sábado, 4 de fevereiro de 2017

Conflitos interiores III (pessoal)

Sei que ainda não atingi todo meu percurso de amar e sentir, que ainda estou preso as limitações impostas pelas pessoas por mim desde a minha primeira infância, e ainda estou preso a conceitos antigos que limitam minhas liberdade de pensar e agir, minha criatividade também está limitada pelo ter receio do que os outros podem pensar ou dizer.
     Mesmo assim, sinto uma pequena mudança mudança de atitude provocou grandes resultados. Bastou eu decidir de uma vez abandonar o nefasto vício de pensar e falar mal dos outros para ter assunto com a pessoas e tentar me entrosar nos grupos.
     Mas isso é só o começo para eu deixar de pensar em minhas vontades e no que considero necessidades. As vontades podem ser um grande atraso em nossas vidas se elas nos fazem nos sentir injustiçados por Deus e nos fazem ficar nos lamentando o tempo todo.
     Tornar-me uma pessoa melhor a cada dia é meu objetivo a muito tempo e recentemente esse ideal tem tido um grande impulso. Me desprender e ideias ultrapassadas e crenças limitantes tem sido  conquistas constantes de uns tempos para cá e tem ocorrido com um frequência cada vez maior.
     Isso faz com que eu perceba com cada vez mais facilidade as limitações dos pensamentos da outras pessoas. Fica fácil perceber pelas ideias que elas mesmas pronunciam o tempo todo e pela energia que gastam em defender essas idéias tão prejudiciais a elas mesmas. Como somos semelhantes, ao percebemos a nos mesmos, conseguimos perceber o quanto somos semelhantes uns com os outros.
      Erros inevitavelmente acontecerão e serão cometidos neste processo de aprendizado, mas assim que eu constato algum excesso de minha parte, não tenho o menor constrangimento em me desculpar. Afinal, estou percorrendo uma trilha desconhecida, sem referências e sem guia local. Os erros de percurso fazem parte do trajeto, na eles não devem ser motivo para uma autocrítica severa demais comigo mesmo e nem inviabilizam minhas conquistas. É melhor pedir perdão do que permissão.

Nenhum comentário: