver insatisfeito, é melhor que ele procure um ambiente ou outra empresa em que sinta-se melhor. Conheço muita gente que reclama da empresa onde trabalha mas não faz nada para melhorar sua própria situação. Nem aprende uma habilidade nova e nem procura outra empresa. Reclamar não resolve nada. 
Uma empresa particular é como a casa de cada pessoa: não se deve ir a casa de alguém para ditar as regras. Da mesma forma, em uma empresa particular um funcionário, gestor ou cliente não pode ditar regras sem a permissão do proprietário. Afinal, o prioritário é quem paga as contas e salários e desagradar um cliente pode resultar em um grande prejuízo.
Se algum funcionário estiver insatisfeito, ao contrário de ficar falando mal de tudo e de todos, é melhor que ele controle sua fúria e trate dos assuntos diretamente com a pessoa envolvida com com seu superior imediato. Se seu superior imediato não tiver competência para resolver sua insatisfação, então esse funcionário deve ir aos mais altos escalões, mas nunca ficar disseminando a discórdia, pois ele mesmo será vítima de sua "língua solta".

Oportunidade de conviver

Por mais difíceis e indecifráveis que as pessoas possam parecer ser, quem conhece a si mesmo conhece ao seu semelhante. O que vemos e sentimos pelos outros nada mais é do que um reflexo de nossos sentimentos e crenças e nos mesmos. Se vemos nossos semelhantes como pessoas más e indignas de confiança, mas verdade estamos descrevendo a nos mesmos.
Não percebemos o quanto somos condicionados e limitados pela crenças que recebemos da sociedade desde a nossa infância. Os exemplos que tivemos desde cedo tem influência em nossa visão de mundo por dezenas de anos. Nossos pais e mestres receberam informações deturpadas a respeito do mundo e nos passaram essas informações como dogmas ou verdades absolutas ou incontestáveis. Eles são tão vítima quanto nós, mas em algum momento alguém tem que quebrar este círculo de ignorância e ver a verdade sem influências externas, senão o mal se perpetuará na sociedade.
Alguns culpam os próprios pais, outros culpam o demônio por tudo que ocorre de errado, e mais recentemente, na internet, fala-se muito sobre teorias da conspiração e uma Nova Ordem Mundial de um governo único, destruindo o conceito de famílias e abolindo as religiões. As guerras e corrupções seriam uma manobra para desestabilizar os governos e preparar este unificação mundial.
Não dá pra detalhar cada uma destas correntes de pensamento sem transformar este artigo em um livro, pois são inúmeros os argumentos. Mas nenhum deles foca a responsabilidade de cada um em seus próprios atos. É como se as pessoas fossem incapazes de distinguir o bem do mal e isso a isentasse de responsabilidade pelo que fazem.
Todos somos responsáveis pelo que fazemos, e a partir da idade adulta temos que rever tudo que aprendemos e iniciar um processo intenso de mudanças para sair deste circulo de manipulação e ignorância.
Aproveito cada oportunidade para expressar o erros sinto, avaliar e aprender com estes resultados. Trabalho com pessoas e, pra mim, tem sido fundamental para meu desenvolvimento pessoal. Não tenho como escapar do contato diário os outras ideias e sentimentos alheios. São pessoas preocupadas com seu dinheiro escasso, com suas famílias, fidelidade, algumas revoltas com a vida que tem, outros revoltadas ou desiludidas com o governo ou com seus superiores hierárquicos. Tem muitas pessoas que acham este ambiente hostil, mas isso é o ponto de vista de cada um.
Para mim, lidar com pessoas é oportunidade de aprendizado e crescimento, em qualquer que seja a situação. Quando nada acontece e está tudo monótono, agito um pouco o ambiente ea reações sai logo desproporcionais, mas sei que provoco sentimentos e mexo com crenças profundas das pessoas e isso lhes deixam inseguras, pra nem elas mesmas sabem o que realmente querem.
Tenho aproveitado a oportunidade que tenho em meu trabalho para rever minhas próprias atitudes diante das reações dos outros. Melhorando meu modo de me expressar, incluindo meu tom de voz e o modo que exponho   minha ideias. Tenho procurado ser uma pessoa mais flexível nas ideias e não pensar que detenho o poder de ter a verdade absoluta.
Mesmo assim, não troco o contato humano por nada. Por isso que o ciúme não tem espaço em minha vida. Não há como ter experiências enriquecedoras com uma relação claustrofóbica em que uma pessoa olha para outra e nada mais, e a presença e terceiros logo é vista como uma ameaça a fidelidade de um dos parceiros. Uma relação deve ser libertadora e não nos prender a padrões rígidos de fidelidade que nada mais são só que uma prova da insegurança na própria relação.
Toda relação que  aprisiona iniciou-se pela vontade da pessoa em ter o que não era dela, mas o desejo de ter alguém inapropriado falou mais alto que a razão de renunciar a um desejo passageiro. 

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Mulheres insatisfeitas

Recentemente percebi o motivo de tanta insatisfação da mulheres em relação aos homens.
Normalmente as mulheres têm fantasias que não machucam ou humilham aos homens, mas muitas das fantasias que um homem tem gera desrespeito dele para com a mulher. Acho a essência feminina tão suave e agradável, pena que elas estão deixando-se masculinizar e ficar tão duras quanto muitos homens.
Então, as mulheres para conseguirem se relacionar com os homens encolhem dois caminhos: ou se comportam como eles, fazendo sexo por fazer; ou se enganam acreditando que um homem que só tem interesse no prazer sexual que ela pode prorrogar pode vir a gostar da pessoa que ela é, e que ela pode consertar um homem de comportamento incorrigível.
Mas não adianta as mulheres reclamarem que os homens só pensam em relação sexual, elas tem que oferecer outras formas de prazer que não só o sexo. Tem que ver a beleza que a natureza deu a cada uma delas, indiferente da aparência externa delas. Tem que saber o que tem de bom para oferecer a um homem além de suas acrobacias sexuais.
Uma mulher de verdade fica extasiada com preliminares bem feitas, então elas tem que segurar o ímpeto dos homens de levá-las logo pra cama, convence-los a serem mais gentis e tratar uma mulher com o respeito que ela merece.
Se um homem soubesse que uma mulher é capaz de realizar as fantasias mais intimas que ele possa ter, bastando que ele a trate com respeito e demonstre interesse nela além de seu corpo que o atrai tanto. Uma mulher satisfeita é dedicada, fiel e companheira, e uma amante insuperável.
Que custa para um homem ter um pouco de paciência e te como recompensa uma mulher toda sua pelo tempo que ele desejar?

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Carapaça II

Eu ja escrevi um texto chamado CARAPAÇA. Nele escrevo que para crescermos ficamos um tempo vulneráveis. Para completar o pensamento: Quando estamos num processo de crescimento, todo o ambiente a nossa volta parece ficar cada vez menor e claustrofóbico, chega a dar ansiedade para sair logo dele e crescer vertiginosamente.
Assim tenho me sentido em relação aos meus conhecidos, sem eles de onde forem. Algumas pessoas que conheci a algum tempo atrás não compreendem, hoje, meu processo de mudança, pensam que sou ainda o mesmo sujeito de sempre, com os mesmo interesses e sentimentos. As pessoas mudam constantemente, mesmo que não percebam isso.
Sinto que os ambientes que frequento hoje estão me sufocando com as pessoas e as mesmas odeias e reclamações. Tantas reclamações e não percebo que estejam fazendo algo para mudar a realidade que tanto as incomoda. Reclamar não muda as coisas, atitudes sim realizam mudanças.
Durante muito tempo desenvolvi a capacidade de fazer humor com tudo, isso ajudou a desenvolver minha criatividade e a me livrar de algumas situações embaraçosas. Era meu porto seguro. Mas me aperfeiçoei tanto na arte de brincar que passou a me criar constrangimentos minhas próprias brincadeiras. Além disso, tornei-me um personagem que ficou dificil identificar o que o eu real e o eu social. Perdi minha identidade.
Aos poucos estou recuperando minha verdadeira essência perdida a anos. Brincar é bom, mas tudo que é demais sobra. Além disso, estou em uma fase que quero fazer coisas totalmente novas, tipo viver o amor escancaradamente e sem reservas, me entregar a um amor que não tenho exemplos próximos para descrever, pois não conheço ninguém que tenha atingido este nível de entrega e confiança no outro. Existe, mas não tenho conhecimento. Assim como aprendi várias maneiras criativas de brincar, quero agora aprender tudo sobre amor, e tenho muito o que aprender. E ensinar!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Asas para voar

 "Se nós tivéssemos ouvido a voz desse desconhecido: O amor. Essa voz que chega devagar, pra perturbar, pra enlouquecer Dizendo pra eu pular de olhos fechados, Essa voz que chega a debochar do meu pavor, Mas ao pular, eu me vejo ganhar asas e voar,"
Esse trecho da música Dois, interpretada por Paulo Ricardo é fantástico, sublime. Expressa bem o que seja amar e se entregar a alguém sem reservas.
Não da pra imaginar em se entregar dessa forma a uma pessoa em quem não se pode confiar, ou que não tenha nenhuma afinidade conosco. É mais fácil imaginar um romance com alguém suave, inteligente, sexy sem ser vulgar, bem-humorada, humilde e de bom coração. É impensável uma relação com alguém que seja o oposto do que foi descrito acima.
O amor verdadeiro sem ilusões ou idealizações exige que a entrega seja sem reservas. Não existe o confiar desconfiando. Ou se confia ou não, não existe meio termo.
Amar alguém de verdade, estar realmente envolvido é como sonhar acordado, os sentidos ficam mais aguçados, a criatividade dispara, a vida fica com um colorido mais intenso. Num grau mais elevado de sintonia a afinidade, os sentimentos podem se encontrar nos sonhos e no infinito. Não há medo de perder seu amor, porque ele foi destinado a você e não há necessidade de esforço para mantê-lo. Você meu sente ciúmes, porque sabe que não há como perde-lo para outra pessoa. Invejas e difamações não são capazes de destruir um sentimento verdadeiro e bem alicerçado.
Por que você ainda resiste de viver um grande amor sem reservas?

Opressão


Em algum momento de sua vida você passou ou passará pela situação de estar totalmente vulnerável dependente das decisões e da boa vontade de outra pessoa. Mais especificamente na sua infância, velhice e quando decidir se entregar ao amor de alguém. Numa situação destas, se você estiver dependente de pessoas cruéis, será o Inferno na terra para você. Você estará indefeso e, provavelmente, não terá quem interceda por você.
Na sua infância, você esteve dependente de seus pais e responsáveis que ditavam as regras e você tinha que obedecer, senão seria castigado de alguma forma. Se sua família soube te respeitar nessa fase de suas vida, provavelmente você será um adulto que saberá respeitar sei semelhante. Se você não foi respeitado e protegido em sua infância, você terá muita dificuldade para entender o que significa respeitar seu semelhante.
Na sua velhice, você deixará gradativamente de ter sua independência e passará a ter que seguir a regras de pessoas mais novas, ou terá que amargar o isolamento e talvez terminar seus dias em um asilo, ou depósito de velhos.
E tem aquela situação em que você se interessa por alguém e se entrega sem reservas a este alguém, tudo em nome do amor ou de uma paixão avassaladora que você acabe sendo vítima. Não tem jeito, ou você se entrega totalmente ou não saberá o que é amar. Obviamente você não deve se interessar e entregar seu mais puro amor a qualquer aventureiro que aparecer. Você terá reserva de se entregar se você tiver dúvidas da pessoa a qual você se envolveu ou se você for incapaz de confiar em alguém.
Quando estamos dependente de alguém, estamos vulneráveis. Se a pessoa da qual dependemos tiver bom coração, poderá ser o paraíso na terra Mas se a pessoa for cruel, sua vida será um Inferno da qual você desejará nem ter nascido.
Quando você nasce, não tem opção de escolha, já encontra o ambiente todo estruturado, independente de sua vontade. Mas o tratamento que receberá na velhice dependerá de sua visão de mundo e do modo que você tratar as pessoas ao longo de sua vida. Nesta fase, sua títulos não terão grande importância se você não estiver capaz de tomar tomar as decisões por conta própria, estiver mentalmente limitado.
Em relação a sua vida amorosa, se você é do tipo que só busca beleza ou conforto material e se vier a se entregar a alguém que não seja uma pessoa de bom coração, você poderá sofrer. Se acredita que o sexo é o suficiente para segurar uma relação, com certeza não terá uma relação tranquila e poderá ser uma pessoa opressora ou ser vítima de opressão.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Deus existe?

