sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Solidão

Estou vivendo uma fase em minha vida que a solidão é uma constante, minha única companheira nesta caminhada tem sido minha mãe. Ela tem sido aquela pessoa que chamo para sair e ela vai, sem maiores explicações ou justificativas.
Assim como eu preciso dela, ela precisa muito de mim. Eu gostaria de ter mais pessoas em quem confiar, mas parece que todos tem tanto o que fazer que não tem tempo pra mim.
Mas isso é uma demonstração de que a LEI DA ATRAÇÃO funciona: Desespero atrai desespero. As energias atraem energias semelhantes. Se me sinto só, o Universo envia mais solidão. Não posso pensar em ter alguém pra fugir da solidão, senão tudo que virá será mais solidão.
Tenho que viver experiências e sei que na coletividade ela serão bem mais enriquecedoras, mas a ansiedade não tem trazido bons resultados. Ainda não tenho a independência que desejo nem as amizades que procuro.
As pessoas que tenho contato tem mais o que fazer do que serem atenciosas. Pior que dá pq ver o abismo em que estão se dirigindo, parecem gado rumo ao precipício, um estouro de animais se dirigindo ao penhasco. E não tem nada que eu possa fazer neste momento para evitar esse sofrimento coletivo destas pessoas.
Tenho tenho a ensinar na ninguém interessado em aprender. A frieza ou indiferença com que as pessoas estão agindo me deixa estarrecido.
Como diz Jesus Cristo no novo Evangelho: "Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem." (Mateus 7:6)

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Projeto de vida

Tudo que tenho divulgado através do blog e do Facebook são ideias, mas ideias sem ação não passam de palavras vazias. Tenho interesse em aplicar essas idéias na prática, mas para isso preciso sentir que a pessoas tem algum interesse no que pretendo divulgar.
Tenho procurado meu público exaustivamente. Uma vez até enviei terreno fértil para plantar essas idéias, mas me assustei na época com a abrangência do projeto. Não se trata de ganhar dinheiro com isso, mas de deixar um legado, um registro de minha passagem por esta existência.
Temos que multiplicar nossos talentos. Que Deus me de forças para que eu consiga e já agradeço desde já as oportunidades que Ele tem me dado.
Tenho que achar meu público-alvo para que os eventos comecem e não podem mais.
Fico angustiado de no poder fazer mais do que estou fazendo no momento. Não busco glória pessoal, mas divulgar um projeto que beneficiará a muitos. Isso é maior do que eu e deve sobreviver e se desenvolver mesmo na minha ausência, por qualquer que seja o motivo.
Mas até lá, muito trabalho pela frente.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Fim dos dias...

O silêncio chega a ser ensurdecedor e o isolamento inacreditável. Parece que a medida que o tempo passa vamos ficando cada vez mais isolados. Aquelas vozes que insistiam em querer conduzir cada passo de nossas vidas vão se silenciando aos poucos. Se antes tinha quem determinasse o tipo de pessoa que deveríamos nos envolver ou o tipo de festa que deveríamos ir, a medida que a velhice chega vamos ficando cada vez mais sem referências.
Parece que, socialmente, uma pessoa vai perdendo sua importância a medida que envelhece. Talvez seja por isso que muitas pessoas insistem em negar sua velhice, por medo de Green a realidade deste isolamento. Beber, fumar, comer sem se importar com a dieta e com a qualidade dos alimentos, esses são apenas alguns dos indícios de que uma pessoa de meia idade não reconhece que já não faz mais do grupo jovem.
O pior está por vir. Parece que, hoje em dia, quando uma pessoa está gravemente doente, os familiares fazem questão de depositar o enfermo em um leito de hospital, talvez pirata morrer por lá e não te que dar satisfações aos vizinhos. Também a casa não ficará marcada pela lembrança e te um defunto em dias dependências. Isso pode parecer doentio, mas é o que tem ocorrido. Seria mais humanitário deixar um doente terminar seus dias no conforto de seu lar ao lado de seus familiares. Tem ala de hospital só para doentes terminais, onde as enfermeiras deixam o doente dopado até a hora de falecer.
Acredito que quem não tem sensibilidade para perceber a necessidade de um semelhante seu, não terá paz de espírito nesta existência, o medo é seu companheiro e seu momento final triste como fez um doente se sentir.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Será que somos perfeitos?

Tenho procurado pessoas que vivem no amor. Isso significa viver sem medo e ter um equilíbrio exemplar. Pessoas que ficam sem medo de violência ou qualquer mal que alguém possa fazer, oque sua fé o sustenta.
Isso tudo que descrevi é muito bonito mas um tanto utópico. As pessoa sabem a diferença entre o certo e o errado, mas insistem em tentar fazer suas vontades sem medir as conseqüências de seus atos.
Eu não preciso apertar com perguntas para descobrir a verdadeira natureza ea contradições de cada pessoa. As pessoas falam o politicamente correto, mas quando a situação aperta out se der espaço para elas se expressarem livremente, verbalizam sua ideia de forma estarrecedora.
Discordo de pessoas que dizem que não somos perfeitos. Somos perfeitos sim: Temos a centelha divina, que é a fonte de nossa vida. Se Deus está em nós, então agimos próprios como Ele, sua imagem e semelhança. Você pensa que Deus tem dentes pra mastigar? Ou pernas para andar? Ou braços para agarrar? Deus é um espírito, e como espírito é energia pura sem formas, por isso a proibição em fazer imagens Dele.
As pessoas usam como pretexto a passagem que nascemos do pecado para continuarem a pecar. Já somos perfeitos, mas não agimos como tal.
Seria interessante eu me relacionar com pessoas de um nível melhor que o meu, pois seria péssimo me relacionar socialmente com pessoas piores do que eu.
As pessoas ainda não entenderam que valorizo mais as ações que palavras adulatórias. Gosto de pessoas coerentes, que fazem aquilo que dizem ou acreditam, sem contradição.
O corpo humano é um orgânico e está sujeito às leis da natureza: nascer, crescer, envelhecer e falecer. Isso já está previsto. O que importa é o que se faz com este corpo. As ideias tem mais valor para mim do que ostentação de riquezas ou beleza escultural. Qualquer manifestação do espírito da própria pessoa, como alegria, criatividade, um carinho ou um ato de amor me fazem ter esperanças na humanidade. Mas as pessoas ainda não entenderam isso.

Solidão

O medo de ficarmos sós nos faz fazer muitas bobagens na vida. Tentamos escapar da solidão a qualquer preço, até tendo comportamentos ridículos, nos humilhando e deixando-nos enganar facilmente por aproveitadores que só chegam em nossas vidas para pilhar e destruir o que temos de melhor.
Assim como muitas pessoas, também fiz coisas das quais não me orgulho, apenas para ter alguém que não se importava comigo ou nem sabia que eu existia. Cheguei a renunciar a existência de Deus em minha vida, mesmo sem ter consciência disso. Vou explicar melhor.
Deus sempre esteve presente em minha vida. Mesmo sem saber exatamente do que se tratava, eu sentia que havia uma proteção fora do comum desde minha infância. Eu tinha boas ideias, era um aluno aplicado e tinha amigos. Tinha até iniciativa para ganhar dinheiro.
Mas tinha dois defeitos: Era temperamental e me senti só. Primeiro, por ser muito impaciente, facilmente eu perdia o controle de minhas emoções e me exaltava.
Segundo, desejei ter uma namorada. Mas em minha juventude, as relações não eram tão banalizadas como hoje em dia. As mulheres eram muito exigentes com relação aos seus parceiros: queiram homens experientes, fortes, bonitos e bem sucedidos. Mas ficavam incomodadas se o homem fosse um intelectual, pois sua própria estupidez as fariam se sentirem inferiores. O cinema e televisão ridicularizada quem era estudioso, vulgarmente chamado de nerds ou CDF.
Devido a isso, deixei de me aplicar nos estudos e baixei meu nível para tentar "me dar bem"com as mulheres. Essa atitude me fez aquela sensação de proteção de que eu gozava. Me afastei gradativamente de Deus, pois eu acreditava que se eu estivesse no caminho da retidão seria visto como antipático e as mulheres não iriam querer se envolver com alguém que não fosse "descolado" ou fosse da moda.
Além disso, como deixei de me aplicar em meus estudos e perdi aquele ímpeto de estudar e aprender cada vez mais. Não estudei mais para concursos públicos e nem continuei meus estudos acadêmicos. E aquelas mulheres que tinham vergonha de serem visto com alguém de estudos graduados, hoje querem alguém que lhes dê todo o conforto que acham que merecem.
O que estou fazendo atualmente é me empenhando para reencontrar aquela força que eu calei a força, por estar revoltado por não conseguir as mulheres que eu queria, mas que não precisava. Já estou reencontrando aquela força, espero que ela me perdoe pela minha estupidez e ingratidão.
Meu Deus sempre foi muito bom comigo, eu que havia virado as costas para Ele porque meus caprichos não eram atendidos como eu queria.
Hoje o que busco são pessoas decentes que tenham necessidade de amizade e crescimento pessoal como ser tenho. Pessoas que já tenham entendido que nossa força esta em Deus, mas que quando nos reunimos com outros que pensem de forma semelhante a nós, o caminho e troca de experiências são mais agradáveis.
Assim como eu, acredito que muitas pessoas atrasam suas vidas para entrarem em sintonia com outros que só atrasam seus passos, ou porque procuram beleza, ou status ou delírios sexuais. Se buscassem a Deus em primeiro lugar, teriam tudo o que realmente precisam e não apenas o que desejam.
As mulheres perderam sua suavidade, querem matar na relação e medir força com os homens, depois não entendem o porquê de estarem só. Quem acredita que sexo segura relação esta apenas se iludindo. O amor verdadeiro não exige esforço para se perpetuar.
Estou vivendo uma fase em minha vida que a solidão é uma constante, minha única companheira nesta caminhada tem sido minha mãe. Ela tem sido aquela pessoa que chamo para sair e ela vai, sem maiores explicações ou justificativas.
Assim como eu preciso dela, eles precisa muito de mim. Eu gostaria de ter mais pessoas em quem confiar, mas parece que todos tem tanto o que fazer que não tem tempo pra mim.
Mas isso é uma demonstração de que a LEI DA ATRAÇÃO funciona: Desespero atrai desespero. As energias atraem energias semelhantes. Se me sinto só, o Universo envia mais solidão. Não posso pensar em ter alguém pra fugir da solidão, senão tudo que virá será mais solidão.
Tenho que viver experiências e sei que na coletividade ela serão bem mais enriquecedoras, mas a ansiedade não tem trazido bons resultados. Ainda não tenho a independência que desejo nem as amizades que procuro.
As pessoas que tenho contato tem mais o que fazer do que serem atenciosas. Pior que dá ver o abismo em que estão se dirigindo, parecem gado rumo ao precipício, um estouro de animais se dirigindo ao penhasco. E não tem nada que eu possa fazer neste momento para evitar esse sofrimento coletivo destas pessoas.
Tenho tenho a ensinar na ninguém interessado em aprender. A frieza ou indiferença com que as pessoas estão agindo me deixa estarrecido.
Como diz Jesus Cristo no novo Evangelho: "Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem." (Mateus 7:6)

sábado, 24 de setembro de 2016

Cristãos católicos e evangélicos

CRISTÃO PROTESTANTE
Foi-me proposto que eu dissertasse sobre os cristãos protestantes. Para ser mais objetivo, primeiro farei uma breve diferenciação entre protestantes e católicos. Embora ambos criam no mesmo Deus e Jesus Cristo, existem alguns conceitos que os diferenciam e até os distanciam uns dos outros.
Para cristãos católicos romanos são assim denominados por terem como representante supremo aqui na terra o Papa, ao qual estão subordinados todos os outros católicos. O Papa representa Pedro que recebeu do próprio Jesus Cristo a chave que abre e fecha as portas do céu e da terra, sendo Jesus o Filho do nosso Onipotente Deus.
É interessante perceber que a estrutura de poder católica assemelha-se a estrutura e poder romana. Enquanto que no império romano havia imperador, tribunos, senadores, reis, governadores, centuriões e soldados, na estrutura católica há a figura do Papa, arcebispos, cardeais, bispos e padres.
Já os cristãos protestantes, dado assim denominados por terem se afastado, na Idade Média, da igreja católica e do poder papal, por discordarem de alguns conceitos fundamentais para os católicos. Não existe essa figura central de poder terreno e são divididos em várias, igrejas com doutrinas bem diferentes uma das outras, como batistas, adventistas, presbiterianos, mórmons, entre tantas outras. Alguns se recusam a serem chamados de protestantes, preferem serem denominados evangélicos ou apenas cristãos.
Os protestantes ou evangélicos não reconhecem a figura de santos católicos e abominam a reverência a imagens desses santos como fazem os católicos. Enquanto que Maria, mãe de Jesus Cristo, tem papel fundamental para os católicos, pirata os outros cristãos ela não passa de uma mulher que gerou Cristo Jesus. Alguns também tem o sábado como dia santificado, enquanto que para os católicos o domingo é o dia dedicado a Deus. Algumas congregações focam sua doutrina no Antigo Testamento, e outras valorizam mais o Novo Testamento de Jesus Cristo.
A parte destas ideias, não vejo hoje muitas diferenças entre os cristãos, sejam eles católicos ou evangélicos. Tirando essas diferenças, todos tem suas virtudes e seus pontos que precisam melhorar.
Católicos tem uma igreja milenar, que tem resistido a anos, com todas as mudanças ao longo dos séculos em vários países. Porém a estrutura rígida não permite mudanças para corrigir rapidamente erros de percurso. A tradição é fundamental para manter a identidade católica.
Já os evangélicos tem uma igreja mais recente e herdaram uma Bíblia já editada por católicos ao longo dos séculos, por mais que não admitam. São mais adaptáveis as mudanças e tem como foco a evangelização de novos membros para suas igrejas.
Todas as associações e congregações religiosas são isentas de impostos, pelo menos no Brasil. Mas os evangélicos tem como fonte principal de manutenção de seus trabalhos o polêmico dízimo e outras arrecadações. Polêmico para a sociedade em geral e não muito praticado por católicos.
O que todos tem comum é a sua intenção sobrevivência ao longo do tempo. Isso se faz com a adesão contínua de novos membros. Acredito que o que falta seja mais entusiasmo para alcançar o coração das pessoas ainda não convertidas. A imagem que uma pessoa religiosa tem perante a sociedade em geral, é que são detentores da verdade deles e que para ser uma pessoa religiosa tem-se que renunciar a todos os prazeres desta vida. Além disso, em alguns casos, deixar-se conduzir por um líder religioso que, nem sempre, pratica aquilo que prega. Outra censura que percebo muito por parte da sociedade, é que algumas congregações focam demais no poder do diabo e pouco ficam no amor divino.
Mas não deve-se ser ignorado que muitas igrejas, os mais polêmica que este tema traga, que exercem um papel social que a sociedade não tem ideia da importância que tem. Os governos não chegam onde estas igrejas e motivados chegam e se não fosse este trabalho social e até espiritual, a sociedade como conhecemos poderia desmoronar. Em outros países de outras tradições religiosas, seus líderes que estado mais focados no espiritual e no social também tem seu papel de relevância nas sociedades.
A igreja católica tem seu mérito, entre outros, por manter o nome de Cristo ao longo dos séculos. E os evangélicos pior lembrarem da razão da existência da igreja.
Este é um tema polêmico que pode ser visto com muita paixão e pouca razão por algumas pessoas menos esclarecidas. Eu não teria abordado este tema se eu não tivesse proposto um desafio, assim como dissertar livremente sobre política, times de futebol e outros assuntos, porém gerar críticas ferozes de quem discordar.
O que precisa ficar bem claro é que a única maneira de uma religiosa sobreviver é através da inclusão contínua de novos membros, mas que para isso acontecer as ansiedades dessas pessoas que ainda não se converteram tem que ser respondidas.
Intransigência religiosa do assusta e denigre a imagem de uma igreja. Não é preciso aceitar ideias contrárias aaa suas, mas respeitar opiniões diferentes as nossas promove a paz e o amor.

Ecos do passado

Por mais que saibamos e até queiramos seguir em frente, algumas atitudes que nos prejudicaram no passado insistem em nós acompanhar. Esses vícios são traiçoeiros e se não tomarmos cuidado, nos deixam aprisionados em um círculo que só pode ser rompido com muita força de vontade.
Saber diferenciar o joio do trigo é importante para que nenhuma injustiça seja cometida. Mas se for necessário, recomeçasse do início, perdendo toda aquela safra que esteja contaminada.
O que dava prazer no passado pode não ser mais no momento presente, na as lembranças podem nos perseguir como um fantasma que não se afasta.
Mas existe uma solução: Abandonar pelo máximo de tempo os hábitos que te enfraquecem. Quem te ama e quiser seu bem entenderá e te dará e apoio necessário. Mas se não der apoio, é porque essa pessoa não gosta realmente de você.
A solidão pode boa fazer tomar atitudes vergonhosas. É normal fraquejar por um momento, mas deve-se se erguer o mais rápido possível. Não se deve buscar em uma relação física prazeres momentâneos sem pensar nas conseqüências.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Viver no amor

Viver no amor de Deus significa deixar de se preocupar por um momento de coisas como pagar as despesas cotidianas ou se preocupar com a violência. Deixar de pensar na maldade, ignorar a existência do mal, não dar mais importância a ele.
Sei que pode não ser fácil, num primeiro momento aceitar e se entregar a esse amor, mas é necessário se despreocupar para sentir essa força dentro de si. Mas para viver assim tem que estar preparado para pagar o preço: Deixar de dar importância a tudo que te afaste deste amor, tanto seus medos quanto as pessoas negativas que convivem com você. Pode ser constrangedor evitar pessoas que se lamentam o tempo todo, mas você não deve dar espaço para que elas tomem conta de você.
Quando se decide viver no amor, tem que renunciar a tudo que for errado e te prejudica. Mas esqueça a visão de que todo prazer é pecado e de que só o sofrimento te leva a Jesus Cristo. Quem associa o amor ao sofrimento só faz afastar todos aqueles que ainda não conhecem este amor.
O que deve ser evitado são atitudes que prejudicam a você mesmo. Tudo que pode ter erguer ou te derrubar estão em vocês mesmos.
O que te prejudica dado basicamente suas vontades, elas é que tem que ser dominadas e domesticadas, senão irão permanecer em estado selvagem, fazendo você agir de forma inconsciente, impulsiva e até agressiva. São seus desejos primitivos que te levam a querer viver de prazeres inconseqüentes, ter explosões de humor e de raiva e viver com medo da violência e das doenças. Perceba que tentar realizar desejos primitivos só te prejudicam: comer e beber exageradamente, consumir substâncias que te prejudicam a saúde, fumar, sexo irresponsável e promíscuo. Ter desejo irresistível outro excesso de sal, gorduras, açucares, café, carnes vermelhas, bebidas alcoólicas, tudo isso significa que você está se deixando dominar por desejos primitivos e pagará caro com sua saúde por seus excessos. Doenças como o câncer, diabetes, cirroses, infecções em geral, doenças sexualmente transmissíveis, todas elas são decorrentes diretas de dietas desregradas e de uma vida irresponsável. E o preço é cobrado, e é alto.
Viver com medo de violências e desconfiado e de tudo e de todos também é consequência de uma vida sem amor e num estado primitivo.
Pensamento é uma forma de energia e energia atrai energia semelhante.
Pense o bem e terá coisas boas. Tenha medo ou raiva e atrairá coisas ruins para sua vida.
Para viver no amor, faz-se necessário abandonar velhos hábitos e conceitos que você deve ter aprendido desde a mais tenra infância. Desde cedo aprendermos que para sermos amados precisamos obedecer as ordens do adultos e aceitar todas as suas ideias sem questionar. A criamos nasce em estado puro, são os adultos que as estragam, geração após geração. A criatividade é tolhida e o que é socialmente aceito é fazer o que todos já fazem. Mas num momento de crise nacional, quando se precisa de pessoas com ideias novas, todos sofrem, pois para que ideias novas surjam precisam de um ambiente propício.
Da mesma forma, viver no amor significa ter certeza de que nenhum mal te atingirá.
Para viver no amor, faz-se necessário abandonar velhos hábitos e conceitos que você deve ter aprendido desde a mais tenra infância. Desde cedo aprendermos que para sermos amados precisamos obedecer as ordens do adultos e aceitar todas as suas ideias sem questionar. A criamos nasce em estado puro, são os adultos que as estragam, geração após geração. A criatividade é tolhida e o que é socialmente aceito é fazer o que todos já fazem. Mas num momento de crise nacional, quando se precisa de pessoas com ideias novas, todos sofrem, pois para que ideias novas surjam precisam de um ambiente propício.
Amor é criação e criatividade. É viver em paz e confiante de que mal algum te acontecerá enquanto viver no caminho da retidão. Amor é prazer e não sofrimento. Não é a dor que purifica dos pecados. Viver no amor significa ter certeza de que nenhum mal te atingirá.
Você se sente tão a vontade mesmo que percebe seu corpo como sua casa, como se fosse uma roupa de carne onde você está protegido e aquecido; talvez como se sentiu no ventre de sua mãe, onde você tinha tudo que precisava.
Para te o amor de alguém é necessário passar pela experiência do amar. E antes de amor vem o respeito. Quando se ama que alguém percebemos suas reais necessidades, e não apenas suas vontades. As vontades nunca se satisfazem e querem sempre mais.
Para amar alguém precisamos nos amar a nos mesmos. E para nos amar precisamos antes entender o que significa respeito. Respeitar significa entender as particularidades de cada um, seus limites e seus anseios. É aceitar cada um como são, e não tentar diferentes do que são contra sua vontade. Podemos até acreditar que sabemos o que é melhor para os outros, mas de nada adianta pensamos assim se o outro não entender que as atitudes que ele está tomando estão prejudicando a ele mesmo. Não fica melhor do que é se for na base da força, tem que aceitar espontaneamente.
Respeito é algo que se conquista com ações, paciência e perseverança. É mais fácil respeitar alguém que sabe se impor e entende nossa particularidades, assim como alguém que admiramos. Uma pessoa respeitável não impõe seu ponto de vista, mas está tão seguro deles que acaba por convencer outras pessoas, embora tenha humildade para rever os próprios conceitos.
O amor verdadeiro liberta, não causa dependência.
O ciúme existe onde há dúvidas. O ciúme é possessivo. O ciumento acredita que pode possuir alguém porque assim ele decidiu. Pessoas ciumentas normalmente são infantilizadas, onde suas vontades devem prevalecer sobre os direitos dos demais. O ciúme é um pseudoamor ou um falso amor. O ciúme escraviza e faz sofrer. Ele tenta calar aquela voz que diz que seu amor não está sendo correspondido como você acredita merecer. Este sentimento é fruto de uma entrega desproporcional de uma parte e cobra do outro a mesma entrega e dedicação. O ciumento tende a idealizar o outro e é uma pessoa extremamente insegura, capaz de violar outra próprios princípios para manter a relação. E em casos mais graves pode levar ao suicídio ou homicídio.
Entregar-se ao amor significa estar preparado também para renunciar as atitudes mesquinhas. Significa pensar na felicidade alheia e entender que para o outro ser feliz pode significar ter que estar com outra pessoa que não seja você. Isso se chama grandeza de espírito. Se o amor da outra pessoa por você for verdadeiro, nada e nem ninguém poderá afastá-los um do outro. Será um amor verdadeiro e duradouro. O que Deus uniu não será o ser humano quis irá separar.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Desenvolva seus talentos

Tenho me dedicado a desenvolver meus talentos, todos que acredito que eu tenha: culinária, artes como escultura e pintura, dança, elaboração de textos, entre outros. Acredito que se temos talentos temos a obrigação de utilizá-los e multiplica-los. Depois que percorremos o caminho, fica mais fácil indicar a direção aos outros para que possam também desenvolver seus talentos naturais.
Fico impressionado com a quantidade de pessoas que não tem ideia de quais são seus verdadeiros talentos e do que realmente gostam de fazer, além de comer, beber e dormir. Tenho interesse em ajudar estas pessoas, desde que elas me permitam fazê-lo.
Como alguém pude ser feliz e encontrar sua outras interior se não sabe nada sobre si mesmo? Como pode pensar em encontrar o amor de outra pessoa se não sabe que tipo de pessoa lhe agrada?
Já tem tempos que acredito que a beleza estética seja interessante nos primeiros cinco minutos quando conhecemos alguém, apenas como um chamariz. Mas basta a pessoa abrir a boca e começar a falar bobagens que o encanto rapidamente se desfaz. Quem não conhece a si mesmo e desenvolve seus próprios talentos age como uma pessoa vazia de bons sentimentos, propósito e força interior.
Não tem nada de errado em se orgulhar de ser bonito, bem sucedido socialmente, ter uma casa confortável, desde que esteja preparado para perder o que mais se ama. Tem pessoas que enlouquecem se perderem algo que as identifica socialmente, pra não desenvolveram algo que seja só seu e que outros possam ter interesse.
Acredito que as relações sociais são a chave presta se desenvolver os talentos, mas isso não deve ser confundido com aprovação social ou dependência emocional. Como eu já escrevi antes: Nosso centro de equilíbrio deve estar em nós mesmos, aconteça o que acontecer.

O QUE VOCÊ TEM A OFERECER?

As pessoas querem impressionar ao outros com o que acham que tem de melhor, seja beleza ou força física, condições financeiras, inteligência ou poder. Tudo isso porque quem evitar de estarem sozinhas. Mesmo quem acredita que gosta de estar só, no fundo procura alguém para dividir sua solidão.
Mas na verdade, o que acontece é que muitas pessoas não conseguem suportar a do mesmas, então procuram criar situações ou condições em que elas não sejam percebidas pelo outro. Jogam uma "cortina de fumaça" para manterem-se escondidas da percepção do outro r não assusta-lo até que a outra pessoa já esteja envolvida.
Tem pessoas que sem não tiverem beleza, dinheiro ou poder se sentem um nada e não conseguem ser atraentes para que outras pessoas queriam estar com elas. Para que sejamos interessantes, temos que ter o que oferecer, seja palavras de sabedoria ou deixar o outro sentindo-se bem apenas por estar conosco.
Você já parou para pensar o por quê das pessoas gostarem de estar com você ou estarem te evitando? Será que você está sendo uma pessoa autêntica e verdadeira? Será que você está se relacionando com as pessoas corretas que te incentivam e te dão ânimo? Será que a pessoas que você conhece não são do tipo mercenárias que se vendem para quem pagar mais? O que você tem realmente a oferecer?
Tem pessoas que são tão agradáveis, que mesmo estando velhas, enrugadas, doentes, perdendo invalidez física, sem dinheiro ou casa bonita, mesmo assim não queremos que ela parta deste mundo e cada momento com ela é gratificante. Vejam alguns atores, cantores, compositores, padres, pastores, rabinos, líderes de crenças afros, políticos, líderes militares. É enorme a lista de pessoas que deixaram suas marcas na mente e corações das pessoas. Todos eles foram grandes exemplos e inspiraram as pessoas a se tornarem melhores do que costumam agir.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Amor e respeito

Não é tão fácil expressar amor e respeito pelas pessoas. Estas sentimentos são facilmente confundidos com obediência. A sociedade tende a impor a obediência cega como sinal de respeito.
As pessoas não entendem que oferecer não é, necessariamente, respeitar. Assim como não entendem que amor não é atender a todos os caprichos de alguém. Deus nos ama, mas não faz tudo o que queremos ou pensamos precisar.
Tem certas experiências de vida que dado enriquecedoras, mas que não se pode vive-las sozinho. A convivência ainda não ensina muito e o ser humano é um animal social. Viver meu tempo só ou isolado pode causar sérios distúrbios psicológicos. Mas não devemos confundir necessidade de convivência com dependência emocional. Convivência nos obriga a sair de um mundo limitado para um mundo de enormes e desafiadoras possibilidades, enquanto que dependência emocional aprisiona a si mesmo e ao outro. O dependente emocional é um peso que não dá pra suportar por muito tempo.
A convivência ainda é a melhor forma de desenvolver nossa capacidade de amar e perceber nossos próprios limites. O respeito é a porta de entrada para este amor puro e verdadeiro.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Pontos em comum

Quando se diz que somos semelhantes uns aos outros, não se refere ao fato de termos uma cabeça, dois braços e duas pernas, pescoço, tronco e etc.. Refere-se ao fato de termos interesses em comum. Por mais que passemos a vida buscando os medos diversos tipos de prazer mundanos, chega um momento que estes prazeres já não satisfazem mais e tudo que desejamos é nos sentir seguros, aceitos, amados e respeitados, além do reconhecimento pela nos beleza, inteligência e características pessoais. Por por que seja o comportamento de alguém, no fundo é ido que todos desejam.
Quantas vezes nos sentimos cansados, incompreendidos, parecendo que carregamos todo o peso do mundo nas costas e sem o devido reconhecimento pela nossa dedicação para fazer o que é certo e até agradar aos outros?
Alguns se comportam de forma violenta, egoísta, grosseira ou covarde; já outras pessoas amam demasiadamente, se entregam, são extremamente obedientes, corretas nos seus caminhos. Mas todos queremos estar seguros e sempre amados, mesmo que alguns não tenham ideia do que seja amor. Sempre fica aquela sensação de que está faltando algo e que nada consegue preencher.
Por isso diz-se que somos semelhantes, nossos desejos caminham em uma do direção. O problema está no modo que cada um tenta satisfaze-lo. Uma através do sexo desenfreado, outros através da bebidas alcoólicas, cigarros, drogas pesadas, fortes emoções e coisas do gênero. Outros apenas esperam as coisas melhorarem e rezam pedindo dias melhores, na sem tomar providências para que estes dias realmente cheguem.
A resposta para todos os nossos problemas sempre esteve em nós mesmos, mas o motivo pelo qual deixamos os problemas crescem a ponto de parecem insolúveis pode estar em nossa teimosia em querer só ter benefícios sem se importar com a conseqüências de cada ato, e na ignorância de saber a diferença entre necessidade e desejo. Normalmente o que desejamos não é o que precisamos. Para saber o que precisamos faz-se necessário deixarmos de lado,por um momento que seja, nossos desejos mais imediatos, acalmar nosso coração e ouvir aquela voz interior que há tempos que nos falar algo e nunca paramos para ouvi-la por falta de tempo.
A vida é bela, mas permanecer numa visão estreita e solitária de mundo não é a solução. Ter humildade e recomeçar a cada momento, se necessário, é uma vida maneira de encontrar o caminho para a felicidade.

