terça-feira, 20 de junho de 2017

Boa noite.
Andei escrevendo demais e realizando pouco.Quanto mais falamos a respeito de algo menos o tornamos realidade. Estes dias resolvi me recolher e concretizar vários projetos meus, sem tentar explicitá-los antes.
Garanto que virão novidades, mas sem pressa e sem pressão. Quero ajudar muito as pessoas, mas tenho que ter o respeito e confiança delas primeiro, até mesmo de pessoas desconhecidas.

terça-feira, 6 de junho de 2017

O incompreendido amor

O amor nunca foi bem compreendido, nem na antiguidade e nem nos dias de hoje. A pessoas confundem amor com desejo ou interesses materiais. Se alguém demonstra uma sensibilidade a mais que a média da população, logo é visto como diferente ou mesmo um tolo.
Se alguém sempre desejo carnal por alguém, diz que está amando, da mesma forma se gostar da relação sexual que teve, diz que se entregou ao amor. As mulheres facilmente associam amor a interesses materiais. Sempre me falam que mulher não gosta de homem que não paga tudo para ela, que não satisfaz todos os caprichos que ela tem. Não acredito que uma mulher ame mais um homem porque ele gastou todo o salário dele só para impressioná-la, assim como não acredito que um homem gaste uma enorme duma de dinheiro porque quer demostrar o anoite dele por ela. Penso que e para tê alguém tenha que se pagar, isso se chama prostituição, e parecer equipe essa prática esta cada vez mais arraigada na sociedade contemporânea.
Como a mulheres podem se sentir enganadas se tudo o que fazem é demonstrar que se entregam ao primeiro homem que pagar mais para sair com ela? Se ele for bem empregado ou tiver posses, terá maiores chance de ser um homem interessante do que se for um trabalhador que ganha cada moeda com muito esforço. Não importa se um homem de posses for imaturo ou promíscuo, mas ele tem um poder de seduzir que um homem de poucos recursos não tem.
Claro que nem todas as mulheres são interesseiras e nem todo homem só consegue a atenção de uma mulher se pagar por isso. Ainda existem muitas pessoas que estão esperando a oportunidade de conhecer alguém especial que tenha afinidades de ideias e um sinta atração física pelo outro para viver uma linda história de amor.
Tenho procurado aumentar minha experiência de amor gratuito como já faço com minha mãe, mas não tenho tido sucesso. Querer gostar de alguém é mais difícil do que parece. As pessoas associam vontade de amar com carência, e pessoas carentes ou são evitadas ou são exploradas. Quem passa a impressão de estar carente de atenção costuma ser ridicularizado ou é visto como um tolo e que deve de explorado por quem for mais esperto.
Não dá para fazer pessoas simplistas entenderem que amor é um sentimento que deve ser compartilhado e multiplicado, e que desejar fazer isso não significa, necessariamente, baixa autoestima.
Já tive muito medo de gostar de alguém, perder e sofrer muito com isso. Eu até mantinha certa distância de minha mãe ir ter medo de perde-la e não suportar a dor da perda. Na entendi que não dá para você a vida com medo e, se gostar de alguém custar a sanidade mental, que pelo menos os momentos felizes compensem alguma tristeza que porventura possa ocorrer.
Tenho dedicado muito tempo e esforço para que minha mãe sinta-se cada vez mais livre como nunca lhe permitiram ser. Sempre condicionaram a atenção que dariam a ela se ela cumprisse uma série de exigências. E tenho acompanhado o final de quem a tem tratado assim, e tem sido finais cada um pior do que o outro.
Chega de viver a vida com medo. As amarras que permitimos que as pessoas coloquem na gente só funcionam se nos permitirmos. Em vez de viver com medo, quero multiplicar o amor em cada oportunidade. Mas para isso tenho que purificar cada vez mais meu coração e não me aborrecer tanto quando algo não sair como eu espero que se realize. Mesmo que eu esteja coberto de razão, tenho que compreender que meu desenvolvimento pessoal é só meu, e que cada um tem seu próprio tempo para amadurecer e se tornar uma pessoa digna e equilibrada.

sábado, 3 de junho de 2017

Onde está o romantismo?

Onde está o romantismo nos dias de hoje? Cadê o flerte, a paquera? As mudanças de comportamento da sociedade nas últimas décadas tem tornado as pessoas descrentes no amor, no romance e na amizade.
A relações sexuais começando cada vez mais cedo, com jovens imaturos deixando-se levar pela efervescência de seus hormônios, confundem facilmente desejo sexual com amor, tem relações de forma irresponsável e promíscua até que uma gravidez indesejável ou desilusão amorosa acaba com seus sonhos e esperanças de uma vida de felicidade.
Não é difícil entender a consequências de tantas irresponsabilidade e imaturidade
Os homens, descrentes do amor das mulheres, já se aproximam na intenção de sexo. Socialmente, o homem e incentivado a ter o maior número de relações sexuais que puder, para assim ele ganhar o respeito dos outros.
E as mulheres, descrentes dos homens, deixam eles de aproximarem da na intenção de pedir ajuda para se manter e manter o filho que ela teve com outro homem do qual ela se dedicou mas não assumiu o filho que teve com ela, deixando-a amarga e desiludida com a vida e com o amor de algum homem. Hoje em dia, muitas estão sendo bem diretas e já vão avisando que não levam cueca de homem e nem querem bancar as empregadas, e ainda só se envolvem com homens que vão ajudá-las nas despesas domésticas. Ou seja, está mais para uma relação comercial do que amorosa. De nada adianta o homem falar coisas consideradas românticas, tentar atingir o coração de uma mulher com música agradável ou dança envolvente. Nada disso adianta tanto esforço do homem em tentar agradar se a mulher pensar em se envolver com alguém que faça o papel de substituto dos pais dela e ele ter que satisfazer a todas as suas vontades.
O bem e a sabedoria não está em fazer tudo que alguém de pede, normalmente as pessoas confundem vontade com necessidade, e geralmente não sabem do que realmente precisam. Você tem que deixar de olhar apenas sua a necessidades e prestar a atenção no outro, e irá ver que o que ele pensa que precisa na verdade não passa de um desejo de compensar algum tipo de frustração. Cada um deve alcançar tudo o que deseja com seus próprios esforços e méritos, senão ele ou ela não darão valor ao que receberem e estarão sempre insatisfeitos e querendo cada vez, seja lá o que for.
A afinidade de ideias é que deve unir um casal ou mesmo grupos de amigos, e não interesses mesquinhos e imediatistas, como prazer sexual ou um provedor das despesas domésticas. O sentimento deve de amor gratuito e incondicional, deve-se amar pelo amor, e não impor algum tipo de condição.
Quando há afinidade de ideias, ninguém precisa cobrar do outro nada, simplesmente cada um percebe o que o outro percebe e procura deixá-lo satisfeito, dentro dos limites do razoável. A sintonia de sentimentos permite que a necessidade alheia torne-se evidente sem que tenha que haver algum tipo de cobrança ou chantagem.
Namorar é um exercício de amor e entrega em confiança, mas deve ser algo leve e agradável, e não uma relação comercial tensa onde para que um ganhe o outro tenha que perder. Se o cinismo imperar na relação, torna-se evidente que não se trata de uma relação de amor, mas de uma relação de interesses pessoais e individuais, semelhante ao que ocorre na prostituição, onde um dá o prazer em troca de benefícios materiais.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Voz grosseira

Até mesmo o tom de voz pode deixar alguém nervoso, tanto faz se de alguém exaltado perto da gente ou se é nossa própria voz em um tom mais alto, rápido e rude. O tom da voz pode acalmar ou deixar alguém nervoso, a depender do tom que se use.
Eu mesmo passei por esta experiência no trabalho. Aprendi a falar em ruim moderado mas firme com meus clientes. Resultado: ganhei o respeito e credibilidade deles. Que não tenho atrito e conduzo muito bem meu atendimento.  Não menosprezo quem es sua do outro lado e as pessoas percebem quando estão sendo tratadas com respeito, mesmo quando não fazemos a vontade delas.
Agora preciso trazer estas experiências do trabalho para a vida social. Tenho mania de levantar a voz quando não sou ouvido ou não dão importância para o que falo. E quanto mais et grupo maiores as peças não me ouvem. Chega a ser uma contradição: Não se ouvido por gritar na hora errada.
Suavizar a voz para não falar de forma impositiva. Ninguém gosta de se sentir intimidado, e bem permanece parado por muito sem reagir de alguma forma. Acalmar-se e falar de forma decisiva. Se perceber que a outra parte não quer o diálogo, então é melhor abandonar a conversa antes que vire um conflito desnecessário.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Abstinência

Quando estamos habituados a praticar certos hábitos que nos dão prazer, mesmo que sejam prejudiciais, temos satisfação imediata a momentânea. Mas quando nos damos conta que o preço a ser pago por um prazer tão efêmero não vale o esforço de mantê-lo, a responsabilidade nos manda nos livrar deste mal hábito, que também pude ser classificado como vício.
Na se livrar de um vício pode não ser tão fácil, rápido ou agradável. Quanto mais tempo ficamos abitolados e obcecados com um vício, mais difícil torna-se livra-lo de nossas vidas. Podemos até neutraliza-lo, mas ele estará latente esperando a oportunidade de voltar e continuar a causar prejuízos na vida de quem o alimenta.
A satisfação que um vício da não compensa o estrago que ele provoca, mas a arrogância do ser humano e suas vontades podem levá-lo a perdição. Tentar satisfizer todos os desejos a qualquer preço ou tentar compensar uma frustração com um prazer momentâneo repetidamente só traz prejuízos a si mesmo e quem tenha contato com o viciado.
O vício nas redes sociais é um bom exemplo de dependência. Muitas pessoas passam o dia postando ou conferindo mensagens para sentirem-se lembradas e valorizadas. A aprovação com tudo que postam demonstra uma clara necessidade de se expor para compensar frustrações. A ausência de curtidas ou comentários gera ansiedade e mais necessidade de fazer algo que chama a atenção das pessoas para si. Deixar a redes sociais de lado exige esforço e novas ocupações e mesmo assim o vício continuará si aguardando a oportunidade de voltar e provocar mais angústias e frustrações.
 

quarta-feira, 31 de maio de 2017

O vício da vida virtual

A tecnologia pode ser bem útil para facilitar a comunicação entre  pessoas. Está cada vez mais barato sem comunicar com alguém em qualquer parte do mundo. A internet e os aparelhos eletrônicos estão cada vez mais modernos e acessíveis a todas a parcelas da população. Tudo isso facilita o contato entre as pessoas, mesmo que distante fisicamente uma das outras. Tudo isso poderia aproximar cada vez mais as pessoas uma das outras.
Poderia aproximar, mas a facilidade de comunicação está tendo um efeito exatamente o contrário: está diminuindo o contato físico e emocional entre as pessoas. O que deveria ser motivo de aproximar as pessoas enquanto elas estão fisicamente afastadas uma das outras, está  é aumentando a distância emocional entre as pessoas.
O prazer em ver imagens coloridas e ter acesso aos mais diversos tipos de conteúdos escolhidos pelo próprio usuário, faz com que essa tecnologia de comunicação perca sua finalidade inicial que seria a comunicação entre as pessoas. O que deveria aproximar está sendo motivo para afastar.
Não é preciso andar muito para ver alguém entretido com seu aparelho de imagens coloridas e hipnotizantes. A concentração é tanta que esta pessoa não vê quem passa ao seu lado ou acha perda de tempo conversar com um conhecido. Em vez das pessoas fazerem visitas para saber como a outra está, prefere vasculhar as redes sociais para saber o que seus amigos andam fazendo. Nas fotos, as pessoas estão sempre bem de vida e de bem com a vida; as relações amorosas, familiares e sociais estão sempre em alta; a felicidade predomina. Na vida real a realidade é outra.
O mundo virtual é realmente alienante, tira a pessoa da realidade de forma gradativa. Ter acesso a internet para a ser uma necessidade básica, como beber, comer, dormir e fazer sexo. Aliás, até a vida sexual passa a ser afetada. Quantos casais que, ai terminarem de ter relações sexuais, pregam logo seu aparelho para não perder nenhuma novidade de seus grupos sociais?
 Whatssap caiu no gosto popular. Quem não está conectado a ele, está socialmente marginalizado. Assim como em outras redes sociais, no Whatssap só permanece nos grupos que pensar exatamente igual aos demais, qualquer sinal de divergência do pensamento dominante não será tolerado e haverá rejeição a ponto do divergente ter que se retratar publicamente ou ser banido ou exilado do grupo. A liberdade nesses grupos resume-se a: dobrar-se ao pensamento da maioria ou ser sumariamente excluído. Embora seja um aplicativo útil para uma comunicação imediata com grupos de trabalho, de estudos e familiares, se o zap ou zapzap (como é carinhosamente chamado) não for utilizado com limites, ele passa a ser a própria razão de seu uso e não apenas mais um meio de comunicação. Ele, como outras redes sociais e entretenimentos virtuais, também viciam. Não são apenas os jogos eletrônicos, os vídeos pornôs, as novelas e seriados de televisão que causam dependência, Whatssap também dependência semelhante ao uso de entorpecentes.
Esse vício eletrônico faz com que os contatos virtuais percam sua finalidade que seria comunicar, e passa a ter outra finalidade: Exibição pública. Todos que participam dele querem compensar sua baixa autoestima através de imagens de felicidade e sucesso amoroso ou social. As pessoas nunca estiveram tão isoladas, mesmo com tanto acesso a comunicação. A alienação é geral e quase uma regra social não-escrita. E o que sobra além dessa dependência tecnológica? Sobra sexo sem razão e sem satisfação duradoura eo consumo de álcool cada vez mais excessivo. Todas as camadas e faixa etárias da população então envolvidas com o consumo de bebidas alcoólicas, de uma forma ou de outra. E quando o vazio provocado pelo mundo virtual não pode mais ser satisfeito com o consumo de bebida forte, aí chega a vez do uso de drogas pesadas e da consequente violência ligada a ela. Mas como uma população alienada vai conseguir ligar os pontos entre carência emocional, desestrutura familiar, vazio da vida virtual, consumo de bebidas alcoólicas, sexo  promíscuo, uso de entorpecentes e violência?
Com tempo precioso que se perde em ficar se atualizando virtualmente da vida alheia, deixa-se de telefonar para alguém, marcar um encontro ou mesmo fazer uma visita. Além disso, existe tanto a ser feito, exercícios físicos, aulas de dança, artesanato, cursos profissionalizantes, graduações e pós-graduações, viagens, cinema, praia, conhecer novas pessoas, fazer amizade com pessoas de bem com a vida. Existe tanto o que se viver neste curto espaço que existência que temos que, uma hora perdida no mundo virtual torna-se irrecuperável.
Não podemos esquecer que a população continua sendo alienada pelos setores dominantes da sociedade e a capacidade de leitura e interpretação de texto esta muito baixa. Alguém que escreva uma frase sem erros grosseiros de português que logo esta visto como um esnobe que quer humilhar as pessoas. O nível cultural continua a ser nivelado por baixo e qualquer um que pense em melhorar seu nível de pensamento será hostilizado ou ignorado.
Não devemos ser saudosistas e presos ao passado. Se assim fosse, estaríamos sem os benefícios de luz elétrica, em nome do romantismo do jantar a luz de velas, ou ainda estaríamos na época das correspondências de papel entregue pelo carteiro. Uma notícia levava duas até chegar para nós. Mas não devemos nos deixar dominar pela tecnologia a ponto de esquecer compromissos sociais ou perder o interesse pelo trabalho que dá sustento e dignidade ao ser humano.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Seja sem vergonha

Seja uma pessoa sem-vergonha. Isso mesmo. Mas antes que entenda que estou fazendo uma apologia a libertinagem, vamos esclarecer a situação.
Não devemos fazer nada que nos provoque vergonha. Tem pessoas que não fazem nada de errado para terem vergonha de seus próprios atos. Já tem outras que deveriam ter vergonha de suas atitudes mas não estão nem aí. Um corrupto rouba sem o menor constrangimento. Mas quando é pego não assume seus atos, então ele tem vergonha do que faz, mas não se arrepende e tornará a cometer crimes as tiver oportunidade.
Devemos ser claros em nossas atitudes. Nem sempre podemos antecipar todos os nossos planos, pois tem pessoas que só acreditam vendo os resultados. Podemos nos resguardar por precaução mas não por constrangimento. Não devemos viver nas sombras, mas sim nos ambientes onde nossas ideias e atitudes possam ser bem visíveis. Desconfie de pessoas que gostam muito de segredinhos, de te afastar do convívio com outras pessoas, do ciúme, de pessoas que falam mal de tudo e de todos o tempo todo. Pessoas assim não tem a ideias claras e estão tendo pensamentos errados e vão te dar prejuízo mais adiante. Este tipo de gente gosta de se esconder por ter atitudes vergonhosas e sabem que serão desmascaradas se agitam em público e abertamente.
Não tenha motivos para envergonhar-se de suas atitudes. Mão faça nada que te provoque vergonha. Seja sem-vergonha.

Psicologia ou espiritualidade?

Existem duas linhas de pensamento ou crenças que se podem conhecer o ser humano, tanto elas encantam como também podem provocar medo indescritível em que as desconhecem. Trata-se das linhas espirituais e psicológicas. Normalmente elas são estudadas de forma separadas e considerados conhecimentos totalmente incompatíveis entre si. Quem segue uma linha de raciocínio tende a ignorar e até combater ferozmente a outra.
A psicologia é considerada uma linha racional de condução do pensamento. Tende a explicar o comportamento humano como um conjunto de experiências ao longo da vida e heranças genéticas, familiares, culturais, sociais e econômicas. Tudo tem influência no comportamento humano.
A psicologia tenta explicar, de forma racional, utilizando-se de métodos científicos, o comportamento de cada pessoa, assim como suas ações passadas, presentes e futuras. Uma análise psicológica, isenta de emoções, pode traçar uma linha que se inicia no passado da pessoa, passa pelo seu presente e pode concluir antecipadamente o comportamento deste indivíduo no futuro. Ou seja, se alguém sempre se comportou assim, a tendência desta pessoa agir desta ou daquela forma pode ser prevista sem que isso signifique algum tipo de magia. É pura ciência.
Já a espiritualidade lida com a fé em algo que não se vê e, em muitos casos, a ciência não explica. Tende a agir como um consolo de que tudo não passa de provações para que o ser humano mereça o Reino dos Céus depois de uma vida devotada às práticas de suas crenças.
Em algumas religiões ou crenças, a magia se faz presente e seu uso é amplamente utilizado, para o bem ou para o mal.
A ignorância das pessoas tende a chamar de milagre tudo de bom que elas esperam que aconteça e não compreenderem, assim como podem responsabilizar forças espirituais por tudo que acontece. Independente da linha espiritual ou religiosa que a pessoa siga, o mal tende a ser personificado na figura de um demônio, espírito maligno, obsessor, satanás, diabo, almas perdidas, Exu (erradamente confundido com um demônio), entre tantos outros.
Quando alguém responsabiliza uma força espiritual por tudo que acontece, na verdade está isentando-se de ter permitido que a situação chegasse aquele ponto.
A psicologia rejeita essa passividade que alguns religiosos tende a tratar o comportamento do ser humano, responsabilizando a forças espirituais malignas tudo que acontece ou tudo que o ser humano faz de ruim. Assim como a religiosidade crítica a frieza de estudiosos do comportamento humano que tende a simplificar o comportamento humano em simples reações químicas do cérebro e histórico familiar e social. 
Mas este conflito entre a ciência e espiritualidade tem raízes históricas e envolve, em alguns casos, uma intensa luta pelo poder, onde que mais se beneficia são os líderes envolvidos e quem mais perde é a maior parcela da sociedade, que avança sendo vítima de manipulações, tanto de um lado como de outro.
Quem controlar as emoções de alguém pode facilmente controlar essa pessoa ou mesmo uma sociedade. Líderes populistas e carismáticos podem desvirtuar sua próprios talentos e utilizar-se para benefício próprio mesmo que em detrimento do bem alheio.
Tanto a espiritualidade quanto as ciências do comportamento humano lidam com questões serias e de profundo impacto na vida das pessoas. Questões como doenças, morte e a perda de um entre querido, relações conjugais, felicidade, sucesso, prosperidade, força interior, equilíbrio emocional, esperança, sanidade mental, os diversos tipos de violência, homicídio, suicídio, sentimentos e emoções diversas. Tanto uma frente como a outra tem em seus praticantes e defensores os que são mais exaltados e tendem aqueles que são mais equilibrados.
Além do confronto entre as duas vertentes do pensamento humano, ainda tem o conflito entre os praticantes de cada corrente de pensamento entre si. Por exemplo: intolerância religiosa entre as diversas doutrinas e religiões.
Em meus textos e análises, utilizo tanto conceitos científicos e psicológicos, um completando o outro de forma harmônica e coerente. Tratar desses assuntos envolvem muita responsabilidade e os assuntos não devem ser tratados de forma tendenciosa. São assuntos que abordam o que o ser humano tem de mais precioso,o seu verdadeiro Eu, suas emoções, alegrias, esperanças, angustias, tristezas, medos e toda gama de emoções e sentimentos que alguém carregue consigo e que nem sempre consegue lidar ou mesmo suportar sozinho sem orientação.
Tenho mergulhado fundo na mente humana e feito diversos tipos de experiências para aprimorar meus dons e certificar-me de certas análises que eu tenha feito inicialmente.  Sou daqueles que acredita que o ser humano só usa uma pequena parte de seu potencial, o restante está bloqueado por fatores limitantes, tipo:
Em um momento de fragilidade alguém pode ser facilmente manipulado por pessoas mal intencionadas ou mesmo mal conduzidas por pessoas despreparadas. Quem já foi vítima desse tipo de pessoa de índole ou qualificação duvidosa tende a ficar descrente em buscar ajuda, ou pode de tornar radical em suas concepções e fechados às novas ideias.
As pessoas religiosas, em sua maioria, concordam que a fé ele montanhas. Mas quantas dessas pessoas tem o coração puro e os pensamentos livres de confusão para mover uma montanha? É semelhante uma pessoa fazer uma prova de cálculos complexos estando totalmente despreparada e desconcentrada, sua nota será péssima.
Seja psicologia ou religião, os assuntos que lidam são complexos e não basta a pessoa dizer que tem fé e saber alguns trechos de livros religiosos ou ter algum título universitário na área para poder ser classificada como uma pessoa preparada e responsável.
Dizem que a ignorância é uma bênção. De certa forma isso é verdade. Saber demais não é garantia de felicidade. Às vezes, desconhecer a verdade faz com que a pessoa viva sua vida de forma irresponsável e sem saber por que sofre, mas também sem saber o que lhe acontecerá no momento seguinte e sem saber com quem convive. Quando você começa a se instruir demais, a verdade se revela de um jeito que não tem mais volta, você vê as pessoas de forma diferente sem aquele encanto ou ilusão que tanto lhe agradavam. Os acontecimentos vão deixando de te surpreender e a previsibilidade passa a fazer parte de seu cotidiano.
Por isso não dá pra aceitar essa ideia do senso comum que passamos a vida com alguém sem conhece-la direito. As pessoas são o que são e seus comportamentos do passado e do presente lhe dizem qual será seu próximo passo.
Não existe esta história de que alguém mudou depois que casou. Na verdade, as pessoas revelam-se quando se sentem seguras. Então ela não mudou, apenas está mostrando quem realmente é. Seu parceiro (a) que quis se iludir de que tinha encontrado a pessoa ideal, normalmente por conveniência que se deixa enganar, ou porque quer conforto material, ou pela beleza estética de seu parceiro ou pela relação sexual do casal. Quando nos deixamos levar por nossas vontades, tendemos a ignorar a razão e os sentimentos que sempre nos avisam de tudo que pode acontecer.
Só mesmo um perfeito psicopata poderia manipular friamente outra pessoa sem ser descoberto com o tempo. Valorizar excessivamente a cordialidade e formalidade pode servir para esconder a verdadeira natureza de alguém. Deve-se deixar a pessoa livre para que ela se expresse espontaneamente, e até mesmo provocá-la para que ela mostre sua verdadeira natureza, sem tentar impressionar ou ser aceita. Nenhuma pessoa normal consegue disfarçar sua própria natureza por muito tempo sem começar a deixar rastros. A "máscara" vai se houver oportunidade para isso.
Mas quem decide escolher seu próprio caminho, tem que estar preparado para as consequências. As pessoas que você convive estranharão seu novo comportamento. Se for contrário aos valores da maioria deles, você será desmotivado a continuar no seu esforço de mudança. Mas para que tanto esforço para mudar, se saberá que não terá apoio de seus pares? Quem está sofrendo de alguma maneira e não vê perspectivas de melhorias, clama por mudanças; quem passa por longos períodos sentindo fome, medo da violência e da solidão, sofrendo pela falta da saúde, não aguenta mais permanecerem inertes enquanto morre após poucos todos os dias. Mas por que as pessoas precisam deixar chegar ao desespero para optarem em mudar de vida? Talvez por comodismo ou covardia prefira deixar tido como sempre esteve.
Existe uma boa forma de desmarcarar alguém que esteja tentado esconder suas verdadeiras intenções. Basta apresentá-lo a pessoas que gostam de você e nas quais você confie. Quem tiver carinho por você, não vai querer te ver sofrer e se você de oportunidade para lhe dizer o que sentem, você terá uma segunda opinião. E mais importante, quem está mal intencionado não vai querer se apresentar onde tiver pessoas de seu lado nos quais ele não tenha domínio ou influência, ele saberá que não enganará a todos por muito tempo.
Por ser de motivo, pessoas mal-intencionadas tentarão te manter afastada do seu meio social, usando como pretexto o ciúme ou dizendo que está se sentindo discriminado. Mas tudo não passa de ardis para te isolar e assim ele poder agir de forma impune e reduzindo o risco de ser descoberto. Esta descrição serve para se precaver de pessoas mal-intencionadas do ponto de vista psicológico como espiritual. O resultado será o mesmo: sofrimento para a vítima deste tipo de pessoa.

Enquanto que a maioria pessoas encaram as doenças como algo físico provocado por microorganismos vivos, acidentes, má formação durante a gestação ou mesmo feitiçaria ou inveja, eu vejo de forma mais ampla.
A doença pode se provocada por estes fatores descritos acima, mas eles são só as consequências. A causa esta na alma. O corpo é apenas um meio para manter a razão principal da vida que é garantir um passe livre da alma para a eternidade. Quando o corpo cria dificuldades para que esta ainda cresça, ela castiga esse corpo teimoso se afastando dele. Isso abre caminho para que todo tipo de energia se aproxime dele, sejam elas positivas ou negativas. Geralmente o que prevalece nesses casos são as influências negativas.
Mesmo para quem tem resistência a admitir a existência do mundo espiritual, sabe que uma pessoa de comportamento negativo não vai atrair pessoas descontraídas e de bem com a vida com atitudes grosseiras e reclamações o tempo todo. Assim é a espiritualidade, o que é negativo do tende a atrair coisas negativas, pois a energia estarão vibrando na mesma freqüência.
Minhas análises são análogas ao trabalho de um médico clínico. Este profissional analisa um problema de saúde por todos os ângulos, e não descarta nenhuma possibilidade sem que esteja respaldado por exames médicos. Eu analiso os problemas de forma ampla, analisando não si o problema em si, mas todos os fatores que levaram a pessoa aquela situação, sejam eles fatores familiares, sociais, culturais, econômicos ou mesmo psicológicos e espirituais. Tudo que fazemos deixa rastro, basta refazer os caminhos percorridos e a resposta estará lá em algum lugar, e em algum momento ela aparecerá.
Nada acontece pior acaso, tudo tem uma razão de ser. Admitir que tem problemas e reavaliar o que tem feito de certo e onde estão as falhas são o primeiro passo para encontrar a solução para os mais diversos tipos de problemas.

A ansiedade atrapalha muito a vida da gente, e está associada às nossas vontades. Nossas vontades estão relacionadas com o que queremos e não, necessariamente, ao que precisamos. E quando nossas vontades não são realizadas quando e como queremos ficamos mais ansiosos ainda e mesmo frustrados.
Nossas vontades são fruto de nosso cérebro. O cérebro pode nos enganar, o coração não. O cérebro imagina um cenário e, se não houver controle, essa imagem que pensamos torna-se realidade em nossa cabeça. Por isso, a física quântica diz que a realidade não existe, porque ela acaba sendo apenas ideias formadas em nossas cabeças e que acreditamos serem a realidade pura e simples. 
É no cérebro que se formam os medos e desejos, e toda variedade de pensamentos que nos arrastam para baixo, bem a nível básico da sobrevivência. É lá que a vaidade cria forças e nos faz sentir humilhados quando comparamos boa vidas com a dos outros e eles estão aparentemente melhores que nós.
Não é  o cérebro que deve comandar nossos pensamentos e nem nossa vida, é nossa mente orientada pelo nosso coração. Quando uma pessoa deixa seus pensamentos serem guiados pela sua mente, ela torna-se cada vez mais intuitiva. A intuição é aquele pensamento que nos dá a certeza do que devemos fazer, mesmo que ele não seja agradável para nós e nos coloque em situações que desejaríamos evitar.
Uma pessoa intuitiva é daquele tipo que tem confiança em si mesma e humildade o suficiente para admitir que pode cometer erros e não se acanha em corrigi-los o mais rápido possível e até publicamente, ser necessário. Uma pessoa guiada pelo seu coração não se importa com sua segurança pessoal ou aprovação alheia, sua prioridade é fazer o que julgar necessário, mesmo que a maioria das pessoas sejam contra. Sair da zona de conforto, fazendo tudo como sempre faz é uma forma de saber se é seu cérebro ou sua mente quem guia suas decisões.
O cérebro só se importa com a sobrevivência a nível básico, seja do indivíduo ou de sua espécie. A mente tem como prioridade a evolução do ser humano enquanto espécie pensante. Por isso o medo esta tão atrelado ao pensamento cerebral. O medo nada mais do que a tentativa desesperada de sobreviver a todo custo, seja a sobrevivência individual ou da espécie. O medo é uma reação primitiva de sobrevivência, e é por isso que conseguimos imaginar tantas coisas ruins quando estamos com medo, porque  ele é uma reação primitiva em um cérebro evoluído. É como colocar um chipanzé para dirigir um carro moderno, é essa comparação que pode ser feita quando deixamos nosso cérebro guiar nossos pensamentos: Deixar um instinto básico comandar uma máquina avançada.
Percebam que em momento algum foi mencionado que o cérebro deve ser combatido. Ele não é nosso inimigo, apenas esta fazendo o trabalho dele que é nos manter vivos. Ele é a nossa parte animal. Não devemos castigar nosso cérebro e nem nosso corpo, devemos é disciplina-lo. Não podemos ser rudes e cruéis comigo mesmo. Devemos ser amáveis e entender que todo aprendizado leva tempo para se assimilado. Devemos é evitar situações e hábitos que reforcem o domínio animal do cérebro sobre nossos pensamentos. Devemos ser carinhosos conosco mesmo e ter disciplina para não se entregar a rompantes de fúria ou do medo irracional. Como eu vi em um filme: "O perigo existe, mas o medo é fruto de nossos pensamentos", ou seja, devemos ser cautelosos, mas não deixar que o medo guie nossos passos. Quem deve conduzir nossa vida é nossa mente.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Divagações - parte IV

Cada vez mais o lado emocional vem ganhando espaço e força em minha vida, enquanto que a razão pura e fria vão se afastando. Se alguém me diz que está sentindo dor, fico sem saber o que dizer (não sou médico), mas se alguém me diz que está triste ou quer de alegrar, aí me interesso.
Não tenho ainda a capacidade de fazer curas milagrosas (embora acredito que rogos possamos fazer, só não acreditamos nosso ainda, assim como nossos pensamentos ainda não estão puros para realizar tais prodígios), mas tenho a capacidade de perceber o que as necessidades de cada pessoa e dar a elas o que elas precisam e não apenas o que elas querem. Nem sempre sabemos o que realmente precisamos.
Librar-se do peso dos nossos desejos e vontades e deixar as energias fluírem livremente nos tira o peso das preocupações. De nada adianta ficar angustiado pelo que nem aconteceu. Empregamos tantas energia e esforço para evitar algo que trazemos para junto de nos exatamente o que mais queríamos evitar.
Não adianta ter medo de amar com medo de perder a pessoa amada e sofrer. Melhor é curtir a presença de quem gostamos, por que assim teremos nossas lembranças para nos consular na ausência da pessoa amada, seja de maneira temporária ou permanente. Não devemos perder nenhuma oportunidade de sermos amáveis e gentis, tudo que fazemos só faz aumentar ou diminuir nosso crédito no amor que sentimos.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Divagações - parte III

Sempre digo e repito: Se queremos resultados diferentes, tempos que fazer as coisas de maneira diferente. Não há outra forma de atingir um nível melhor se não arriscamos e ficamos no mesmo lugar, fazendo tudo como sempre fizemos. Não há como chegar na frente seguindo os passos dos outros, fazendo só o que os outros fazem. As alguém tem sucesso, é porque descobriu maneiras de chegar antes e se consolidar como sendo referência para os demais.
As crises são só pretexto para as pessoas se acomodarem e acusarem alguém de seus próprios fracassos. Tem que ter coragem, assumir riscos e responsabilidades, fazer o que gosta, se dedicar ao máximo para atingir a excelência no que você sabe fazer, e ainda perceber se o que você oferece é o que outros pessoas realmente precisam.
Não basta de nossas ideias, mas tem que colocá-las em prática e a serviço dos outros. Sair de limitações dos seus próprios conceitos e ver o mundo de maneira mais ampla de sem ideias pré-concebidas. Encare seus próprios medos e siga em frente. Afaste-se de pessoas de m negativas que do te homem pois baixo. Cuidado com os contestadores que só duvidam de tudo, mas não acrescentam nada de útil de construtivo.

domingo, 21 de maio de 2017

Anticristo

Diante das incertezas políticas, crise econômica, violência generalizada e lata de perspectivas a curto e médio prazo, parece que estamos vivendo um daqueles momentos em que a humanidade está passando por um processo de depuração e que são sempre dolorosos. Podemos citar como exemplo a perseguição aos primeiros cristãos que durou séculos, ou a Guerra de Cem Anos na Europa, ou a Peste Negra que dizimou um terço da população europeia, a Primeira e Segunda Guerras Mundiais, só para citar alguns exemplos.
Tudo isso que foi mencionado formam um terreno fértil para o surgimento de líderes demagógicas e autoritários, ditadores e tiranos, falsos profetas, ou mesmo o Anticristo, como previsto no Apocalipse só apóstolo de Cristo, João Evangelista. Mesmo quem não tenha crenças religiosas será afetado de alguma forma. Guerras e rumores de guerras não são suficientes para converter ninguém, mas evitar praticar atos malignos deve ser obrigação de todos e em todas as épocas.
As aparições de Nossa Senhora e outras mensagens estão sendo semelhantes em seu conteúdo: Orar a Deus muito para passar por este período de provações. Este ano esta sendo emblemático neste sentido, mas não quer dizer que ano que vem tudo voltará a normalidade do que sempre foi. Nada será como antes.
 

Ovos na cesta

Tem um ditado que é um tanto deselegante mas que serve ao que vou dizer: "Não coloque todos os ovos em uma única cesta". Esses ditado pode não se aplicar a todos os casos, mas é especial em relação a relacionamentos familiares, de amizade e entre colegas.
Se fosse um jogo de cassino, seria equivalente dizer:  "É muito perigoso apostar suas as fichas em um único número". Pode-se perder tudo em um único lance.
Não se deve dedicar todo seu carinho e seu amor a uma única pessoa, seja ela mãe, pai, filhos, cônjuges, familiares, namorados, amigos ou colegas. A chances de se decepcionar aumentam a medida que diminuem a quantidade de pessoas para você dedicar todo seu amor e carinho. Assim como você pode sofrer amargamente se perder todo seu objeto de dedicação. Para alguém deixar esta vida basta estar vivo, e a dor da perda pode ser tão insuportável que quem ficou pode perder o juízo, a sua fé pessoal ou o sentido para viver.
Não se deve brincar com assuntos tão sérios quanto os sentimentos, tanto os da própria pessoa quanto de seus semelhantes. A manipulação é algo cheiroso correto corriqueiro na sociedade, tanto os pais com seus filhos, como os casais, colegas, e os mais diversos tipos de autoridades. Manipulação é uma forma desleal de controle dos outros através dos sentimentos. Mas a verdade um dos se revela e aí vem a decepção.
Por isso, é bom gostar do maior número de pessoas, assim você evita se tornar "prisioneiro" do amor por alguém, e ainda diminui a possibilidade de ser manipulado por alguém, pois a tática do manipulador é manter sua vítima afastada do convívio social, assim ele reduz a possibilidade de ser descoberto.
Particularmente, eu desconfio de pessoas caseiras demais que gostam de ficar isoladas com mais alguém. Geralmente são pessoas que justificam sua atitude por assumirem seu ciúme (como se ciúme fosse prova de amor).
O amor é para ser compartilhado e não para ser  vivido de forma escondida escondida.