sexta-feira, 17 de março de 2017

Perfeição

Admito que ainda não estou no estado de perfeição que todos nós somos capazes de atingir. Ainda não penso livremente, pois minhas ideias estão contaminadas pelo medo. Medo do desemprego, de não atingir a prosperidade, da solidão, de não ser acolhido, de passar necessidades, de perder entes queridos, entre tantos medos que podem nos afligir.
Ainda reajo com grosseria em algumas situações de estresse. Não adianta eu me antecipar aos problemas para evitá-los e assim evitar o estresse. Isso é só contornar o problema sem resolvê-lo. Tenho que me esforçar ainda mais para ser uma pessoa mais humilde e desarmada de reações explosivas. Anos de repressão me geraram este estado permanente de belicosidade, foi qual tenho que me livrar o mais rápido possível.
Se eu comentar isso com um cidadão comum, ele vai dizer que é perfeitamente normal. Mas sei que viver com medo, receio ou estar cheio de dúvidas é um atraso de vida e uma clara demonstração de falta de fé em Deus e no próprio potencial.
Ainda não rompi esta barreira que me separa da verdadeira felicidade e paz de espírito. Claro que tenho me esforçado posta ter mudanças o mais rápido possível, mas se essa ansiedade por resultados atrapalha. Uma vida asfixiado poderia potencializar meus resultados, embora também pudesse me atrasar.
Quando conhecemos alguém, essa pessoa tem uma imagem nossa do momento em que nos apresentamos. É uma imagem como uma fotografia. As esta outra pessoa gosta do que viu e sentiu, começa algum tipo de relação. Mas s pessoas mudam com o tempo e nem todos são capazes de compreender e acompanhar as mudanças de comportamento da outra pessoa.
Ir isso que digo que eu estar inserido em um meio social definido agora poderia ser um grande peso que não me desse flexibilidade para aprender e experimentar coisas novas. Os meios sociais tendem a ser rígidos em relação a mudanças de comportamento. Ou se comporta de forma homogênea em relação ao grupo, ou será excluído.
Vivo nesse dilema, estar inserido em um meio social tendo que renunciar a mim mesmo ou continuar mais um tempo solto como estou?
Sei que mais adiante, depois de tantas mudanças, voltar ao comportamento inicial será mais difícil. O medo e o comodismo tentam dificultar mudanças, mas elas são inevitáveis para alcançar um estado das perfeição ao qual todos podemos atingir.
O senso comum diz: "ninguém é perfeito", na isso só serve para manter a pessoas no comodismo e ignorância

Nenhum comentário: