quarta-feira, 29 de março de 2017

Confraternização II

Existem várias pessoas solitárias pela cidade apenas precisando de companhia para sair, ir a um cinema ou mesmo conversar sem compromisso ou cobranças. Quero retomar urgente meu projeto de Confraternização. Quero ter outras pessoas envolvidas em minha vida de forma leve e natural, sem aquele ranço de ciúmes e possessividade que uma relação amorosa traz. Quero viajar fins de semana e ter outras companhias além de minha mãe mas não quero arriscar minha vida com alguma mulher ciumenta capaz de cometer um crime passional. Tem que ser algo bem leve, agradável e sem cobranças.
Quero que as pessoas conheçam meu modo de vida, que conheçam minhas obras de arte que faço, que gostem de ouvir música, passar uma tarde vendo alguns filmes e confraternizando. O tempo é curto, quero sentir aquela alegria de estar com pessoas suaves em conversas amenas. Preciso viver emoções que um namoro não podem me dar e, em alguns casos, até retiram da gente o que podemos viver de bom.
As emoções são a chave para nosso sucesso ou fracasso total. Quero amadurecer essas idéias na prática e passar a viver numa nova dimensão de amor sem restrições e sem tempo previsto para acabar, com prazo de validade indeterminado.
Mas para isso tenho que deixar de pensar só em mim e estar com pessoas que não prendem só nelas e sejam decentes o suficiente para não terem medo de expressarem-se diante de outras pessoas, ou seja, tem que ser pessoas sociáveis. Pessoas que gostam de isolamento são pessoas suspeitas ou tem algum transtorno mental ou mesmo algum trauma. Fico desconfiado de pessoas que gostam de se esconder e tudo que fazem só pode ser a dois e ninguém mais.
Tudo isso vai servir para expandir meus horizontes para além das fronteiras do meu Eu interior. Nada ficará encoberto que não seja revelado. Esta é a melhor maneira de evitar pensamentos mesquinhos e e obscuros. Quem não deve nada a ninguém não tem medo de expressar ideias no momento oportuno.
Essa mudança de atitude visa quebrar a rigidez com que ainda me relaciono e reajo aos imprevistos. Tenho que ter atitudes mais flexíveis e maleáveis. Não dá pra pensar em prosperar se eu não tiver a mente aberta às críticas mas também ao inesperado. A vida é dinâmica e não dá para postar sempre, analisar e divulgar cada ideia e momento que ocorrem.
As experiências podem ser mais enriquecedoras se forem coletivas. O ser humano é um animal social. Só se desenvolve de forma saudável se tiver oportunidade de aprender os limites da convivência, e também a superar os próprios limites.

terça-feira, 28 de março de 2017

O passado como referência

As respostas que procuramos não estão nas pessoas, mas nas nossas próprias atitudes. Não se pode confiar nossos caminhos a alguém, pois as pessoas mudam de opinião e nem sempre tem a palavra certa para dar. Tem dia que acordamos de mal humor ou meio desanimados, neste dia os conselhos que poderíamos dar talvez não fossem os melhores nem os mais isentos. Uma pessoa que está sentindo-se poderá deixar que o ressentimento dela acreditar que não é válido amar alguém.
Percebi também que as pessoas, em geral, agem como se não tivessem uma história pessoal. Elas se esquecem de suas metas e não avaliam se conquistaram algo do que planejaram. Eu olho para meu passado para comparar onde e como eu pensava, onde estou e para onde vou e quando vou chegar, se eu continuar neste ritmo e nesta ou aquela direção. É traçar uma linha que permite dizer que resultados pode-se obter no futuro se continuar agindo e pensando desta maneira. Gosto de pensar no passado para avaliar como eu pensava e como penso hoje em dia, o que conquistei e o que faltou para alcançar o sucesso total.
Penso nos casarões antigos que já visitei e até morei, da época em que esses casarões não tinham laje mas madeira no lugar,  lembro-me de meus sonhos e até talentos que foram abandonados gradativamente. Alguns dos planos que eu tinha eram viáveis e poderiam ter dado certo as eu não tivesse me deixado influenciar pelas opiniões alheias de pessoas que pareciam saber muito da vida e me desestimulam que eu desenvolvesse meu espírito empreendedor. Os adultos tendem a moldar as crianças com seu ponto de vista e maneiras muitas vezes limitados, isso acaba com a iniciativa e criatividade das crianças.
Deixei de me dedicar aos estudos para ser igual aos outros e não ficar só. Destruí a possibilidade de ser independente para não assustar as mulheres. Naquela época, homens estudados demais não namoravam. Hoje em dia as pessoas continuam a não gostar de pensadores, mas toleram quem pensa as este tiver dinheiro ou influência. Perdi tempo demais tentando ser agradável e atraente aos olhos alheios. Não podemos mudar o passado, mas apenas aprender com os erros cometidos e não torná-los a repeti-los.
Estou tentando refazer meus passos e descobrir onde eu pedi meu caminho. Deixar tenta solidão e lamentação de lado para lutar com as "armas" que tenho para conquistar uma velhice tranquila e produtiva. 

segunda-feira, 27 de março de 2017

Capacitação profissional

Tenho interesse em voltar a ministrar cursos de capacitação profissional, mesmo que eu tenha que ir outra atividade para completar a renda. Meu interesse em capacitar pessoas têm um aspecto meios mais amplo do que apenas um meio de sobrevivência.
Ensinar às pessoas me comove e me estimula.
Ministrei cursos de capacitação por aproximadamente quatro anos e me realizei com cada turma que ensinei e formei. As expressões dos participantes, o silêncio, a concentração total e toda a atenção focada em cada palavra que eu pronunciava eram recompensadores e inesquecíveis. Foi o trabalho que eu mais gostei e a época em que mais me senti realizado.
Meu trabalho segue uma linha de auto-ajuda, onde cada participante é estimulado a aprender a questionar e a encontrar as respostas para as próprias perguntas. Eles são são apenas meros expectadores, mas participantes ativos na dinâmica das aulas. Mas não costumo expressar claramente que de trata de uma aula com conceito de auto-ajuda, pois o conceito esta bem desgastado devido estar sendo usado a anos por pessoas nem sempre bem capacitadas ou bem intencionadas.
Trato cada participante como sendo uma pessoa capaz e de valor, onde ele é o maior responsável pelos seus resultados, sejam eles satisfatórios ou não. Mas não se pode dizer a um desconhecido que ele não tem o que não quer porque não acredita realmente nisso, pois fazer este tipo de afirmações do serviria para ganhar antipatia e resistência por parte das pessoas.
Mas o que levaria uma pessoa a uma sala de aula nos dias de hoje para aprender algo, sendo que na internet existem milhões de conteúdos grátis em vídeos e textos, a disposição de quem apenas quiser pesquisar? Simples: aprender em grupo é uma lição de vida e natureza de casa um acaba se revelando e estimulada de forma correta. Só mundo de tempo, fui percebendo que algumas pessoas parecem que entram em transe quando estão na presença de outras pessoas e expressam algo particular seu. No início ficam as pessoas preocupadas pois não sabem como será a reação dos outros participantes se ela for um pouco mais sincera, mas logo a apreensão de torna ansiedade em das expressar cada vez mais assim que ela percebe que não está sendo alvo de críticas e que ser natural é mais fácil do que parece. É mais fácil uma pessoa descobrir a si mesma em grupo de desconhecidos do que no isolamento ou mesmo no seu meio social, onde todos concordam com todos o tempo todo para não desagradar a ninguém.
Além de desenvolver um curso com uma metodologia particular de aplicação, também me encarreguei de eu mesmo divulgar o curso com seu conteúdo programático que foi bem recebido pelas empresas aonde cheguei a apresentá-lo. Mesmo com os poucos recursos disponíveis na época, como impressão e internet de fácil acesso e de baixo custo, a receptividade foi boa. Mas não levei ele adiante naquela época por achar que ele poderia chegar a atingir grandes proporções e eu não tinha uma estrutura administrativa e nem experiência profissional o suficiente para tocar um projeto de tamanha magnitude sozinho. Me faltou autoconfiança na época para rodar o projeto do papel e aplica-lo na prática.
Hoje me sinto muito mais capaz e experiente para reativar este projeto de vida, conseguir clientes não é difícil quando conhecemos e gostamos de que fazemos. Pretendo voltar a ser capacitação no início para reativar aquela chama que está um tanto adormecida pelo tempo que não pratico a função de capacitar, mas estou certo de que será uma ótima experiência para todos os participantes envolvidos neste projeto.
Particularmente assumo o desafio de trabalhar o emocional de um grupo de pessoas para agilizar e potencializar os resultados do curso. Acredito que o emocional é que chave que abre a mente para possibilidades infinitas, desde que bem conduzida. Sem este trabalho de iniciar o autoconhecimento e o equilíbrio emocional, não há como ter resultados satisfatórios e duradouros. É possível conseguir bons resultados em um curto espaço de tempo, mas tem que ser feito de forma responsável e criteriosa, senão os resultados serão um completo desastre.
Qualquer conteúdo pode ser ensinado desta forma, mas eu me sinto mais à vontade com assuntos com os quais me identifico e também com os que tenho mais domínio. Assuntos relacionados às áreas administrativa, comercial,  compras, vendas, negociação, telemarketing, relações humanas, estoques, almoxarifado e suprimentos dão os que eu mais me identifico para poder passar adiante em forma de treinamento profissional.
 

Mestre e discípulo

Estes dias consegui descrever de forma magistral e até poética para minha mãe como me sinto atualmente. Eu disse para ela que neste momento me sinto como um estudante da espiritualidade, mas que estou tendo me comportar como se já fosse um profissional experiente. Não sou nem mesmo um estagiário, mas tenho atribuições de quem já está no ramo a décadas. Se ela tivesse que esperar eu me formar para começar a usufruir dos benefícios de meus conhecimentos, ela não duraria até lá, tenho certeza.
Estou sendo mestre e discípulo de mim mesmo. Tenho que aprender e aplicar conhecimentos muito abstratos na prática. O tempo urge e não tem tolerância com atrasos. Sei que não posso dar a vida a ninguém nem prolonga-la, mas posso dar conforto e motivos para alguém desejar continuar a viver.
Ao mesmo tempo que aprendo eu ensino, e ao ensinar aprendo mais. É um círculo virtuoso. Não tenho um mestre que me oriente verbalmente diariamente, mas de alguma forma estou aprendendo cada vez mais e indo rumo ao desconhecido. Não sei para onde estes caminhos irão me levar na idade que estou, mas estou me deixando levar cada vez mais sem resistências e sem precisar me antecipar demais a todo instante. Talvez seja isso que comumente seja chamado de fé.
Não tenho referências de pessoas conhecidas com as quais eu pudesse tirar dúvidas de me servir de exemplo nos dias atuais, mesmo assim sigo em frente. Quero acreditar e aceitar cada vez naturalmente as maravilhas que uma vida sem pesares fazem conosco.

domingo, 26 de março de 2017

O tempo

Assisti um filme que tinha um historia um tanto fraca para o tema escolhido, mas teve um ensinamento importante sobre o tempo que dedicamos a alguém ou a algo.
O nome deste filme é O DESTINO DE JÚPITER. É a história de seres que se tornam imortais sacrificando civilizações inteiras para poderem viver eternamente utilizando a energia vital de cada ser vivente. Para eles, a maior riqueza que existe é o Tempo. E para tê-lo é válido qualquer sacrifício, que mesmo um genocídio é justificável.
O tempo revela tudo sobre nós: quem somos, o que fazemos de nossa vida, quem valorizamos, quais são nossos sentimentos e interesses, e em que direção este estamos indo. Se dedicamos tempo demais a bobagens, sejam elas virtuais ou reais, o que teremos em nosso futuro? Quem passa tempo demais estragando a própria saúde com uma vida sedentária, bebedeiras, ingerindo alimentos prejudiciais a sua saúde, o que espera ter em seu futuro? Perder tempo demais com lamentações, vida virtual, televisão, internet, fazendo coisas improdutivas, rancores não pode ter um bom resultado.
Da mesma forma, quem dedica seu tempo em pensar sempre o bem, ajudar seu semelhante como for possível, cuida da sua saúde física e mental, tem uma fé inabalável no amor de Deus, o que pode esperar do futuro?
O tempo está relacionado diretamente com sua vida e com o que colherá nesta vida atual e futura. Como diz aquele ditado: "Quem planta vento colhe tempestade".

Elevar-se

O medo, as preocupações, ansiedade, revolta, e sensações desse tipo são coisas deste mundo, nos mantém neste nível e não deixam que nossa mente seja elevada para obter a respostas e graças que tanto precisamos. A falta de dinheiro, segurança, companhia, saúde, carinho, emprego, perspectivas de crescimento de mudanças são devastadoras para nosso amor-próprio.
Mas ficar apreensivo e revoltado não resolve nada e só faz piorar a situação cada vez mais. Os velhos hábitos tendem a manter-nos com os mesmos comportamentos de sempre, e mudá-los requer esforço, determinação e atitude consciente para que se tenha sucesso nessas mudanças.
Como alguém vai conseguir mais dinheiro se tiver sempre com medo de perder o pouco que tem ou se esta pessoa tem pouca tolerância com os próprios erros que comete? "Não se faz um omelete sem quebrar alguns ovos", diz o ditado. Uma pessoa positivista arrisca conscientemente o que tem para lutar mais adiante. Mas nesse trajeto erros são inevitáveis. A questão é te consciência de quanto e até onde está disposto a arriscar para obter ganhos expressivos. Mas tem que se desapegar do medo, da falsa sensação de segurança em que vive e ser capaz de se recuperar em caso de revezes.
Falar é fácil, mas qualquer mudança que temos, por menor que seja, muda nosso comportamento e modo de compreender o mundo. E assim como você mesmo resiste a qualquer mudança, ir mais imediata que seja, as pessoas ao seu redor resistirão mais ainda e lutarão com todas as forças com qualquer tentativa de mudança que possa afetar o modo com que elas também vêem o mundo. E te farão escolher entre permanecer como sempre esteve ou ser banido daquele grupo social fechado. Seu comodismo tenderá a te convencer que não vale o esforço de arriscar perder o contato com este grupinho em busca de uma fantasia absurda. Mas quando a situação de todos começa s piorar irremediavelmente, este mesmo grupo começa a desmoronar e será a vez do cada um por si. Esse tipo de grupo não ampara sua membros mais fracos.
Conhecer outras pessoas que tenham anseios semelhantes pode ser encorajador para continuar a jornada. Mas não encontrar pessoas assim não deve ser motivo de desistir de caminhar, nem que seja só por tempo indeterminado.
Temos que vencer a raiva, revoltas e ressentimentos contidas em nós para que consigamos superar essas visão limitada que deixamos que nossas impusessem e que nos mantém presos no mesmo lugar. Temos tudo o que precisamos para vencer, mas as limitações do nossos hábitos cotidianos nos impedem de perceber com clareza as respostas.
Para alcançar este nível mais elevado e atingir um estado de leveza, tem que se libertar das preocupações de cada dia, relaxar e deixar que as respostas venham até você. Mas também tem que estar preparado para as mudanças que terá em sua vida, se você não resistir muito, mas mudanças ocorrem nem breve espaço de tempo, mas na maior parte das vezes nossas resistências e medo do desconhecido atrasam essas mudanças. Deixe-se guiar por um sentimento de leveza que tomará conta de seu ser, e alcançará seu sucesso.

sábado, 25 de março de 2017

Vida virtual. - conclusão

Ainda passo o dia verificando meu Facebook e whatssap na ilusão de que alguém se lembre de mim de maneira espontânea, mas isso normalmente não acontece. O máximo que recebo são aquelas mensagens de bom dia sem nenhuma referência a numa pessoa, como se tivesse meu número incluído em uma lista de conhecidos de alguém e eu recebesse essas mensagens impessoais diariamente.
Essa coisa virtual é viciante, deprimente e angustiante. Amor achamos que em algum momento iremos receber aquela mensagem que irá mudar o curso de nossa vida ou trazer aquela felicidade à qual ansiamos a tempos.
Mas esse mundo virtual é doentio e um dos seria maiores problemas é o ciúme irracional. Como alguém pode ter ciúmes de alguém que nunca viu pessoalmente ou que praticamente nem vê, não tem contato pessoal e nem frequenta os mesmos ambientes?
Cria-se muitas expectativas em torno de uma fantasia que não passa de uma ilusão criada por uma mente solitária e desesperada por carinho ou mesmo sexo.
Não se pode imaginar confraternizar com duas ou mais pessoas oriundas do bate-papo e que não se conhecem ele si. A desconfiança fica presente e sabe quem teve relações com quem ali, além do receio de ter sido motivo de comentário em sua ausência. Uma reunião com o pessoal da igreja ou mesmo de um curso qualquer tem significado totalmente diferente, outra a pessoas já tem um contrato entre si e já tiveram a oportunidade de verem o comportamento de cada um.
Não podemos nos esquecer do bom e velho networking, que é aquela rede de contatos que serve para indicar para uma oportunidade de trabalho, coisa que a "bolha social" só Facebook e o individualismo do whatssap não permitem que sejam criadas e nem fortalecidas. Já que cada um se refugia em um grupo homogêneo nas ideias e comportamentos, o que um sabe é o que o outro também sabe, o que não acrescenta nada ao grupo. E todos ficam na mesma "merda".
É difícil abandonar os velhos hábitos, mas não é impossível. Estes dias que resolvi neutralizar a força da influência dos contatos virtuais em minha vida, já percebi diferença no modo que eu vejo o mundo e o que sinto em relação às pessoas que eu já conheço, se mesmo com aquelas que não tenho muita intimidade.
A analogia que eu já comentei sobre o medo de passar por um desafio equivalente a uma cortina de fogo tem relação com isso: Eu sempre tive medo de ser visto pelas pessoas a minha volta e por pessoas conhecidas, sempre escolhi minhas ideias, mas agora sinto que se eu não me revelar o quanto antes meus entes queridos poderão sofrer sem que eu tenha feito nada para ajudar. Sair do mundo virtual e vencer esta desafios já não se trata de mim ou mesmo algo que ainda possa ser adiado. É uma questão urgente que deve ser resolvida o quanto antes. Sei que tenho a resposta, e sei que muitas pessoas precisam destas respostas que tenho mas fico adiando por receio.
Ainda há tempo de viver uma vida de felicidade e fora das trevas do bate-papo e da vida virtual. Quem quiser viver e conhecer um novo modo de perceber o mundo, estou disposto a descobrir este novo cenário assustador mas cheio de oportunidades de encontrar alegrias e felicidade.

sexta-feira, 24 de março de 2017

Vida virtual - bate-papo

Não poderíamos encerrar essa série de textos sobre a Vida Virtual sem falar dele, o maior famigerado e viciante de todos: O bate-papo. Quem não conhece é melhor nem começar. Bate-papo vicia mesmo. A possibilidade de conhecer vários tipos de pessoas a cada dia torna-se um esporte onde os erros de cada dia só servem para motivar seus participantes a buscarem se aperfeiçoar a cada dia para que assim tenham sucesso em cada investida equipe dizerem. Bate-papo é um jogo de sedução virtual em que cada um expõe aquilo que mais lhe convém na expectativa de conhecer alguém que lhe agrade, que realize todos os seus desejos e fantasias de forma submissa e gratuita ou a baixo custo.
É como ir a um shopping ou a um supermercado para escolher um produto que se adeque as sua necessidades e seu orçamento quase sempre apertado. As mulheres tendem a oferecer a possibilidade de sexo fácil para os homens, e os homens insinuam que vão bancar a mulher que mais lhe agradar. É como se fosse um leilão: leva a melhor mercadoria quem der o melhor lance.
Teoricamente, as pessoas estão apenas ali para passar o tempo e talvez fazer alguma amizade, tudo de forma despretensiosa. Mas na verdade o que está realmente acontecendo é uma caçada pelos melhores prêmios. Não há espaço para amadores e principiantes. Os fracos serão derrotados e humilhados, senão ocorrer algo pior.
Não sei o que vicia mais: se conhecer uma pessoa maravilhosa e achar que poderá conhecer outra igual ou melhor; ou se o vício ocorre depois de conhecer alguém um tanto interessante, não conhecer mais ninguém e continuar insistindo indefinidamente.
O nível das pessoas que freqüentam o bate-papo caiu muito de alguns anos para cá, devido a facilidade de acesso. Também surgiram algumas aplicativos mais práticos posta se conhecer alguém, seja para sexo ou mesmo romance, mas nem todos tem aparelhos que esses aplicativos. Outra pessoas preferem o anonimato do bate-papo para poder tentar conquistar alguém sem ter que mostrar fotos num primeiro momento.
Já conheci diversas pessoas para saber que esse anonimato é que ainda mantêm o bate-papo ativo. Muitas pessoas descrevem-se como sendo atraentes sem realmente serem. Não sei se elas realmente se vêem como sendo pessoas atraentes ou se estão tentando convencer ao outro que não estão sobrando no mercado da paquera.
Tudo que sei é que quem está no bate-papo tem algum tipo de problema, ou a autoestima é baixa, ou só quer sexo mesmo, ou está querendo arranjar alguém para pagar as contas dela em troca de sexo. Nos dias de hoje, que tipo de gente se aventura a conhecer uma pessoa totalmente desconhecida de precedência duvidosa e comportamento imprevisível? Provavelmente será alguém que está desesperado em conhecer alguém ou já está desiludido e cansado de tanto tempo de solidão.
Mas não é com quando se conhece alguém interessante no bate-papo, pois sempre fica aquela dúvida: "E se eu entrar só mais uma vez, será que eu consigo uma pessoa mais interessante ainda?"

Vida virtual - redes sociais

Então surgiu uma nova maneira de conhecer pessoas, que foi através da conexão com computador via bate-papo e redes sociais. De início, o computador era um aparelho muito caro. Em valores atuais, um computador simples de monitor com tubo de imagem custaria cerca de cinco mil reais. Já a internet era basicamente com conexão discada. Para pagar menos, ficava-se acordado derrota da meia-noite até seis horas da manhã seguinte, ou até quando o sono permitisse. A maior parte das pessoas acessavam a internet através de uma lan house, pagando-se por hora de acesso. Contudo, o nível das pessoas que acessavam a internet era alto, até mesmo devido a todas essas restrições. Poderia-se conhecer uma boa pessoa de modo virtual, namorar e até casar com ela. Bons tempos aqueles...
Mas o tempo e os preços dos computadores foram abaixando, e o nível dos frequentadores da internet caiu juntamente com os valores dos aparelhos e da melhoria da facilidade de acessar a internet via banda larga. Hoje em dia se consegue acessar a internet até mesmo por smartphone, e com poucos reais de crédito pode-se acessar por vários dias.
O que deveria incentivar as pessoas a aprenderem mais e aumentar seu poder de argumentação, só fez piorar a capacidade de comunicação e compreensão das pessoas. O acesso à informação nunca esteve tão fácil, e as piedosas nunca estiveram tão mal informadas como nos dias atuais. O nível das pessoas nas redes sociais está péssimo.
Se alguém se atreve a expor uma opinião contrária à opinião de um grupo, facilmente será hostilizado até ele mesmo sair do grupo ou daquela redes social. O que deveria ser um espaço democrático para o debate sadio de ideias, tornou-se uma área onde uns poucos ditam as regras e o restante do grupo aplaude qualquer besteira que se publique. Isso vale tanto para o Facebook como para o whatssap. A mediocridade passou a reinar na vida social mas com reflexos até fora dela.
As pessoas de melhor qualificação, eruditas, estudadas, bem sucedidas na vida profissional e até social, não ficam se expondo em redes sociais e nem fazendo amizade com pessoas desconhecidas de procedência duvidosa.

