sexta-feira, 14 de abril de 2017

Sobre a Páscoa

Para um cristão comprometido com sua fé, a Páscoa é a data mais importante no calendário. A Semana Santa nos relembra do sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo para nos salvar do pecados e nos dar a vida eterna. Através de seu sacrifício, a dívida da humanidade, decorrente do pecado original de Adão e Eva, do paga e nos elevou a condição de filhos de Deus.
Para um cristão, a Páscoa tem mais importância do que o Natal. O Natal é uma data festiva que comemora o nascimento de Jesus Cristo. Mas é na Pascoa que seu verdadeiro propósito se cumpre. De nada adiantaria ele ter nascido se não tivesse passado pela provação de sua morte e ressurreição. A ressurreição é que coroa a obra de sua vida. Se não tivesse havido ressurreição, Jesus Cristo não teria passado de mais um profeta de Deus e a humanidade teria continuado em sua trajetória de pecados sem chances de salvação.
Tem pessoas que acham os romanos cruéis por terem executado Jesus Cristo. Mas eles não se importavam com questões religiosas dos judeus, contanto que não provocassem tumultos que chegassem ao conhecimento do imperador romano.
Já para para judeus, a vinda do Messias prometido seria sua chance de lutar e se libertar do domínio de Roma, como há havia acontecido em outras ocasiões por interferência direta de Deus em favor de seu povo escolhido. Até então, os judeus eram incentivados, devido a sua tradição ancestral, a sacrificarem um animal como forma de agradar a Deus. O sacrifício de Jesus Cristo veio para por um fim nesta tradição cruel para com os animais, como se Deus se agradasse da morte de uma de suas criaturas. Mas antes do sacrifício dos animais, os costumes da época eram sacrifícios humanos, que foram substituídos por animais e por fim com Jesus. Dai a expressão referente a Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus:
"João Batista viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo".
João 1:29
E para o líderes judeus, a pregação de Jesus Cristo era uma ameaça ao sua posição social diante da população e do prestigio que gozavam perante às autoridades romanas. Sua posição era confortável demais para deixarem que ideias de igualdade e de amor ao próximo crescessem. O Antigo Testamento baseava-se e pregava supremacia dos judeus perante os outros povos como o povo escolhido de Deus e que seriam os únicos a serem favorecidos pelas graças do Senhor.
"Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres".
Mateus 26:39
A extrema humildade de Jesus Cristo o fez aceitar seu destino, mas o senhor da vida não queria passar pelo sacrifício da morte. Mas esta era a vontade do Pai, ele acatou e venceu a morte.

Nenhum comentário: