domingo, 12 de março de 2017

Viagens dimensionais -parte II

Para você realmente se libertar das de aflições e preocupações tem que saber se desprender de si mesmo e de seus vários conceitos que você aprendeu durante a sua vida e só serviram para atrasar seu caminho. As pessoas gostam muito de comparar a vida de umas com as outras e medir o sucesso com base nesses parâmetros.
Essas comparações são inúteis. Afinal, somos semelhantes mas não somos iguais, a experiência de vida de cada um é única, assim como o funcionamento cerebral e o entendimento da realidade. Cada cabeça é um mundo. Por isso que pessoas mais esclarecidas dizem que a realidade não existe, é apenas uma interpretação pessoal de cada pessoa, baseada nas experiências pessoais, recebidas por nós através do nosso sistema sensorial (audição, visão, olfato, paladar e tato). Uma alteração física no corpo ou química no cérebro altera toda noção de realidade que temos.
Eu mesmo atrasei minha vida por compará-la às realizações alheias. Achei que tinha idade definida para trabalhar, ter independência, casar e ter filhos. Como eu não havia conquistado tudo isso no tempo definido pela sociedade, achei que era um fracasso. Demorei para entender que cada pessoa tem seu tempo de realizações. Muitas dessas pessoas que serviram de referências para mim estão em uma situação angustiante: insatisfeitas, não realidades, caíram na bebedeira, traíram seus parceiros e seus filhos estão perdidos sem referências.
E são estes conceitos padronizados e massificados que assumimos como sendo nossos quando na realidade não são. É apenas o senso comum ditando as regras da "normalidade".
Você tem que libertar deste peso que você mesmo permitiu que colocassem em seus ombros e que só serviram para atrasar seus passos.
A tendência que temos de nos compararmos uns aos outros só serve para nos angustiarmos e nos deprimirmos. Devemos observar os bons exemplos, mas a capacidade de realizarmos algo que alguém já realizou estará limitada pela nossa percepção de mundo e pela confiança que tivemos em nos mesmos, além da automotivação, conhecimentos específicos para realizar algo.
Hoje invisto todos os meus esforços em adquirir equilíbrio, serenidade, humildade para aceitar a opinião dos outros (mesmo que eu não concorde com elas). Não é um processo fácil e imediato, são anos acumulados de revolta e referências erradas e que precisam ser filtradas para separar o que é bom do que deve ser descartado.
O amor e dedicação aos outros tem sido o caminho que escolhi. Claro que tenho que atingir um estado de desprendimento elevados para conseguir manter o equilíbrio diante das adversidades.
Não deveria, mas tenho ansiedade em ter pessoas ao meu alcance que estarem interessadas em crescer espiritualmente como eu tenho. Já experimentei estar com pessoas que tinham afinidade de pensamento comigo e foi extraordinário, mas na época em que isso aconteceu eu não tive discernimento para avaliar a importância disso na minha vida e como é valioso encontrar pessoas especiais em nossa vida.
Sei que o caminho do sucesso passa pela capacidade de termos bons sentimentos e determinação em alcançar os resultados que almejamos. Cultivar bons hábitos e nos apartarmos do mal sempre. Tenho experimentado novas emoções e aproveitado cada oportunidade de estar com pessoas que desejem a minha presença e que eu possa trocar ideias. Isso é conviver. Escrever o que escrevo e publicar textos tão intensos já é uma grande vitória para mim. Levei anos escondendo minhas opiniões com medo da reação das pessoas, eu tinha medo de ser visto como diferente. Renunciei a mim mesmo e aos meus talentos e ideias para passar como uma  pessoa "normal". O que falou atualmente é um resgate de décadas de repressão emocional e mental. E, para minha surpresa, sem retaliações por parte das outras pessoas. O único efeito colateral destas mudanças todas é que meus conhecidos estão surpresos com o que restou escrevendo e estado afastados de mim e com um silêncio ensurdecedor. Mas eu compreendo porque a pessoas ficam apreensivas comigo: sabem que eu vejo a realidade e elas tem medo que eu escreva um texto ou fale de assuntos relacionados com elas com seu modo de viver. A verdade incomoda que quer viver nas trevas da ignorância.

4 comentários:

Ramona disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ramona disse...

Texto complexo...Vc fala de um posicionamento baseado em suas próprias experiências em um mundo so seu e "particular" é interessante! Porém, não acho que a afirmativa q vc faz no final a respeito das pessoas se afastarem de vc faça muito sentido. :) Mas é seu ponto de vista. Parabéns pelo texto!

joao8815 disse...

A realidade nada mais é do que estendemos como realidade. Cada pessoa interpreta o mundo de acordo com as próprias experiências. Mas pode comentar com sua palavras e outras ser bem sincera, mesmo que eu não concorde com tudo.

joao8815 disse...

Concordo. É como se diz: Cada cabeça é um mundo.