Me perguntaram se eu acreditava em Deus. Não só acredito como sem Ele a vida humana não teria sentido. São várias as razões para eu acreditar Nele e entregar cada vez mais meus caminhos ao Senhor.
Se Deus não existisse, qual seria o sentido da vida? Nascer, crescer, estudar, trabalhar, casar, ter filhos, adoecer e morrer? Para quê? O que impediria as pessoas de fazer o que querem e bem entendem? Por que não roubar, matar, enganar e praticar os mais terríveis atos de crueldade? Se Deus não existisse, seria angustiante saber que depois do seu derradeiro suspiro do viria o esquecimento eterno. 
O ser humano é o único ser que tem consciência de sua morte futura. Os animais vivem, se reproduzem, se defendem e dificilmente envelhecem na natureza, eles vivem na luta pela sobrevivência. Os animais evitam os perigos, mas ficam tranqüilos se não sentem ameaças por perto. O se humano tem ciência do seu derradeiro fim mesmo quando não há ameaça algum em sua vida.
As pessoas preocupam-se em acumular bens, riquezas e poder como forma de garantir a sobrevivência dele e de seus protegidos. Os animais não acumulam riquezas ou bens, no máximo, marcam território para garantir a sobrevivência de seu grupo.
Se Deus existe, por que Ele não se revela logo a humanidade? Porque as Ele fizesse isso, nos estaríamos condenados, ficaríamos envergonhados de nossos pecados e estar na presença de um espírito puro e poderoso. Aflorem disso, não teríamos capacidade de compreende-lo devido às nossas limitações de compreensão. O ser humano não é capaz de entender o infinito sem enlouquecer.
Mas se Deus existisse e a vida eterna não, seria sádico da parte Dele nos fazer conscientes da existência da morte e não dar alternativa.
As pessoas duvidam de que Deus seja capaz de pesar todos os nossos atos, tanto bons quanto maus. Mas ninguém duvida que, através da informática, a vida de qualquer um possa ser estudada: seus hábitos de consumo, escolhas que estudou, se tem dinheiro na conta bancária para fazer saques, se tem limite no cartão de crédito. Tudo isso através de programas de computador que nem são uma forma de inteligência artificial, apenas programas previamente estruturados por programadores humanos. Se um programa de computado pode fazer coisas incríveis em segundos, imagine só Deus.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Duas pessoas

As pessoas se comportam como se fossem duas: uma pessoa social, também conhecida como consciente ou superego, que é aceita por se enquadrar nos valores daquele grupo específico, seja ele família, colegas de escola ou trabalho.
E tem aquela pessoa que é seu verdadeiro Eu real que, às vezes, passa a vida sendo sufocada pelo receio da pessoa ser excluída de determinado meio social.
Essa divisão que as pessoas criam em si só provocam prejuízos para elas mesmas. Dividem suas forças e seria talentos, sua criatividade e capacidade de resolver problemas ficam reduzidas e também ficam vulneráveis aos vários tipos de influências externas. Essa divisão traz insegurança sobre suas próprias decisões e enchem de dúvidas seus corações.
É na velhice que ou em uma doença grave que as pessoas descobrem quanto tempo perderam tentando ser agradáveis e aceitas por pessoas que não gostavam delas e não compartilhavam dos mesmos sentimentos e ideais. O abandono da a pessoas repensarem seus próprios valores, mas às vezes é tarde para reverter uma situação e o jeito é arcar com suas dolorosas consequências.
Particularmente, tenho trazido meu verdadeiro Eu para a superfície, depois de anos sufocando ele, com consequências sociais imprevisíveis se mesmo para mim. Sufoquei meu verdadeiro Eu para poder fazer parte dos grupos sociais em uma nova cidade. Vã tentativa de em me entrosar em teria de minha essência. Não aconselho ninguém a fazer isso. Perdi tempo demais preocupado com as opiniões alheias e desprezei meus talentos para tentar ser igual aos outros.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Sedução

Resolvi escrever sobre um tema interessante mas que é cercado de idealismos e pouca verdade: a sedução. Aviso logo que se alguém pensa que irá receber um manual de como manipular as pessoas estará perdendo tempo em continuar a leitura.
     Mas o que é sedução e por que ela é tão desejada mas tão mal compreendida. Entendo por sedução o ato de encantar alguém com gestos e atitudes nem sempre sinceras e autênticas, onde o que importa é conquistar alguém, mesmo que para isso tenha-se que utilizar-se de meios não muito éticos. Mas seduzir nem sempre é a arte do engano, tem pessoas que são naturalmente atraentes sem fazer esforço e nem sempre com interesses obscuros. Quando alguém tenta nos conquistar , não deixa de ser um elogio e sentimo-nos até valorizados, se este ato de seduzir não for desagradável pra o outro.
     Mas por que a sedução é tão mal compreendida? Normalmente quando se fala em um homem seduzir uma mulher, por exemplo, pensa-se apenas em um homem relativamente atraente tentando impressionar uma mulher mais atraente ainda, ambos equilibrados, com certa maturidade e até de bem com a vida, sem grandes problemas que os aflijam além de conquistarem a pessoa desejada. Mas a realidade é bem diferente, existem tantos fatores envolvidos entre um homem e uma mulher que daria um livro, existem questões como: a violência que já faz parte do cotidiano da maioria das pessoas, de uma forma ou de outra; uma das pessoas envolvidas neste processo de sedução não ser exatamente um exemplo de desejo para a maioria das pessoas, ou seja, ela estar fora dos padrões de beleza impostos pela sociedade, e isso pode fazer uma pessoa ser facilmente seduzida por um aproveitador; tem ainda a questão das despesas que este processo de sedução pode trazer para o candidato a Don Juan, uma parte da mulheres são da com homens que paguem tudo para elas.
        Com relação a homem pagar tudo para ter oportunidade com uma mulher acho isso eticamente questionável, que tipo de mulher oferece facilidades amorosas para homem que paga para possui-la? Assim como que tipo de homem se impressiona com a beleza de uma mulher desprezando todas as demais qualidades dela? Uma relação não pode ser certo se começar baseada em aparência física ou poder econômico. O amor é incondicional e não pode ficar refém de condutas duvidosas. Admito que uma mulher bonita é uma visão agradável até ela abrir a boca para falar, se falar bobagens, a beleza vai por terra.
     Até onde sei, as mulheres bonitas podem das sentir muito solitárias e tem muito homem que não tem coragem de se aproximar de uma mulher bonita com medo de ser ignorado ou mesmo humilhado, além de achar que toda mulher bonita já tem um companheiro. E tem mulher bonita que fica até incomodada com a própria aparência se sentir que não é amada pelo que é além de sua aparência estética.
Para se conquistar alguém tem que se perceber se você é o tipo de pessoa que a outra deseja.
Não concordo com técnicas de seduções que ensinam alguém a conquistar o outro sem levar em consideração o que o outro e sente e deseja. Uma coisa é ser uma outros mais atraente para o outro, outra coisa é perceber seus pontos fracos e utilizá-los contra ele.
Uma conquista para ser duradoura tem que ser baseada na verdade e nos sentimentos. É um grande prazer encontrar alguém que se interessa pelo que somos e que pensa em nosso bem estar, ao contrário de conhecer alguém que se aproveita de um momento de carência nosso e manipula nossos sentimentos de maneira inescrupulosa.
     Não devemos nos aproximar de alguém apenas por sua beleza estética ou pelas vantagens financeiras que ela os nos proporcionar. Não há nada de errado em apreciar uma pessoa bonita ou gostar de conforto, mas isso não deve ser a causa para nos aproximarmos de alguém e nos entregar de maneira irresponsável. Pessoas carentes estão mais vulneráveis a se deixar seduzir por alguém que não está pensando no bem-estar do outro além das vantagens que toda mesma possa obter.
É muito bom conhecer pessoas para compartilhar ideias e que sejam atenciosas. Pessoas de bem com a vida e que nos servem de motivação. É interessante conhecer pessoas equilibradas que se dedicam a pensar e falar o bem de tudo e de todos.
     E sejamos francos: Que mulher vai querer um homem inseguro, que fala pra dentro, tido acanhado e sem iniciativa? É bem mais encantador para uma mulher um homem decidido, que sabe ser firme sem ser rude, sabe ser atencioso sem ser pegajoso, que fala olhando nos olhos dela e se interessa pelo que ela diz, por mais chato que seja. Um homem tem que saber dar prazer a uma mulher antes de pensar em seu prazer pessoal, caprichar nas preliminares e se satisfazer apenas com um beijo que ela der. O homem não deve pensar que a mulher quer sexo na hora em que ele tem vontade, e que pode dormir assim que ele tiver orgasmo, como se a mulher não passasse de um depósito de seu prazer. Sussurrar ao ouvido dela e não ter medo de parecer bobo, desde que seja autêntico com ela. Homem deve saber que mulher é insegura e que mulher de verdade quer se sentir protegida. Quando a mulher se entregar a ele, deve ser protegida e não pode ser machucada em hipótese alguma.
     Já a mulher não tem que ter vergonha de ser mulher. Ser feminina e delicada não é sinal de fraqueza. Ela deve se entregar totalmente ao homem ao qual se escolheu, por isso deve ser bem criteriosa ao escolher seu parceiro que irá fazer parte de sua vida e penetrar em sua intimidade. A mulher tem que se soltar na relação, que deve se uma relação de liberdade e crescimento, e não o início de uma vida de cárcere.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Conflitos interiores III (pessoal)

Sei que ainda não atingi todo meu percurso de amar e sentir, que ainda estou preso as limitações impostas pelas pessoas por mim desde a minha primeira infância, e ainda estou preso a conceitos antigos que limitam minhas liberdade de pensar e agir, minha criatividade também está limitada pelo ter receio do que os outros podem pensar ou dizer.
     Mesmo assim, sinto uma pequena mudança mudança de atitude provocou grandes resultados. Bastou eu decidir de uma vez abandonar o nefasto vício de pensar e falar mal dos outros para ter assunto com a pessoas e tentar me entrosar nos grupos.
     Mas isso é só o começo para eu deixar de pensar em minhas vontades e no que considero necessidades. As vontades podem ser um grande atraso em nossas vidas se elas nos fazem nos sentir injustiçados por Deus e nos fazem ficar nos lamentando o tempo todo.
     Tornar-me uma pessoa melhor a cada dia é meu objetivo a muito tempo e recentemente esse ideal tem tido um grande impulso. Me desprender e ideias ultrapassadas e crenças limitantes tem sido  conquistas constantes de uns tempos para cá e tem ocorrido com um frequência cada vez maior.
     Isso faz com que eu perceba com cada vez mais facilidade as limitações dos pensamentos da outras pessoas. Fica fácil perceber pelas ideias que elas mesmas pronunciam o tempo todo e pela energia que gastam em defender essas idéias tão prejudiciais a elas mesmas. Como somos semelhantes, ao percebemos a nos mesmos, conseguimos perceber o quanto somos semelhantes uns com os outros.
      Erros inevitavelmente acontecerão e serão cometidos neste processo de aprendizado, mas assim que eu constato algum excesso de minha parte, não tenho o menor constrangimento em me desculpar. Afinal, estou percorrendo uma trilha desconhecida, sem referências e sem guia local. Os erros de percurso fazem parte do trajeto, na eles não devem ser motivo para uma autocrítica severa demais comigo mesmo e nem inviabilizam minhas conquistas. É melhor pedir perdão do que permissão.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Conflitos interiores II



     Fiz a experiência de passar um dia sem falar mal de nada de ninguém e me senti tão bem que quero repetir esta experiência repetidamente até ela virar um hábito. Em contrapartida, não quero mais ouvir ninguém falando mal de nada e nem de ninguém para mim: nada de falar mal dos políticos, dos criminosos, dos colegas de trabalho, de familiares, da moça da padaria, de ninguém. Não quero mais perder meu tempo em fazer análises que não chegam à conclusão ou solução alguma.
     Sei que as pessoas passam o tempo todo se lamentando ou acusando alguém de algo. Já tive experiências o suficiente que o mundo não ficou melhor simplesmente porque alguém faleceu, principalmente quando se trata de pessoas que não cometeram crime algum, apenas são pessoas que tem um comportamento mais difícil de conviver com elas.
     Aprendi que basta não dar importância a pessoas que reclamam demais e o tempo todo, com o tempo elas perceberão que insistir em uma conversa desagradável não está sendo tolerado pelo seu ouvinte e a tendência será parar de insistir em ser tão inoportuno.
     Essa mudança de atitude tem relação com o que tenho estudado e publicado. É como se eu tivesse feito uma limpeza espiritual, me sinto renovado e leve. Aquela fúria contida que ficava em mim se dissipou no momento em que eu decidi abandonar o maligno habito de falar e pensar mal das pessoas. Mesmo que uma pessoa seja desagradável para mim, isso não me dá o direito de falar mal dela com quem quer que seja. Devo sempre lembrar que todos somos semelhantes e filhos de Deus.
     Se eu tiver algo para falar de alguém, que fale para a própria pessoa e não dela para um terceiro que não vai resolver nada. Mas assim como eu tenho que ser rigoroso e banir o mal de minha vida, não devo tolerar que pessoas que entrem em contato comigo tenham atitudes que provoquem o que eu tenho de pior. Não preciso me colocar a prova o tempo todo. Quando eu permito que alguém me irrite, estou dando oportunidade para eu influências ruins se apoderem de meu ser e fico vulnerável a entrar num estado de fúria.
     O modo de se expressar também é importante nesse processo de mudança. Pode-se agir como um ator que vai interpretar um personagem: idealiza o personagem na cabeça, estuda seus movimentos, modo de falar, pesquisa e tudo mais para dar credibilidade a este personagem. Mas depois de algum tempo interpretando este personagem, alguma coisa deste personagem passa a fazer parte do ator. Penso assim para que eu chegue a perfeição que sei que posso atingir, tem que idealizar o novo eu: falar no tom de voz adequado, manso, comas palavras bem pronunciadas, movimentos seguros (movimentos bruscos pode ser sinal de algum tipo de desequilíbrio mental, e assusta as pessoas), olhar que passe uma sensação de paz e segurança, prestar a atenção ao outro e demonstrar interesse no que ele está expressando, fazer cada pessoa sentir-se valorizada e única.

Conflitos interiores

Me preocupo tanto com minha imagem que esqueço facilmente de respeitar meu semelhante. É o conflito entre dizer o que se pensa e fazer tudo que se sente e não ofender a quem quer que seja.
Na verdade, essa já é a próxima etapa de minha trajetória: Me expressar livremente, mas de maneira cortes e não de maneira furiosa. É encontrar o ponto exato e equilíbrio entre a sinceridade e cordialidade.
Devo ser cordial não para preservar minha imagem, mas por respeito ao meu semelhante que é, no fim das contas, minha própria imagem refletida no espelho do inconsciente.
Erros serão cometidos ao longo do percurso, mas terei que ter humildade para pedir perdão quantas vezes for necessário.
Mudar velhos hábitos de comportamento é possível, mas eles são resistentes às mudanças e a falta de incentivo das pessoas ao nosso redor pode impedir o progresso destas mudanças, sem não estivermos firmes em nossos propósitos.
Devo lembrar de de expressar sempre o que sinto em cada oportunidade, isso faz parte do processo de evolução espiritual, mas SEMPRE de maneira educada e respeitosa com meu semelhante, não sendo tão exigente comigo e com os outros, além de dar tempo para que esta ideia amadureça.
O tempo está passando, sinto que meu novo Eu seja como uma criança embrulhada em uma placenta tentando vencer a membrana do meu instinto de proteção para nascer e crescer exponencialmente. Essa criança vai nascer de um jeito ou de outro, e se eu tentar deter ser crescimento ela vai causar sérios estragos em minha vida social e na tão valorizada imagem que faço de mim mesmo e que, às vezes, tenho preservar a todo custo.
Não consigo mais segurar meu Eu interior apenas por medo de me expor, mas posso ainda controlar como vou me apresentar diante das pessoas. Mas minha verdade não se contém mais dentro deste muro psicológico que criamos para nos preservar dos olhares e reações da sociedade.
As pessoas que conheço tem sérias limitações de compreensão do ambiente a própria volta, mas isso não deve ser impedimento ao meu próprio crescimento pessoal e espiritual. Só tenho que ser suave o suficiente para sempre expressar o que sinto sem ser ofensivo, não por medo de me machucar, mas para não machucar meu semelhante.
Domar esta fera interior é um desafio diário e tem relação com o artigo já escrito sobre o seqüestro de amigdalas, assim como o que já escrevi sobre a paz e a fúria.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Aventuras amorosas

Em pleno século XXI, existem mulheres que ainda acreditam que haja homens que sejam capazes de cair aos seus encantos apenas por causa de umas belas curvas. Mulheres que acreditam que o homem que paga algumas cervejas e levam elas de caso para o motel nos primeiros encontros virá a se apaixonar perdidamente porque elas fizeram todas as fantasias dele.
Não dá para acreditar que existem pessoas tolas a esse ponto, mas é o que mais existe. Mulheres que se iludem pelo brilho da pintura de um veículo motorizado e embriagam-se nos odores do combustível. E a história continua a se repetir. Depois de algumas aventuras amorosas, esse tipo de homem abandona essa mulher iludida por outra mais atraente. E assim por diante.

Sequestro de amigdalas



Tenho estudado sobre muitos assuntos e me deparei com um que afeta a vida de todas as pessoas, mas quase ninguém percebe sua importância: sequestro de amigdalas. Não se trata de uma ação criminosa visando o resgate de uma glândula do corpo humano. Trata-se das reações impensadas e mutãs vezes explosivas que as pessoas em um momento de raiva, onde dizemos ou fazemos coisas além dos limites que, em casos estremos, podem facilmente terminar em tragédia.
Pois bem, o cérebro humano com frequência é palco de um tipo de sequestro, que é a palavra utilizada para designar aquele momento em que a razão é superada por uma forte emoção em uma situação de grande dificuldade. Quando a razão recupera o controle, instantes depois, o estrago pode já ter sido feito.
Muito antes de o neocórtex surgir e definir o homem como um “ser pensante”, outras partes neurais já existiam, cumprindo funções de sobrevivência, tanto do indivíduo quanto de sua espécie. Sobre o tronco cerebral, responsável pelos instintos mais básicos formou-se o Sistema Límbico, o que dotou nosso ancestral de uma novidade: emoções. E foi dele que evoluiu o cérebro pensante – o neocórtex. Essa história tem pelo menos trezentos e cinquenta milhões de anos, contando a partir da era dos répteis.
Esse sistema cerebral primitivo se desenvolveu para aumentar as chances de sobrevivência do homem primitivo em desvantagem física em relação aos outros animais em um mundo hostil, onde a regra era fugir ou agredir, diante de um perigo iminente. O ser humano ainda não era um ser pensante e eram praticamente instintivas suas reações.
O problema surgiu que o homem evoluiu, mas este cérebro primitivo continuou a exercer influencia sobre suas atitudes. Se antes o perigo era físico e real, no mundo moderno situações de estresse emocional também passaram a ser interpretadas por este cérebro primitivo como outra forma de perigo. E as reações também podem ser agressivas e até violentas, já que este cérebro não tem as limitações que o neocórtex impõe aos nossos excessos nos atos impetuosos. Quando a pessoa para pensar nas barbaridades que disse ou fez, poderá ser tarde para pedir desculpas ou reparar o mal que causou por deixar-se levar por atitudes furiosas.
Quando alguém diz “conte até dez” está na verdade utilizando uma metáfora. O que realmente está querendo dizer é “pense antes de responder” ou “não se deixe dominar pela raiva”, ou ainda “não estrague tudo deixando a amigdala responder por você, pois ela não conhece todo o quadro, só a pincelada do perigo e do ódio”.
No mundo animal, a vítima é o bicho lento que não controla os movimentos. No mundo humano, a vítima é a pessoa rápida que não controla as palavras. Kant uma vez disse que a paciência pode ser a fortaleza para os fracos, assim como a impaciência pode se transformar na fraqueza dos fortes.