Vida virtual - telefone

A vida virtual nos faz perder tempo demais e não nos acrescenta nada. Sei disso, perdi anos de vida neste vício. Quando eu era mais novo, o dinheiro era curto, então para convencer alguém a namorar comigo eu conversava bastante para criar intimidade e disfarçar o fato de eu te poucos recursos para impressionar uma garota. O tempo passava e a situação não melhorava e eu continuava a ficar horas no telefone.
Naquela época as pessoas gostavam de receber ligações de telefone e falavam comigo até sermos vencidos pelo sono, e no outro dia recomeçávamos.
Durante muito tempo utilizei o telefone como forma de comunicação virtual, conheceu com os antigos orelhões que usavam fichas telefônicas até mesmo outra mais modernos que utilizavam cartões telefônicos. Comecei comprando fichas individuais e por fim já estava comprando pacotes fechados de um cento. O mesmo aconteceu com os cartões telefônicos, eu comprava vários só para atualizar as conversas e manter o contato. Daí passamos a ter telefone residencial e o vício continuava, e a dureza também.
Chegamos a época do celular, mas no início do serviço de telefonia celular cada ligação era cara, pegava-se para ligar e receber chamadas. Os aparelhos de telefones celulares eram caros e extremamente básicos em suas funções. Mais de uma década depois é que chegaram as promoções de ligações com bônus que facilitaram e viabilizaram os contatos. Eu tinha conta de telefone e perdia mais de sessenta horas por mês do fazendo ligações. E quase nada de ver alguém pessoalmente.
Ou seja telefone pode servir para dar um recado rápido, mas conhecer e manter contato apenas telefonando é forçar uma situação de maneira artificial e tentar viabilizar uma relação sem bases sólidas e sem futuro. De vez em quando eu apago vários números de minha agenda de telefone para testar quem ainda vai ligar para mim, e ainda me surpreendo quando a maior parte das pessoas não me telefona para saber o porquê de eu ter sumido e não ligado mais, ou seja, se eu não telefonar, a maior parte dessas pessoas nem sentem minha falta. Alimentar qualquer tipo de contato meramente virtual é grande perda de tempo e apenas se iludir ao longo dos anos.

Vida virtual - introdução

A apenas algumas décadas, se você se sentisse só ou quisesse arranjar alguém para conversar ou mesmo namorar, você ia a uma praça ou parque, barzinho ou festa para flertar-se com alguém. Ainda havia uma certa ingenuidade no ar e as mulheres trocavam números de telefones com desconhecidos e havia oportunidade de iniciara-se iniciar-se uma relação que poderia até resultar em casamento.
Mas o tempo passou e apareceu um episódio que serviu de alerta a acabou de vez com o que ainda havia de romantismo: O maníaco do parque. Antes deste episódio amplamente divulgado na televisão, as mulheres davam oportunidade de desconhecidos de se aproximarem delas e até seriam com eles. Mas o que poderia já estar acontecendo sem divulgação, depois de repercussão que teve ficou marcado na cabeça das pessoas a figura do psicopata, que é aquele indivíduo que mata alguém sem nenhum remorso.
Depois disso, acabou a possibilidade de um homem desconhecido se aproximar de uma mulher sem deixá-la assustada. E em apenas alguns anos os ladrões se tornaram tão ousados que assaltam qualquer tipo de pessoa em qualquer lugar. Tudo isso serviu para soltar de vez qualquer chance de se conhecer uma pessoa desconhecida em um ambiente que não fosse controlado, tipo uma empresa ou indicação de algum conhecido.
Tudo isso serviu para aumentar os contatos em ambientes controlados, tipo escolas, faculdades, igrejas, empresas e indicação de pessoas conhecidas. Quase que não se tem mais oportunidade de conhecer alguém se não estiver vinculado a algum lugar. Além disso, devido a violência nas cidades, as pessoas têm preferido contatos virtuais a terem que se deslocar de suas casas para se encontrar com alguém, levo que seja um familiar seu.
Por isso, a cada dia mais as pessoas estão se comunicando e se conectando via tecnologias cada vez mais modernas. Os meios de comunicação estão se aperfeiçoando de forma exponencial. Mas mesmo assim, e talvez por isso mesmo, as pessoas estão cada vez mais solitárias e incapazes de tolerar opiniões diferentes das suas.
No mundo virtual, tudo deve ser lindo e perfeito, qualquer coisa publicada não pude ter qualquer opinião contrária, sob pena de ser excluído do grupo sob fortes protestos. E da depender da opinião contrária, os dissidentes poderão ser classificados de racistas, honoríficos, reacionários, conservadores, moralistas ou ultrapassados.
O mundo virtual é composto de várias vertentes, mas as principais atualmente são: as ligações telefônicas Facebook, whatssap e bate-papo, assuntos os quais detalharei em textos a seguir a seguir.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Amizade

Como já escrevi antes, estes dias estou só desabafando e não sei se tem alguma utilidade para outra além de mim.
Estes dias andei pensando que não irei a lugar algum enquanto não resolver algumas questões: acabar com a ansiedade e ser mais paciente, melhorar minha auto-estima e amor próprio, deixar de fazer tanto esforço para ir a atenção de alguém, deixar as coisas acontecerem naturalmente.
Sinto como que eu tivesse que atravessar uma cortina espessa de fogo para chegar ao outro lado. É como se eu tivesse que fazer algo extremamente doloroso. Mas ao mesmo tempo que não deve ser tão ruim assim e no fim da contas não tem nenhuma cortina de fogo, é só meu medo e comodismo me impedindo de avançar. Sinto falta da alegria, das visitas em casa, dos passeios em grupo, de falar com pessoas que me aceitem sem tentar me mudar demais e sem impor regras.
Estou cercado por pessoas que eram seguras de si mesmas e hoje estão vendo seu próprio mundo desabar e não tem onde de abrigar e buscar refúgio. Onde que que eu vá ao tenho encontrado pessoas impacientes e perdidas em seus argumentos. Não consigo ter a atenção delas, pois estão afundadas em seus próprios problemas pessoais.
Ainda não consegui me livrar do vício do bate-papo, que é uma grande perda de tempo. Mas por alguns momentos eu penso que tenho a atenção de alguém. Quem está lá tem algum tipo de problema, mas dificilmente tem interesse em amizade sadia ou algo serio. Mas não é muito diferente de quem se ilude com seus amigos de copo e de farras. São todos relacionamentos fadados ao fracasso, com poucas chances de evoluírem.
Tenho que me dedicar às minhas atividades, obras e estudos, são mais úteis do que viver de ilusões.
Tenho soluções para estes problemas, mas tenho que ter paciência sem me acomodar. Não serei ouvido ou levado a serio na situação atual em que me encontro. Se eu tento falar como me sinto, já vem alguém com a mesma solução mágica: "Vá para um psicólogo". Psicólogo não vai ao cinema comigo, nem passear, viajar, dançar a dois, dar umas coisas risadas, falar de tudo e de nada também. Psicólogo não vão ser o amigo que preciso. O que preciso é ter amigos de verdade, boas companhias.
Amizade faz bem só coração e traz alegria. A amizade é gratuita e não te faz exigências, mas quer o melhor para você. Só quer que você esteja feliz. A amizade tem paciência e prazer em te ouvir. E mesmo estando longe sempre estará com você. A amizade verdadeira sobrevive aos seus relacionamentos, antes, durante e depois deles. Quem tem amigos de verdade tem um tesouro. E está mais próximo de entender a natureza do amor.

Parar de pensar errado

Quando penso demais em meus problemas, no que vivi e também deixei de viver, quando culpo alguém ou me deixou dominar pelo desejo ou minhas vontades, perco meu caminho, fico revoltado e malcriado.
Devemos pensar no todo e não apenas em cada parte isoladamente. Tudo que vivemos é um somatório de cada pensamento e ação que temos. Nada do que fazemos ou mesmo pensamos é de graça e tido tem um preço e consequências. Procurar um culpado é tentar fugir das próprias responsabilidades.
No meu caso, ao invés de me concentrar em milhas minhas insatisfações, é melhor quando penso ou falo algo que favoreça após outros, tipo arrumar uma casa, fazer uma obra ou escrever pensando no bem que posso proporcionar. Ninguém vai resolver meus problemas nem vou ser uma pessoa interessante apenas porque me senti insatisfeito. O mesmo vale para outras pessoas.
Ser uma pessoa útil e favorecer as pessoas com o que temos e realmente somos capazes de renunciar é um bom começo de nos desapegar do nosso isolamento e começar a viver em coletividade e deixar a energias circulares livremente. Temos que combater o mal em nós a cada dia e noite concentramos apenas no que pudermos fazer de bom. Falar mal dos outros normalmente não resolve nada, embora de um alívio temporário.
Quero que meus trabalhos me apresentem, que tudo aconteça de forma natural sem esforços, mas com dedicação e determinação, sem ficar me desviando do meu caminho com distrações temporárias e inúteis.
Pensar no que não temos não ajuda e só atrapalha. Devemos nos concentrar em conseguir o que desejamos, que seja algo do qual não nos cause vergonha ou arrependimentos desnecessários.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Por que você está só?

Às vezes a pessoa está só e não entende o porquê. Como ela com tantas qualidades: inteligência, beleza, formosura, bom nível cultural e social, amável, sensível, boa de sexo, carinhosa, boa dona de casa, boa mãe, boa filha, boa vizinha; tendo ela algumas ou várias destas qualidades e mesmo assim está só. O que acontece com o sexo oposto que não quer mais compromisso?
E quando esta pessoa alguém capricha na relação para segurar seu novo pretendente, fazendo igual ou melhor do que fez com seu último parceiro. E mesmo assim acaba ficando só. Não entende o porquê de ter sido trocada mais uma vez, e também não entende o porquê do seu novo e já ex-parceiro já ter largado ela e ficado com uma mulher pior do que ela mesma.
Quando conhecemos alguém, devemos procurar entender o que esta pessoa realmente quer, e isso não se consegue através de uma série de perguntas e respostas. Normalmente nem mesmo nós sabemos o que realmente queremos.
Se perguntar a um homem qual o tipo de mulher que ele deseja e quer, provavelmente ele responderá que quer uma mulher: fiel, boa de cama, independente, bonita e que faça tudo que ele deseje. Não demora o muito ele arranja uma mulher quase o oposto do que descreveu: preguiçosa, infiel, feia, desarrumada, exploradeira, exigente, esbanjadora, entre outros defeitos. E por que isso acontece? Essa mulher na qual ele não tem nenhum controle acaba sendo um desafio para ele, além de aparentar ser uma mulher forte. É alguém que provoca raiva nele e isso excita. Normalmente mulheres assim tem um ciúme doentio, e tem muita gente que associa ciúmes a amor.
Mas as mulheres não ficam atrás não. Dizem que querem um príncipe encantado mas só tem interesse mesmo no OGRO, aquele homem rústico que, de tão grosseiro, acham que ele é macho e viril. Se este hímen dou cobiçado por outras mulheres melhor ainda. Mulher é extremamente competitiva umas com as outras, e dominar um homem disputado é prova social de que ela é uma mulher invejável. Claro que tanto o homem ou a mulher que se metem com parceiros problemáticos terão uma relação tumultuada.
Não podemos nos esquecer da força dos velhos hábitos. Sei que algumas manias são prejudiciais aos relacionamentos e procuro conhecer minhas limitações e melhora-las antes que elas estraguem aquela imagem positiva inicial que a outra pessoa fez de mim.
Não devemos nos comportar com outras pessoas como se todos fossem iguais e gostassem das mesmas coisas.  Quando conhecemos alguém, tendemos a repetir os mesmos comportamentos que nos deram prazer um dia ou que deram aquela ex-namorada ou namorado. Pensamos que as pessoas sentem o mesmo prazer da mesma forma que nossos antigos relacionamentos. O que uma pessoa valoriza pode ser uma ofensa ou decepção para outra pessoa.
Por exemplo: quero romance mas fico querendo me envolver com pessoas em situações que não passariam de uma aventura devido à incompatibilidade de ideias ou mesmo já começar uma relação de modo que tende ao fracasso, ou mesmo fazer o que sempre fiz e, medo assim, acreditar que terei resultados diferentes. O que nos deu prazer no passado não poderá dar prazer agora, pois mudamos ao longo do tempo, quer queiramos ou não. As lembranças tendem a nos enganar e nos fazem pensar que se fizermos as mesmas coisas do mesmo jeito, teremos o mesmo prazer, ou a mesma confiança que um dia nos fez nos sentirmos poderosos e vencedores.
Mas buscar hoje nossa força nos antigos hábitos é uma grande perda de tempo e de esforços: os resultados serão diferentes, assim como não haverá prazer e sim decepção.
Na verdade, ao conhecermos alguém, devemos dar o que está pessoa realmente precisa e não apenas o que ela pensa que quer. Devemos ser sinceros e deixar as coisas acontecerem naturalmente. Não se deve pretender estabelecer uma relação duradoura com alguém apenas baseado no estímulo sexual. Excitação passa e enjoa, por mais que se queira variações, chega um dia em que fica entediante uma apenas baseada em sexo. O sexo cansa, mas o amor revigora. Um beijo de amor vale muito mais do que inúmeros orgasmos.
 Estar no lugar certo, onde queremos estar, em um ambiente no qual nos identificamos,  sem forçar nenhuma situação mas também estar aberto para conhecer alguém, se acontecer, é um bom começo para uma relação saudável e duradoura.
Mas sejamos sinceros, quem casa quer casa. Uma relação é pra somar e não subtrair, assim como não deve ser a tábua de de alguém. Uma relação não pode se manter apenas porque uma das partes vê o outro como deu provedor e sua sobrevivência. Numa relação de dependência econômica como esta pode até haver gratidão, mas não amor. E esse tipo de relação tende a se temperada com doses excessivas de ciúmes.
Mas também uma mulher que se envolve com um homem que é um "pé de chinelo" e não consegue se manter ou não tem coragem para trabalhar, estes buscando problemas para si mesma. E se tiver filho dele, então poderá ter seria problemas. A relação não deve ser baseada em interesses, mas também deve ser para alavancar e dar ânimo ao outro, e não se um fardo posta o outro carregar. Ninguém deve ser um "peso morto" para ninguém. As vezes um dos companheiros podem estar sem recursos financeiros sobrando, mas tem muita força de vontade, inteligência, humildade e é muito trabalhador. O casal deve caminhar junto, e não um na frente de o outro atrás. Em algumas momentos um dos dois pode até fraquejar, mas que se levante e continue a caminhar com seu companheiro. 

Sensatez

Estou mentalmente cansado, o que dificulta que eu tome decisões de maneira calma e sensata. Tenho vontade de expressar muitas coisas que sinto, mas basta eu começar a revelar algo que ouço o que não quero, além de ouvir soluções esdrúxulas. Às vezes, tudo o que precisamos é ter alguém que nos ouça, o que é difícil nos dias de hoje.
Até recentemente eu brincava muito para relaxar, ser menos tenso e até mais suportável, mas depois de ser tão maltratado com ser facilmente confundido com um hímen infantil, deixei de tanto brincar. Por um lado foi bom que estou sendo levado mais a serio, mas anos de anos de brincadeiras criativas fazem falta. É como se eu tivesse perdido um amigo que me carregava uma série de problemas, mas era um amigo sincero e companheiro. Sei que poderei rever este amigo assim que estiver em um ambiente mais acolhedor e menos hostil, mas por enquanto ele terá que ficar no anonimato, esse amigo brincalhão.
A crise econômica, a idade um tanto avançada, falta de perspectivas concretas e estar rodeado de prédios mais tensas do que eu não me parece ser um ambiente favorável. Mas nem tudo esta perdido. Preciso me reorganizar e voltar a estudar para concursos e fazer minhas obras de arte que são uma terapia e tanto. Meu quarto parece uma daquelas lojas pequenas e cheias de prateleiras e mercadorias que não foram vendidas. Tenho obras para tudo que é lado: castelos, navios, guerreiros e inúmeras lembrancinhas que não foram totalmente distribuídas, ainda tenho criatividade posta fazer infinitas mais. Fazer estas obras me acalmam e me dão forças para acreditar que se pode fazer o novo de maneira que ninguém mais pensou ou realizou.
E estudar sempre é bom, além de evitar problemas neurológicos futuros. Voltar a fazer uma atividade física também é uma boa maneira de utilizar as energias de forma útil, o corpo humano não foi feito para uma vida sedentária, tanto que as pernas ocupam quase metade do nosso corpo. 
Deixar de olhar tanto o passado e culpar-se pelo que deixou-se de realizar não resolve nada, mas aprender com os erros do passado e recomeçar a luta é sinal de humildade e grandeza. Minha ansiedade em mostrar publicamente todo meu potencial e talentos não ajudam em nada, a ansiedade só atrapalha e desequilibra. Manter a serenidade e aguardar o momento certo para se expressar demonstram maturidade e domínio sobre as próprias vontades.
 

domingo, 19 de março de 2017

Ansiedade em ajudar

Quando eu saio às ruas, fico ansioso para que as pessoas saibam quem eu sou e conheçam minhas ideias. Vejo nos olhos e indiferença das pessoas o quanto não vêem quem está à sua frente, por mais que o outro se revele claramente.
As pessoas não tem ideia de quem sou, quadros são minhas ideias e se eu poderia ajudá-las de alguma forma. Não gosto da ideia de dar esmolas. Dizem que "a barriga não espera" e "quem tem fome tem pressa". Mas a fome ocorre em todos os dias da vida da pessoa. Então temos que reservar metade de nosso salário só para atenuar a filme dos desesperados?
Uma direção que se dê a alguém ou uma palavra pode servir para a vida inteira, esmolas só servem para aquele momento.
Não acredito que acaba-se com a pobreza acabando-se com os ricos e dando-se tudo aos pobres. Acaba-se com a pobreza libertando as pessoas de seus vícios e crenças destruidoras.
Sei que não deve-se julgar algum pela primeira impressão que ela passa, na as pessoas têm estampado em seus rostos a falta de perspectiva de vida e de auto-estima. Uma pessoa que não foi valorizada desde cedo desconhece a noção de valor e amor-próprio. A tendência dessa pessoa passar necessidades na vida é grande e em casos mais graves ela pode se jogar na prostituição ou mendicância. O que fazemos quando sentimos "pena" de alguém? Apenas reforçamos a ideia de que esta pessoa sempre vai depender da caridade alheia e de que é uma injustiçada.
Falta pouco para eu superar meus limites e me tornar uma pessoa melhor, mas sozinho não consigo, preciso do carinho e envolvimento de e com outras pessoas, preciso fazer o bem urgentemente. Sinto que meu potencial não está sendo totalmente usado e até mesmo desperdiçado. Anseio em ajudar outras pessoas da melhor forma possível e no maior número que puder. Preciso romper essa barreira do  para viver no mundo do NÓS.
Quero ajudar com o que tenho que me sobra e sempre recebo mais: meus talentos. Dinheiro acaba e a fome sempre vem, e sempre existirão pobres enquanto a humanidade não mudar sua mentalidade e trabalharmos para o bem comum. Sei que ansiedade é uma sensação ruim e que só atrasa a vida da gente, mas não consigo evitar de ficar ansioso em poder ajudar ativamente as pessoas com o que tenho e sei fazer de melhor.

Você é do tamanho dos seus sonhos

Tive um daqueles sonhos premonitórios que só eu mesmo para entender. Sonhei que me era avisado que eu seria o Rei dos reis devido a minha voz. Que Deus quer me dar isso desde que eu não duvide. Gostei do sonho e não deixarei o pessimismo me dominar.
Um sonho pode ser interpretado de várias formas, mas duvidar de si mesmo é caminho certo para o fracasso. Não sou megalomaníaco a ponto de achar que vou dominar este mundo, mas existem realidades das quais não fazemos ideia devido a pequinês de boa fé.
Se falasse para um indígena da América de Sul que, na época de Pedro Álvares de Cabral haviam cidades e exércitos enormes como o que haviam na Europa, esse indígena não conseguiria imaginar, devido ao fato da realidade dele ser apenas de florestas, rios e mar. Ele desconhecia outra realidade além daquela que ele sempre viu e viveu.
Assim é a mente humana, tem um potencial enorme, na os condicionamentos que vivemos desde que nascemos nos impedem e olhar adiante.
Vou explicar de outra forma. Você sabe como é possível manter um elefante adulto preso apenas com uma corrente presa a uma das patas? Desde filhote ele é condicionado a acreditar que estas correntes são inquebráveis. Ele tenta várias vezes das soltar e não consegue. Então ele desiste. Depois de adulto, mesmo com uma força descomunal, ele acredita que uma simples corrente presa a um pedaço de pai no chão é capaz de detê-lo.
Assim são as pessoas. Somos condicionados a ter desde cedo uma visão limitada da vida, dai desistimos de lutar e passamos a viver de forma limitada querendo vencer na vida apenas fazendo o que outras pessoas limitadas também fazem.
O medo de ser excluído do convívio social também é um grande fator de repressão mental, pois a sociedade teme o que é novo e desconhecido e esteja fora dos padrões estabelecidos. O desconhecido obriga as pessoas a pensarem de outra forma, mas o comodismo quer apenas a falsa sensação de segurança que um ambiente limitado e conhecido traz.
As crianças nascem com uma capacidade ilimitada de imaginar e criar, a fantasia e criatividade das crianças é admirável. Mas os adultos vão cerceando suas iniciativas e perguntas até torna-las limitadas tanto quanto eles são. Essas crianças vai crescer e fazer das novas gerações pessoas tão limitadas quanto os tornaram. E este círculo vicioso não de rompe. Depois estes mesmos adultos querem filhos e alunos vencedores e com cargos de liderança, logo eles que eliminaram qualquer possibilidade deste jovem pensar por si mesmo.
Quem domina a situação quer que a ignorância mantenha as pessoas controladas. Não falo de teorias da conspiração internacionais, falo do que ocorre no cotidiano das casas e escolas em todo o mundo.
 O mundo é do tamanho de nossa imaginação. Mas como o cidadão comum imaginar em realizar curas milagrosas ou andar sobre as águas, se russo que sai do padrão social e cultural assusta e é tido como loucura?
O sucesso tem vários donos, o fracasso um só. Todos sentem que tem participação quando alguém vence socialmente, mas nenhum assume responsabilidade quando alguém comete um pequeno erro de percurso, com exceção das mães de verdade.
Meu sonho me fez lembrar isso, o mundo e nossas conquistas são do tamanho da nos capacidade de acreditar e manter-se firme no caminho da retidão, por mais que os outros insistam que você esteja errado.
Lembro-me de que quando eu era mais jovem a vida e os sentimentos eram mais intensos, as cores mais vibrantes, os sonhos mais vívidos, havia música no ar, as esperanças eram renovadas constantemente. Parecia que a realidade estava em um filme de imagem 4D de alta definição, sons e imagens digitais. Tudo era possível e as oportunidades de sucesso em todas a atrás eram inúmeras.
Mas o tempo passou, as ideias e criatividade foram contaminados pelo pessimismo coletivo, e a lógica social foi sufocando aquela intensidade de antes. O medo tomou conta do ambiente.
Meu mundo começou a desabar quando renunciei a mim mesmo para me parecer com as outras pessoas e poder namorar. Os hormônios estavam em ebulição e eu não tive quem me orientasse adequadamente. Permiti que o mundo apagasse gradativamente o brilho de meu sol interno, minha fé, meus sonhos. Acabei com tudo por causa de mulheres. Eu queria ser como uma idéia igual às outras, mas meu destino não era este e eu tentei trilhar um caminho que não era meu.
Assim como eu, muitas pessoas renunciam ao seu próprio destino glorioso por permitirem-se dominar pelas opiniões alheias. No mundo há muitas coisas boas e pessoas caridosas, mas o condicionamento que temos inclinado para o mal só nos faz perceber o que não presta. Aliado a isso, tem as nossas vontades, que também pode ser chamado de livre arbítrio.
Esse livre arbítrio nos dá a falsa sensação de que somos donos de nosso destino e que tudo pode se dobrar a nos vontade. Essas vontades nos afastam de tudo de bom que podemos receber de bom, de graça e de forma permanente. Minhas vontades que me trouxeram até aqui.
Mas nem tudo esta perdido. Se não tive a vida que sonhei, posso utilizar estas experiências para ajudar outras pessoas a não perderem tanto tempo que eu perdi tem busca de ilusões que do me afastaram de meu destino glorioso. Não sei se haverá tempo para desfrutar nesta existência de felicidade que um dia eu já senti., mas para outras pessoas talvez haja tempo de corrigirem seus passos e caminharem para a direção de seu sucesso.
Estas experiências que tive podem servir de exemplo para que outras pessoas não cometam os mesmos erros que cometi por falta de boa orientação. Talvez ainda haja tempo posta eu alcançar a felicidade nesta existência das eu renunciar de vez aos velhos hábitos e vontades que sempre me jogaram para baixo.
Meus sentimentos eram mais intensos. E é essa força que preciso reativar em mim para que eu consiga vencer essas barreiras que deixei que se criassem à minha frente. Tempo que mudar minhas vibrações energéticas para ter novos e promissores resultados. Não posso me lamentar por todas as oportunidades perdidas até agora, pois: "O que não te mata, te fortalece". Viver a vida com medo de cometer algum deslize não pode ser classificado como viver.

sábado, 18 de março de 2017

Essa tal felicidade...

Não precisamos de excesso de coisas para sermos felizes. Somos condicionados a adiar nossa felicidade até conseguirmos acumular uma série de coisas, sejam elas físicas ou intangíveis. Quem já não disse ou ouviu pensamentos como:
> só serei feliz no dia em que eu tiver minha própria casa;
> só serei feliz no dia em que alguém me amar de verdade;
> só serei feliz no dia em que no dia em que eu conquistar minha independência;
> só serei feliz no dia em que no dia em que eu emagrecer;
> só serei feliz no dia em que no dia em que eu for reconhecida como gente ou me serem valor; e por aí vai.
Mas não se deve confundir alegria com felicidade. Alegria é uma satisfação temporária. Felicidade é duradoura e independe de seu estado de saúde, liberdade, dinheiro, reconhecimento ou relacionamento. Felicidade é estar satisfeito com o que se tem. O que vier de agradável será bem-vindo. Viver assim é viver sem o sentimento de ansiedade que só traz mais ansiedade. Resignação é diferente de comodismo. Resignação é ter paciência mas continuar a lutar sem desistir de conquistar o que é seu, e comodismo é preguiça de lutar pelo próprio espaço.
Já desejei coisas demais nesta vida, muitas dela influenciadas pelo desejo de ser reconhecido e ter oportunidade de me relacionar com pessoas que eu admirava na época, pela segurança que esbanjavam ou pela beleza estética. Desperdicei preciosos anos de minha vida para descobrir que impressionar este tipo de gente não vale o esforço, e na maioria das vezes não são o que aparentam ser. 
Hoje me basta ter pessoas sinceras ao meu alcance; reunir amigos em numa residência; ter boa companhia para viajar, passear, ouvir boa música e dançar.
O que desejo hoje em dia custa pouco e não exige grandes esforços. Mas ainda não encontrei pessoas que desejem algo parecido de forma despretensiosa. A vida é tão simples. Acredito que levamos desta existência apenas o amor que cultivamos, até as lembranças do que vivemos são apagadas. Por isso deve-se viver de forma leve e serena, preparados para partir quando chegar a hora. Mas aproveitar cada instante neste plano para aumentar nossa poupança no Banco do Amor, este é o tipo investimento.

Papéis sociais

Quando nos interessamos por alguém, sua aparência externa tem muita influência sobre a atração que sentimos por alguém. A beleza está nos olhos de quem a vê. E não há nada de errado em pensar em e envolver com quem preenche nossos pensamentos e nos fazem sonhar, além de despertar sentimentos e provocar uma descarga de hormônios em nosso organismo.
Claro que não basta ter uma aparecia atraente. Aparência é uma isca. O que realmente importa é o conteúdo. Uma mulher bonita, gentil, inteligente e sensível é um sonho no qual vale a pena lutar. O problema é que existe tanto homem estupido que não valoriza a mulher que ela acaba esquecendo a verdadeira magia de de mulher e de sua essência feminina. As mulheres não deveriam permitir que os homens as reduzissem a nada, e muito menos deveriam querer ser iguais a eles.
O mundo mudou. A mulher começar a trabalhar e ter independência foi algo para o qual os homens não estavam preparados, e nem elas mesmas tomam ideia das consequências. A independência feminina deu poder de decisão a mulher, ela deixou e ter que se envolver com um homem apenas por necessidade de sobrevivência ou imposição social. Outro fator fundamental é que a mulher deixou de ter que se envolver por obrigação com um homem tirano que a massacraria com o consentimento da sociedade.
Mesmo assim, com tantos pontos positivos, por que as pessoas estão tão infelizes em suas relações? Há um consenso de que as pessoas não querem mais envolvimento serio e duradouro. Hoje em dia tudo é motivo para o rompimento de uma relação. Começa de forma intensa e acaba sem cerimônia.
A família tradicional está destruída. Em nome da liberdade, a sociedade e a mídia acabaram com todas noção de decência. Ta certo de que os moralistas que eram essencialmente machistas oprimiam as mulheres. Para o homem tudo era permitido, dentro da legalidade. Mas se a mulher disse acusada de sair dos padrões impostos pela rígida sociedade do passado, ela era banida do meio social, marginalizada a ponto de ter que mendigar ou se prostituir para sobreviver.
As lutas que deveriam ser para libertar o sexo feminino de tantos milênios de opressão não foram nem conduzidos. Ao invés DE conscientizar os homens para terem respeito pelas mulheres, os contestadores apenas ensinaram as mulheres a serem promíscuas e volúveis como os piores exemplos de homens.
Não podemos dizer até os homens já nascem maus e fazem tudo isso por vontade própria. Assim como as mulheres tinham seu papel social, após homens também é cobrado determinados padrões preestabelecidos pela sociedade. Os próprios pais e colegas da mesma faixa etária ensinam que homem deve ser forte e ser "pegador", homem sensível é tido como fraco e motivo de bulling pela demais. As próprias meninas e moças jovens se impressionam com demonstração de força e segurança de homens indiferentes aos sentimentos delas. Até hoje existe preconceito: qualquer rapaz ou homem que admita publicamente que é sensível e que só fará sexo com a mulher que ama, será motivo de piada e de duvidarem de sua masculinidade. A pressão social é muito forte para quem sai dos padrões tido como "normais". Como esperar que um homem criado em um ambiente assim seja compreensivo com as mulheres? O universo feminino é algo totalmente incompreensivo à mente masculina. São informações que o homem ainda não aprendeu a processar. Na adolescência são despejados hormônios nos corpos destes quase adultos que não são mais crianças mas não tem maturidade para lidar com este turbilhão de novas emoções fortes e mal compreendidas, e muitas vezes não tem bons exemplos em casa para serem seguidos.
Se uma criança vê seria pais brigando desde dele por causa de traições, como a mente desta criança não vai entender que é normal trair e ser insensível?
Não há uma resposta fácil para esta pergunta. Qualquer um que desafie a "normalidade" da sociedade tem que ter força para resistir às pressões que sofrerá. E serão muito fortes e de todos os lados. Existem pessoas que também não concordam com esta visão libertina na vida, mas tem medo de revelar seus sentimentos e serem excluídos e vistos como anormais. O próprio corpo nos trai, pois os hormônios e os velhos hábitos nos atiçam para situações que sabemos que nos tratam problemas e infelicidade futuros, além da pessoal social para curtir a vida adoidado. Mas quem quer te uma qualidade de vida e deixar de viver sobressaltado, tem que ter personalidade e escolher seus próprios caminhos, ou alguém os escolherá por você.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Desafios

A vida é feita de momentos. Do ano passado para cá tive um grande desafio: publicar meus pensamentos livremente sem medo da censura em rede social onde tinham pessoas conhecidas minhas, como parentes colegas de trabalho e até pessoas desconhecidas. Pensei que fosse ser reprimido ou mesmo hostilizado, mas para minha surpresa quase ninguém se manifestou até hoje. Chegou até ser entediante o silêncio ensurdecedor que se tem feito em relação às minhas publicações reveladoras. 
Meu próximo passo agora é movimentar esta casa e minha vida com a presença de pessoas reais e não só virtuais. É um grande desafio, pois as pessoas parecem que só se interessam em ir para lugares que ofereçam bebidas, e aqui em casa não bebemos álcool. Além disso, amizade com mulher é complicado. Mulher é muito competitiva e não gosta de dividir o espaço com outras, mesmo que seja  espaço de um amigo. A ciumeira corre solta.
Para alguém freqüentar a casa de outra pessoa, tem que se mostrar alguém de confiança e tem que ter muita intimidade. A residência de alguém é a última fronteira a ser ultrapassada. Não dá para ter em casa alguém que não sabe se comportar, não tem noção de limite ou mesmo pode oferecer algum perigo em conhecer o endereço do dono da casa.  Não quero perder tempo com amizades virtuais que não inspiram confiança, ou mesmo com colegas indiferentes à boa existência. 
As pessoas não percebem o quanto sua círculos sociais estado reduzidos e sem renovação. Não entram pessoas e nem ideias novas para energizar o ambiente. São sempre os mesmos assuntos, onde todos concordam com tudo naquele meio social viciado no comodismo.
Quero reunir um pequeno grupo de pessoas que tenham interesse em trocar ideias sobre assuntos diversos, onde haja diferença de opinião mas também respeito a essas diferenças. Seria bom ter pessoas para programar passeios diversos, como viagens ou ir em alguma casa de shows para curtir coisas músicas e mesmo dançar, sem aquele sentimento de posse que o ciúme traz. Minha proposta não é excluir ninguém, mas agregar sem tomar posse de ninguém. Não se trata de relação amorosa aberta, mas uma grande amizade que ultrapasse as barreiras do tempo.
Quero acolher e integrar as pessoas que conheço, sem interesses mesquinhos ou obscuros. Quem tem más intenções, prefere as trevas do isolamento camuflado de ciúme. Eu desconfio de pessoas que são anti-sociais e preferem me manter isolado, não gosto mais deste tipo de relacionamento. É doentio, cansativo e se perigoso. Ninguém está no coração dos outros posta saber o que se passa por lá.
Tenho muito a dizer e até ensinar, mas nas atuais circunstâncias, só me resta continuar a escrever e não fazer nada irreversível que me faça me arrepender pelo resto da vida, como uma doença contagiosa ou um filho indesejável não programado e com uma pessoa com ideias e comportamento incompatíveis totalmente um com o outro. Um momento de carência não deve estragar uma vida destinada a prosperidade.
Tenho certeza que depois que eu conseguir implantar esta ideia da confraternização de meus familiares e amigos, nem eu e nem estas pessoas saberão mais o que é sentir-se só. Quanto mais envelhecemos maior a tendência de nos afastarmos cada vez mais das pessoas que conhecemos, pois cada uma vai criando seu próprio núcleo familiar. Mas este mesmo núcleo familiar se enfraquece quando as crianças crescem e começam a querer descobrir a vida por elas mesmas, e quem pensou que formando uma família estaria livre da solidão, vê-se cada vez mais só. E assim caminha a humanidade.
Minha ideia é ter contatos com pessoas que queiram participar de uma experiência maior do que aquela restrita com as mesmas pessoas e os mesmos sentimentos. Não sei se estas experiências das quais escrevo acontecerão um dia, mas se acontecerem, seria o paraíso na terra para mim e para quem participasse.
Mas se eu não conseguir, pelo menos já registrei a ideia e, quem sabe, outra pessoa consiga levar adiante este ideal de vida.

Perfeição

Admito que ainda não estou no estado de perfeição que todos nós somos capazes de atingir. Ainda não penso livremente, pois minhas ideias estão contaminadas pelo medo. Medo do desemprego, de não atingir a prosperidade, da solidão, de não ser acolhido, de passar necessidades, de perder entes queridos, entre tantos medos que podem nos afligir.
Ainda reajo com grosseria em algumas situações de estresse. Não adianta eu me antecipar aos problemas para evitá-los e assim evitar o estresse. Isso é só contornar o problema sem resolvê-lo. Tenho que me esforçar ainda mais para ser uma pessoa mais humilde e desarmada de reações explosivas. Anos de repressão me geraram este estado permanente de belicosidade, foi qual tenho que me livrar o mais rápido possível.
Se eu comentar isso com um cidadão comum, ele vai dizer que é perfeitamente normal. Mas sei que viver com medo, receio ou estar cheio de dúvidas é um atraso de vida e uma clara demonstração de falta de fé em Deus e no próprio potencial.
Ainda não rompi esta barreira que me separa da verdadeira felicidade e paz de espírito. Claro que tenho me esforçado posta ter mudanças o mais rápido possível, mas se essa ansiedade por resultados atrapalha. Uma vida asfixiado poderia potencializar meus resultados, embora também pudesse me atrasar.
Quando conhecemos alguém, essa pessoa tem uma imagem nossa do momento em que nos apresentamos. É uma imagem como uma fotografia. As esta outra pessoa gosta do que viu e sentiu, começa algum tipo de relação. Mas s pessoas mudam com o tempo e nem todos são capazes de compreender e acompanhar as mudanças de comportamento da outra pessoa.
Ir isso que digo que eu estar inserido em um meio social definido agora poderia ser um grande peso que não me desse flexibilidade para aprender e experimentar coisas novas. Os meios sociais tendem a ser rígidos em relação a mudanças de comportamento. Ou se comporta de forma homogênea em relação ao grupo, ou será excluído.
Vivo nesse dilema, estar inserido em um meio social tendo que renunciar a mim mesmo ou continuar mais um tempo solto como estou?
Sei que mais adiante, depois de tantas mudanças, voltar ao comportamento inicial será mais difícil. O medo e o comodismo tentam dificultar mudanças, mas elas são inevitáveis para alcançar um estado das perfeição ao qual todos podemos atingir.
O senso comum diz: "ninguém é perfeito", na isso só serve para manter a pessoas no comodismo e ignorância

quinta-feira, 16 de março de 2017

Visão negativa?

Não seu se sou eu que estou negativo ou o ambiente na cidade está desolador. Estive na cidade para fazer compras e percebi como o comércio está parado e os vendedores com um sorriso forçado tentando ser agradáveis para vender de qualquer jeito.
Não sei se tenho uma percepção mais aguçada que a maioria das pessoas, mas antes do carnaval só se falava em blocos de carnaval e camarotes. O mundo encantado e colorido das redes sociais não passam de fantasias virtuais, onde as pessoas se enganam que está tudo bem, o dinheiro está sobrando e o amor é para aqueles que mais postarem fotos perfeitas.
Depois da festa vem a triste realidade e os protestos contra o governo. E a cidade uma tristeza que só e não vejo perspectiva a curto prazo.
Mais do que nunca preciso alcançar meu equilíbrio emocional e descobrir a verdade das verdades, seguir o caminho da retidão e eliminar o mal em todos os aspectos de minha vida.
As respostas existem e há solução para esta situação aparentemente insolúvel. Como eu escrevi no texto "2017": Deus vem para a terra este ano para bagunçar a cabeça das pessoas e fazer com que elas tomem atitudes na vida para encontra-lo mais adiante. Ou se vence ou haverá motivos para chorar, quem não eliminar o mal de sua vida.
Do jeito que percebi o ânimo abatido das pessoas, quando elas perceberem que a situação é mais grave do que pensam, talvez reajam e as consequências serão imprevisíveis. O dinheiro cada vez mais curto e não temos uma liderança de confiança que sirva para aglutinar os desejos das massas.
As pessoas estão como ovelhas sem pastor, mas ainda não percebem isso. Ainda estão esperando confortavelmente esperando que apareça alguém para resolver tudo para que todo mundo continue a viver em seus mundinhos restritos e fechados a novas ideias. Mas quando começar a faltar dinheiro para a cerveja do sim de semana, ai poderemos ter alguma ação. Mas não será indolor: Não se pode fazer um omelete sem quebrar alguns ovos

Não escrevo para os sãos

"E aconteceu que, estando ele em casa sentado à mesa, chegaram muitos publicanos e pecadores, e sentaram-se juntamente com Jesus e seus discípulos.
E os fariseus, vendo isto, disseram aos seus discípulos: Por que come o vosso Mestre com os publicanos e pecadores?
Jesus, porém, ouvindo, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas, sim, os doentes.
Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento.
Mateus 9:9-13"
Escrevo e divulgo meus textos para organizar meus pensamentos e me lembrar de praticar tudo aquilo que aprendo e ensino. É ensinando que fixamos melhor o aprendizado. Acredito que o que escrevo seja útil para outras pessoas além de mim.
Mas tenho que ter humildade para reconhecer que nem todos acreditam que precisam de ajudar para as orientar, e por em dúvida sua capacidade de escolher seus caminhos ou "sair do buraco" sozinho é procurar problemas onde não existe.
Quando as pessoas querem, elas buscam ajuda. Mas antes de chegar a este ponto, muitas pessoas precisam passar por suas experiências pessoais e até sofrerem para só depois perceberem que não é vergonha e bem humilhação admitir que precisar de ajuda ocasionalmente não diminui o mérito de cada um.
Hoje em dia tenho que me conter para não bancar o mestre da sabedoria em todas as situações que tenho contato com outras pessoas. Se eu agir como um sabe-tudo, só terei a antipatia e resistência das outras pessoas as minhas idéias.
Não estou aqui para convencer ninguém de nada, basta que eu acredite e pratique o que escrevo e ensino. Mas como eu quero te alguém com bons argumentos para debater assuntos diversos. Ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, sou extremamente influenciável pelas ideias alheias, desde que sejam consistentes e convincentes.
Não sou um evangelista, mas quero aprender cada vez mais. E quanto mais se dá, mais e tem. Doar não diminui o que temos, e sim aumenta cada vez mais. Mesmo sem pretensão alguma, acredito estar fazendo coisas que são do agrado do Senhor meu Deus e de Jesus Cristo nosso irmão.
Mas ainda falta para eu conseguir me desbloquear e dar o melhor de mim. Acredito que este dos esta chegando, daí poderei fazer coisas muito mais úteis e menos tempo e com mais objetividade.
Então disse aos seus discípulos: "A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Peçam, pois, ao Senhor da colheita que envie trabalhadores para a sua colheita".
Mateus 9:37,38

Cinema

Os filmes são mais do que entretenimento, para um olhar atento, podem nos emocionar e até passar ensinamentos para os meios perspicazes. Claro que existem filmes comerciais que são um lixo e logo caem no esquecimento, mas existem um que podem cativar pela sutileza.
A trilogia Senhor dos Anéis, por exemplo, mais do que um filme de ação, aventura e fantasia, enfocava a amizade e a capacidade de sacrificar-se por um ideal. Comovente a amizade entre Sam e o Senhor Frodo, amigos até o fim. E a coragem do anão em querer ir para uma batalha de morte certa nas portas de Mondor.
E Matrix 1, vê-se claramente a relação entre o mundo real e o mundo idealizado por um programa de computador chamado Matrix. Quando se tem consciência que este mundo é apenas uma fantasia, pode-se fazer façanhas incríveis, pois simplesmente estes realidade não existe.
Destaco também o ator americano Morgan Freeman. Não é um galã dotado de beleza estética evidente, não atua em papéis que exijam correria e explosões o tempo todo, fala manso, sem alterar sua voz na maior parte do tempo, e com segurança olhando nos olhos do seu interlocutor. Mesmo assim é envolvente e convincente e um exemplo do tipo de pessoa que quero ser: respeitado pelo meu trabalho e pela minha história de vida.
Tem muitos outros filmes e artistas que podem engrossar esta lista pela suas história e contribuição à cultura e à sociedade.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Mudanças - parte II

Tenho escrito como forma de melhorar minha capacidade de organizar e expressar minhas ideias. Porém o que estou escrevendo e como estou pensando atualmente está tendo consequências em minha vida social: as pessoas que tem contato comigo e pensam que me conhecem estão estranhando meus comportamentos cada vez mais diferentes do que eram até a algum tempo atrás. Estou estudando e procurando ser uma pessoa cada vez melhor a cada dia, mas tido tem um preço e se queremos alguma mudança em nossas vidas temos que nos esforçar e fazer por merecer dias melhores. Quem pensa que me conhece não sabe qual meu propósito no que escrevo e qual o caminho que escolhi, mas sei que estão se agarrando cada vez mais de mim. E parte mim também é difícil a convivência com quem sequer tem a capacidade de fazer as perguntas certas ou perceber o que ocorre em sua própria volta.
Eu sabia que o preço da mudanças seria amargo e adiei por décadas qualquer mudança perceptível aos olhos dos outros. Renunciei a mim e aos meus princípios para parecer uma pessoa comum e me misturar na multidão. Deixei tripudiarem de mim e me maltratarem, tudo para não ficar isolado, e o que eu mais temia sempre aconteceu, fiquei isolado. Por isso vejo que não devemos ter medo de nada, pois o medo e a ansiedade só trazem o que não queremos. Gastamos tanto tempo e energia para evitar algo que tudo que fazemos é atrair o que mais queremos evitar.
Tenho visto muitas pessoas se aposentarem e até falecerem, sem dizerem com suas atitudes o que vieram fazer neste mundo. Não deixam nenhum ensinamento, nenhum exemplo a ser seguido e nem uma palavra de sabedoria ou conforto. Eu quero a fazer a diferença e meu coração me conduz nesta direção, mesmo sendo amargo para mim. Estou me afastando gradativamente das redes sociais e de contatos meramente virtuais. Divulgar planos antecipadamente não ajuda e só atrapalha.
Sei que a recompensa em seguir o caminho da retidão traz grandes recompensas e felicidade ainda nesta vida. Já estive varias vezes com a felicidade e prosperidade em minhas mãos, mas deixei escapar por não me sentir merecedor e não ter autoestima suficiente por mim naqueles tempos. Por isso resolvi me preparar duramente para passar logo desta fase que parece ser interminável nesta fase da vida.
Devido aos inúmeros problemas que tive ai longo do tempo, terei que reduzir ao máximo a exposição do meu lado humorístico. Ele me fez companhia durante muito tempo e foi um companheiro para me deixar mais a vontade com as pessoas. Mas exagerei na dose e deu margem para que as pessoas me faltassem com respeito e até me maltratassem, aflorem de me tratarem como eu sendo um imbecil. Se eu tentasse falar serio, as pessoas pensavam que eu estava exibindo meus conhecimentos, mas se eu brincasse demais, me faziam sofrer. Tudo porque eu não suportava estar só, ou seja, eu era castigado por querer ter a atenção de alguém. Me viam como sendo uma pessoa carente e tratavam esta carência como uma doença contagiosa.
Não recomendo ninguém tentar ser uma pessoa melhor se não estiver s passar longos períodos solitários, perder aqueles que se dizem seus amigos e ter até sua sanidade mental questionada em várias momentos. Não é um caminho fácil para que não tem um propósito maior em sua vida, além de estar confortável em seu porto seguro.
Que Deus me dê forças para passar por este período tenebroso. E que eu encontre logo meu cantinho no paraíso e não ser mais desprezado por querer estudar para ser uma pessoa melhor.
Quando você muda de comportamento e visão de mundo, todo o ambiente a sua volta muda, assim como as pessoas que estão ao seu redor. Se estivermos de mal humor, afetamos nosso ambiente, assim como também o influenciamos se tivermos entusiasmo por algo.
Temos a capacidade de realizarmos mudanças profundas em nos mesmos e nas outras pessoas, sendo que a pessoas não mudam de comportamento facilmente por imposição, na se aceitarem boas ideias como sendo delas. É o famoso dom de convencer e persuadir.
 

domingo, 12 de março de 2017

Viagens dimensionais -parte II

Para você realmente se libertar das de aflições e preocupações tem que saber se desprender de si mesmo e de seus vários conceitos que você aprendeu durante a sua vida e só serviram para atrasar seu caminho. As pessoas gostam muito de comparar a vida de umas com as outras e medir o sucesso com base nesses parâmetros.
Essas comparações são inúteis. Afinal, somos semelhantes mas não somos iguais, a experiência de vida de cada um é única, assim como o funcionamento cerebral e o entendimento da realidade. Cada cabeça é um mundo. Por isso que pessoas mais esclarecidas dizem que a realidade não existe, é apenas uma interpretação pessoal de cada pessoa, baseada nas experiências pessoais, recebidas por nós através do nosso sistema sensorial (audição, visão, olfato, paladar e tato). Uma alteração física no corpo ou química no cérebro altera toda noção de realidade que temos.
Eu mesmo atrasei minha vida por compará-la às realizações alheias. Achei que tinha idade definida para trabalhar, ter independência, casar e ter filhos. Como eu não havia conquistado tudo isso no tempo definido pela sociedade, achei que era um fracasso. Demorei para entender que cada pessoa tem seu tempo de realizações. Muitas dessas pessoas que serviram de referências para mim estão em uma situação angustiante: insatisfeitas, não realidades, caíram na bebedeira, traíram seus parceiros e seus filhos estão perdidos sem referências.
E são estes conceitos padronizados e massificados que assumimos como sendo nossos quando na realidade não são. É apenas o senso comum ditando as regras da "normalidade".
Você tem que libertar deste peso que você mesmo permitiu que colocassem em seus ombros e que só serviram para atrasar seus passos.
A tendência que temos de nos compararmos uns aos outros só serve para nos angustiarmos e nos deprimirmos. Devemos observar os bons exemplos, mas a capacidade de realizarmos algo que alguém já realizou estará limitada pela nossa percepção de mundo e pela confiança que tivemos em nos mesmos, além da automotivação, conhecimentos específicos para realizar algo.
Hoje invisto todos os meus esforços em adquirir equilíbrio, serenidade, humildade para aceitar a opinião dos outros (mesmo que eu não concorde com elas). Não é um processo fácil e imediato, são anos acumulados de revolta e referências erradas e que precisam ser filtradas para separar o que é bom do que deve ser descartado.
O amor e dedicação aos outros tem sido o caminho que escolhi. Claro que tenho que atingir um estado de desprendimento elevados para conseguir manter o equilíbrio diante das adversidades.
Não deveria, mas tenho ansiedade em ter pessoas ao meu alcance que estarem interessadas em crescer espiritualmente como eu tenho. Já experimentei estar com pessoas que tinham afinidade de pensamento comigo e foi extraordinário, mas na época em que isso aconteceu eu não tive discernimento para avaliar a importância disso na minha vida e como é valioso encontrar pessoas especiais em nossa vida.
Sei que o caminho do sucesso passa pela capacidade de termos bons sentimentos e determinação em alcançar os resultados que almejamos. Cultivar bons hábitos e nos apartarmos do mal sempre. Tenho experimentado novas emoções e aproveitado cada oportunidade de estar com pessoas que desejem a minha presença e que eu possa trocar ideias. Isso é conviver. Escrever o que escrevo e publicar textos tão intensos já é uma grande vitória para mim. Levei anos escondendo minhas opiniões com medo da reação das pessoas, eu tinha medo de ser visto como diferente. Renunciei a mim mesmo e aos meus talentos e ideias para passar como uma  pessoa "normal". O que falou atualmente é um resgate de décadas de repressão emocional e mental. E, para minha surpresa, sem retaliações por parte das outras pessoas. O único efeito colateral destas mudanças todas é que meus conhecidos estão surpresos com o que restou escrevendo e estado afastados de mim e com um silêncio ensurdecedor. Mas eu compreendo porque a pessoas ficam apreensivas comigo: sabem que eu vejo a realidade e elas tem medo que eu escreva um texto ou fale de assuntos relacionados com elas com seu modo de viver. A verdade incomoda que quer viver nas trevas da ignorância.

sábado, 11 de março de 2017

Você sabe orar?

Você sabe orar corretamente? O que você pede quando está orando? Como você se sente quando está orando? Em que situação você ora?
Deus não é um gênio da lâmpada que esta pronto para atender a seus pedidos quando e como você quer. Muitas pessoas oram a Deus quando estado aflitas e não encontram solução para seus problemas, ou seja, Deus acaba por ser a última alternativa, do tipo de quem não tem mais nada a perder. Esse mesmo tipo de gente esquece rapidamente de agradecer sinceramente ou mesmo de Deus depois que as turbulências passam. O que você acha que acontece com quem age assim?
Deus é um espírito infinitamente superior que deve ser amado, reverenciado e obedecido sempre.
Orar requer preparo e seriedade e muito tempo de prática. Primeiro você tem que aprender a se concentrar para as conectar as vibrações superiores. Você não vai encontrar Deus se tiver vibrando preocupações, aflições, angustias e desespero. Tem que ter prática de meditação. Uma boa maneira de começar a praticar a meditação é trabalhando corretamente sua respiração, do tipo usar seu diafragma e não apenas inflando os pulmões que comprimem o coração que está logo na frente em sua causa torácica.
Segundo: você deve eliminar as preocupações de sua mente para poder de conectar a Deus.
Terceiro: você deve começar agradecendo e acreditar sinceramente que já conseguiu o que pediu. Isso é ter fé absoluta sem hesitação. Não comece com uma lista de exigências para Deus, apenas agradeça por tudo que Ele já te deu até hoje e ainda te dá. Quando foi que você agradeceu pela água de sua torneira ou quando seu ônibus chega quando você mais precisava? Você nem lembra de agradecer, mas lança maldições quando fala água ou seu transporte atrasa.
Quarto: não peça para você, Deus não ouve sua voz quando você pede para você mesmo. Peça por aqueles que estão em situação pior do que a sua. Peça gratuitamente pelos outros sem pensar em você, pois se você se compadece do sofrimento de alguém, outro alguém pedirá para que alguém interceda a Deus por você.
Só depois disso tudo é que você peça confiante de que alcançará sua graça para a glória de Deus, e não apenas para seu conforto.
É desnecessário explicar que não adianta pedir ou desejar que alguém sofra porque isso nunca vai se realizar por intermédio de Deus.

sexta-feira, 10 de março de 2017

Viagens dimensionais

Acredito que podemos visitar outras dimensões e outros planos astrais ainda nesta existência. Mas para realizar essas façanhas são necessários total desprendimento dos assuntos relacionados com este mundo, pelo menos enquanto pretender realizar estas viagens e fora por algum momento. Afinal, uma dimensão superior é mais leve e não comporta o peso da preocupações que nos mantém atrelados a este mundo, impedindo qualquer elevação espiritual.
Preocupação é uma clara manifestação do ser humano que pensa que é responsável pelo seu destino. Podemos até fazer nossas escolhas e arcar com as consequências, mas os resultados dependem de uma série de fatores que escapam ao nosso controle. Não se trata de se acomodar e deixar tudo ao "Deus dará", mas deve-se ter consciência que a vida não é uma matemática perfeita à qual conhecemos todas as fórmulas de sucesso.  Preocupar-se demonstra arrogância do ser humano perante Deus, e põe em dúvida a justiça divina.
Desprovidos de preocupações, podemos fazer estas viagens por outros dimensões se estivermos propensos a acreditar que isto é possível e, claro, se tivermos certeza de que a realidade não se resume apenas aquilo que nossos sentidos conseguem nos mostrar e que podemos mensurar.
Mas qual a use utilidade de passar por um processo tão subjetivo e de difícil comprovação? São vários os motivos em se empenhar para atingir este estado de elevado espiritual e de consciência impares: felicidade, paz, busca pela sabedoria e equilíbrio interior. A felicidade não é deste mundo e nem esta aqui, mas podemos viver nela aqui mesmo. Assim como a paz e a sabedoria não são originais deste mundo, embora suas presenças tenham efeito direto nos viventes.
O conhecimento infinito também é possível neste plano, mas ele não será apresentado a uma humanidade incompleta e inconsciente de si mesma. Se a humanidade tivesse acesso a conhecimento superiores aos que há tem, tendo uma evolução moral tão baixa, seria a nossa ruína. Pois seria dar o poder de construir e destruir para pessoas nem sempre bem intencionadas e capacitadas para lidar com tal magnitude de poder que um conhecimento elevado traz ao seu detentor.
Acredito que a passagem para atingir este estado mental elevado sem estar alienado seja simplesmente amar sem pedir nada em troca. Quando amamos gratuitamente sem  impor condições atingimos este estado de leveza que nos remete a eternidade e desprendimento. Quem consegue desenvolver a capacidade de amar atinge o ápice a evolução humana. O amor não se preocupa em perder a pessoa amada,pois o amor liberta, ao contrário do desejo e das vontades que aprisionam e tornam nosso caminhar lento e pesado. Entregar-se ao sentimento do amor sem reservas pode dar, no início, uma sensação de pavor,por estar em um terreno totalmente desconhecido, mas quem já experimentou o amor sublime não deseja mais nada neste mundo.
E para atingir um estado mental que não cabe desejo em  primeiro lugar. Para viver uma nova  experiência destas tem que se preparar para viver uma nova fase na vida. Não se pode ter resultados diferentes fazendo sempre a mesma coisas. Não devemos nos colocar em situações em que o desejo sobreponha-se ai amor, que é um sentimento leve e elevado. O desejo pode surgir de uma visão por alguém vestido de forma excitante ou mesmo em formas de carícias intimas. Nada contra o prazer cercado, desde que ele esteja submetido ao império do amor. O desejo por si só aprisiona e tem prazo curta de validade, facilmente se torna possessividade.
Busco atingir este estado mental elevado para ajudar a quem precisar a quem precisar. Assim como acredito que se pode conhecer o paraíso ainda nesta vida. Eu já tive algumas amostras de felicidade por algumas momentos e meu coração quase sai pela boca, mas minhas limitações e meu coração ainda cheio de rancores, magoas sentimento de inferioridade me impediram de segurar a felicidade por mais tempo. Eu ainda não estava preparado para tamanha felicidade. Mas esta experiências serviram para me mostrar quse vale a pena lutar por coisas tão elevadas. Parece que estamos vivendo em um sonho onde tudo que desejamos é possível de ser realizado.
Não escrevo para o vazio. Tudo que fazemos, dizemos e sentimos ecoa na eternidade e de lá temos uma resposta. Mas temos que nos desapegar de conceitos ultrapassados e temos discernimento para saber distinguir o que realmente precisamos e o que não passa de um capricho pessoal, assim como precisamos saber a diferença entre o que pensamos e as ideias que implantaram em nossa mente e acreditamos que são ideias nossas. As crenças limitantes que temos nos impedem de alcançarmos vôos mais altos e de ter a felicidade que é permanente à qual todos temos acesso.
Como dizia São Francisco de Assis em sua oração: "É dando que se recebe". O que tenho feito este tempo todo é divulgado um conhecimento que recebi de graça e de graça dou. Quero com essa atitude atingir um estado moral elevado a ponto de viver no mundo da felicidade e de lá não sair mais, assim como ter acesso a todo conhecimento que meu ser consiga comportar.
Podemos ganhar a eternidade nesta existência com a realização de nossas obras. Não devemos querer fama nem sermos adulados, mas sim sermos reconhecidos pelas nossas obras e pela importância que elas poderão ter na vida de cada pessoa que se beneficiar com elas. Eu mesmo posso e até devo ser um anônimo, mas minhas obras devem ser bem conhecidas pelo bem que desejo que elas façam às pessoas.
Não devemos buscar nossa glória pessoal em função do que fazemos. Isso é vaidade desnecessária e apaga o brilho do que fazemos.
Deixar de pensar em si mesmo e pensar no bem do nosso semelhante, nem que seja por um momento, é a melhor maneira de subirmos mais um degrau para a eternidade e abraçamos as graças de Deus. Não se consegue a felicidade eterna de outra forma. Essa felicidade não é uma fantasia distante, ela é real e pode ser de qualquer um que estiver preparado para recebê-la.
Vou saber que estou em meu paraíso quando deixar de me preocupar com meu futuro e minha sobrevivência, assim como eu deixar de fazer esforço para manter o que conquistei. Quando temos necessidade de fazer esforço para manter algo, seja um relacionamento ou emprego, é porque aquilo que pensamos ter não nos pertence de fato e com o tempo o desgaste para mantê-los por perto torna-se um peso maior do que conseguimos suportar.
A vida é para ser leve. E é sendo leves que nos transportamos para outras dimensões de sentimentos e conhecimentos inimagináveis pelos padrões atuais que conhecemos.
 

Histórias de vida

Eu gostaria de ouvir mais sobre as histórias pessoais de cada pessoa que conheço ou conversa comigo. Se não fosse pedir demais, que ainda fizessem um link com o momento histórico do país e do mundo. Claro que poderia haver momentos de drama neste relato, nas que também houvesse momentos de humor, romance, aventura e ação.
Quando as pessoas relatam a própria história de vida, focam muito nos aspectos negativos e sempre tentam encontrar responsáveis pelos seus infortúnios. Não olham para trás e analisam o que fizeram de certo, o que foi bom em sua trajetória, quais eram seus planos, quais foram concretizados e quais planos foram abandonados. Não mencionam se aprenderam algo com suas experiências e o que pode servir de exemplo para outros.
As pessoas não costumam ver suas próprias como sendo algo interessante digno de ser contado com orgulho e alegria. Costumam comparar sua história de sucesso ou fracassos com a história de outras pessoas. Não comparam como estavam e onde estão atualmente. Não sabem nem mesmo o que as motivam a continuar a lutar e acreditar em suas vitórias.
Não se trata de viver no passado ou mesmo pensar em mudar o passado. Ninguém pode mudar o passado, apenas aprender com ele, se tiver discernimento, humildade e sabedoria para reconhecer as próprias falhas sem se culpar ou ser cruel consigo mesmo. Não devem nem mesmo utilizar esta palavra fracasso, se algo não aconteceu como planejou, pode-se chamar de experiência ou acidente de percurso.
Quem não conhece seu passado não pode saber para que direção está indo. Você tem que saber de onde veio e como chegou até aqui para saber para onde vai.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Aborrecimentos

Quero escrever uma palavras que não sei se poderá interessar a alguém, mas não quero me preocupar com isso, quero apenas escrever.
Estes dias estou agoniado e um tanto ansioso. Um evento que ocorreu antes do carnaval serviu para me mostrar o quanto o equilíbrio pode ser frágil. Este mesmo evento até hoje tem me causado aborrecimento, principalmente porque tive punição por tentar ajudar uma pessoa desconhecida que me traiu. Agora estou fechado a ajudar pessoas, sinto que fosse ser traído de novo O problema é que parece que isso virou uma bola de neve que vai aumentando a medida que vai passando. E a sensação de traição ainda permanece. Ou seja, estou segurando um sentimento ruim que está atraindo outras situações ruins para mim. Pensei que já tivesse descoberto o padrão do que faço, mas de um mês para cá as pessoas parecem estar armadas para brigar e qualquer palavra errada ou dita fora de hora pode gerar sérios problemas.
Por que não é tão fácil atrair sentimentos bons como é fácil atrair coisas ruins? Somos tão condicionados a pensar em tudo que está errado que é difícil ser otimista e retirar lições valiosas de cada acontecimento, por mais desagradável e desgastante que sejam. Não nego que estou aborrecido por ter me deixado me envolver nas teias da negatividade de pessoas que provocam sentimentos ruins. Mas como seria bom eu entender que isso não passa de uma provação para que eu alcance um nível melhor de espiritualidade e deixe este baixo nível para trás. E este tipo de evento que aconteceu comigo porque certamente porque estou também negativo estes dias e esta energia negativa está atraindo outras pessoas com a mesma vibração energética.
Estou passando tempo demais explicando aquilo que ninguém perguntou e nem tem interesse em saber, e quanto mais eu explico mais me complico e mais raiva eu fico por não me sentir apoiado e nem encontrar solidariedade. Explicar demais também é ruim porque gera mais ansiedade. Tentar encontrar respostas nas mesmas atitudes passado não é a solução. Do passado, as únicas coisa que me fizeram sem contraindicação, são minhas esculturas, as quais tenho negligenciado e abandonado por culpa da ansiedade que só aumenta à medida que vou alimentando ela quando quero respostas imediatas sem ter mudado minhas atitudes.
Ao invés de eu ficar remoendo o que já passou, devo concentrar minhas forças, inteligência e energias para estar em um ambiente onde eu me sinta a vontade com outros de meu nível e que tenham interesse no que eu tenha a dizer. Só conseguirei sair do ambiente que me desagrada quando eu merecer sair de lá, e não terá crise econômica que segure a prosperidade quando eu a merecer.
As respostas que procuro não estão nas pessoas, mas em mim mesmo. Ficar ansioso e buscar respostas nas pessoas do me traz mais ansiedade e não resolve o problema. Voltar a me dedicar às minhas esculturas, ter outros assuntos que não sejam minhas aflições e mesmo fazer uma atividade física para dissipar tanta ansiedade seria i melhor que ousado fazer por mim neste momento. Mas não adianta eu antecipar meus planos e sair por ai divulgando estas ideias que, por enquanto, não passam de ideias. Tenho que por a roda da vida para girar e deixar que as pessoas percebam algum sinal de mudança real. Se eu não mudar de atitude, terei sempre os mesmos resultados e isso só aumenta a já referida ansiedade.

quarta-feira, 8 de março de 2017

O fogo que arde

Não comece a ler este artigo se não tiver interesse em espiritualidade. Este texto é forte e é meu ponto de vista sobre este tema.
Às vezes, tenho a impressão de que s vida é como um incêndio: começa tímido, vai se alimentando ao longo do tempo, chega ao seu ápice e depois vai se apagando até só sobrar as cinzas.
Na infância estamos no início desta existência. Aprendemos avidamente sobre tudo que está a nossa volta, tanto com bons como com maus exemplos. Somos dependentes de alguém para nos orientar e cuidar de nós.
Na vida adulta que, para alguns já começa na adolescência, é o período em que nos julgamos independentes e que não precisamos de ninguém para nos auxiliar. Pelo menos assim pensam a maior parte das pessoas ignorantes de conhecimento verdadeiro e desprovidas de bom senso.
E na terceira idade, o corpo começa a dar sinais de cansaço e não responde mais com a mesma eficiência como na época de quando se era mais novo. As limitações vai ficando cada vez mais frequentes e abrangentes. Os amigos e parentes vai falecendo um após o outro e o idoso vai e sentido cada vez mais dependente e vulnerável. As vezes s cabeça custa a entender que o corpo não é mais o mesmo, assim como este idoso tem dificuldade de assumir sua idade e limitações e ficar refém de familiares impacientes e, por vezes, interesseiros. Tem idoso que se esforça para mostrar que ainda é jovem, mesmo tendo mais de sessenta ou mesmo setenta anos de idade. As mulheres idosas acreditam que tem vários homens interessados em  namorar com elas, e vivem essa fantasia como se estivessem no início da adolescência.
Mas aonde quero chegar é que a alma, já visualizando um fim para estes etapa da vida, começa a preparar o corpo para sua despedida. Como a alma não pode se afastar do corpo enquanto ele estiver acordado e como este alma não dorme, ele aproveita o momento de repouso do corpo para fazer todos os trabalhos que ela precisa enquanto ainda está neste plano da existência. Quando um entre realmente querido parte destes vida, quem pode sentir sua falta é quem fica e não quem foi de partida. Esta alma, devido a compaixão de Deus, irá dar uma velhice a pessoa de acordo com o que tulha viveu e acumulou em atitudes durante sua existência. A velhice parece ser a última oportunidade de redenção antes da partida deste mundo. O fogo se apagará e a fumaça do incenso em que nos tornamos chegará até Deus com nossas obras e amor que sentimos.

Malcriações

Que sirva de exemplo: Estes dias andei fazendo mal-humorado e algumas malcriações. Mas sempre que sinto que estou com minhas energias desajustadas eu procuro saber qual a causa de tanta insatisfação. Pois, acreditem, até nosso mal humor segue um padrão a anuncia quando a bomba de fúria está prestes a explodir.
Como eu já conheço o padrão, comecei a neutralizar e eliminar as causas de meu mal humor: Apaguei alguns nomes de minha agenda e evitarei contato com determinadas pessoas que não estavam me fazendo bem. Tem pessoas que só o contato com elas nos deixam desequilibrados pelos mais diversos motivos.
A vida é para ser leve sem tantas explicações. Mas tem pessoas que, por não nos conhecerem direito ou não terem a menor afinidade de ideias conosco, nos podem ou exigem explicações o tempo todo, e isso chega a ser desgastante. Excesso de explicações e justificativas nos enfraquecem.
Tudo o que nos aborrece deve ser evitado sempre que possível. No meu caso, sou excessivamente tolerante até mesmo com quem me maltrata, até mesmo por um momento de carência. Mas o amor-próprio e a dignidade devem vir em primeiro lugar.

MULHER

O que é ser mulher? Parece ser estranho um homem escrever sobre mulher já que, teoricamente, uma mulher conhece melhor a outra do que qualquer homem. Para o homem, a mulher é e sempre será um enigma indecifrável.
A natureza feminina é ser cuidadosa, maternal, observadora, delicada e precisa da companhia e da proteção de um homem. Esse é o ideal que se tem da mulher. Claro que tanta modernidade e padronização que se tem tido nos últimos anos tem destruído estes imagem que se tem da mulher.
Mas não são algumas décadas de exposição midiática que irão mulher milênios de comportamento ancestral feminino. A mulher só vai encontrar sua felicidade quando voltar a deixar de ter vergonha de ser feminina e entender que aceitar um homem em sua vida não significa submeter-se a tirania de um sádico. Homem não é garantida de felicidade e longe deste artigo fazer apologia ou discriminação a qualquer tipo de orientação sexual. Mas a mulher deve assumir seu papel na sociedade e encontrar sentido e sua verdadeira força.
A força da mulher não está em se igualar aos homens, mas em conhecer sua própria natureza e explorá-la em todo seu potencial, sem medo e sem culpa.
QUE VIVA A MULHER!!!

terça-feira, 7 de março de 2017

Os desafios da retidão

Seguir o caminho da retidão é mais difícil do que parece. Quando pensamos que já passamos por todos os tipos de provações, a vida nos oferece mais meio mundo de provações: solidão, falta de amigos e de um romance, óbitos, doenças, indiferença das pessoas, crise econômica, desemprego. Quando não somos nós por quem passamos por isso, são pessoas próximas a nós
Ser forte posta não sucumbir a tentação de se lamentar ou entrar em depressão é um grande desafio a ser superado a cada dia. Pior é quando não se vê a luz no fim do túnel. Às vezes, a situação está tão crítica que a luz no fim do túnel é o tem vindo em nossa direção. Tentar manter o astral elevado e a fé num ambiente hostil e conturbado como este parece quase impossível de ser conseguir.
Como se não bastasse, ainda temos que vencer nossos próprios hábitos que nos prejudicam e nos atrasam e já estão arraigados e resistentes em nos abandonar. Mesmo sabendo que certas atitudes que sempre fizemos ao fizeram nos atrasar, mesmo assim é difícil abandona-las.
Tem vezes que parece que estamos em um deserto de areias escaldantes e não há o menor sinal de haver um oásis neste deserto para nos refrescar e relaxar nem que seja por um instante. Lutar sozinho e ter que combater em várias frentes de batalha é desgastante e se desumano, e ainda não ter ideia de quando virão os reforços ou a paz será instalada de uma vez por todas.
Não há um mapa que nos ensine a viver sem ter que interpretar tantos enigmas e ninguém a quem possamos recorrer que nos de uma palavra de conforto. Ninguém, além dos grandes mestres do passado, aos quais são podemos mesmo nos inspirar em suas vidas e suas obras.