sábado, 17 de setembro de 2016

SERES ORGÂNICOS

"Um sábio me dizia: esta existência,
não vale a angústia de viver. A ciência,
se fôssemos eternos, num transporte
de desespero inventaria a morte.
Uma célula orgânica aparece
no infinito do tempo. E vibra e cresce
e se desdobra e estala num segundo.
Homem, eis o que somos neste mundo..."
Este trecho da poesia de Guilherme de Almeida reflete bem o modo que vejo
A mim e as outras pessoas no ponto de vista material, penso como seres orgânicos e todas suas características: nascer, crescer, reproduzir, envelhecer e falecer.
Não dá para pensar em se apaixonar e se entregar a alguém só por causa de uma bela estética. Os atributos físicos se modificam com o tempo, mudando o aspecto que o corpo tem. O que é bonito hoje, logo depois pode estar sem atrativos. Assim como células orgânicas que tem como função manter-se vivas, o corpo tem como função manter saudável para abrigar sua hóspede mais preciosa que é a alma ou sua essência pessoal.
A beleza é só um atrativo inicial e o prazer sexual tem como função a reprodução e manter um casal unido inicialmente. Pois os atributos físicos são só um chamariz, mas o que dá sentido a união entre duas pessoas é o respeito e amor entre elas duas, além das afinidades e interesses pessoais em comum a ambos.
Amar simplesmente um corpo físico que vai sofrer modificações decorrentes da velhice e depois falecer e apodrecer não parece ser uma visão muito atraente. Se não houver algo a mais, no primeiro sinal de problemas, a relação a dois se esfria e se desfaz.
E ainda tem a questão da aposentadoria. Quantas pessoas passam a vida pensando em se aposentar e curtir a vida com dinheiro e sem preocupações. Passam a vida pensando nesse momento mas não produzem nada que de sentido a sua vida. Quando se aposentar, descobrem que viveram uma vida vazia e sem propósitos, que logo serão esquecidas e ficaram sozinhas, pois não cultivaram verdadeiras relações sociais ao longo do tempo.
Quem faz o que gosta não pensa em se afastar daquilo que lhe da prazer, se mesmo o trabalho que o sustenta. Não somos apenas células orgânicas para viver de sensações. Temos uma inquietação interna que grita silenciosamente cada vez mais alto, nos deixando insatisfeitos à medida que nossa afastamos do caminho da retidão.
Não basta viver apenas para satisfazer a matéria,pois ela é insaciável. Temos que dominar nossos impulsos elevar-nos espiritualmente. Sinos muito mais fortes do que podemos imaginar,. Podemos desfrutar dessa força o tempo todo, desde que utilizemos nossa força interior pirata um bem maior e mais elevado, e não apenas para satisfazer caprichos pessoais e imediatos.

domingo, 11 de setembro de 2016

Vontade de viver

Vou escrever sobre um assunto um tanto polêmico: A Vontade de Viver. Minhas experiências tem me mostrado que as pessoas parecem que só falecem em duas situações: ou quando estão muito tristes e perderam a vontade de viver, em sua maioria; ou, em menor escala, já estão tão realizadas que já se sentem prontas para sair deste plano terrestre e ir para um nível mais avançado de vivência espiritual.
Acredito que a alegria pode manter a vontade de continuarmos neste plano. Ter uma razão real para estar vivo serve como fator motivador de prolongar nossas experiências aqui nestes etapa da vida. Doenças, acidentes ou violência são uma forma que abreviar o tempo da alma nesta existência.
Tenho visto diversos casos de pessoas que se aposentaram e perderam a motivação pela vida, entraram em depressão mesmo. Na verdade, o trabalho era apenas um modo de manter-se ocupado, sentir-se importante e não perceber o quanto sua vida era vazia e sem propósito. Com a aposentadoria, a realidade se apresenta sem máscaras, e toda a ostentação cai por terra e toda ilusão de desfaz.
No fim das contas, tudo o que queremos é reconhecimento e nos sentiremos aceitos, mas o modo que buscamos isso é que vai determinar nossas realizações e felicidade.
E não podemos nos esquecer do prazer. Esta palavra tem várias conotações e é interpretada de diversas formas. Alguns acham que prazer é pecado, outros acham que pra te prazer tem que as fazer tudo que se tem vontade e sem se importar com as conseqüências.
Não há nada de errado em buscar o prazer no lugar da dor, mas viver em função do prazer inconseqüente pode ter resultados desastrosos para a vida de qualquer um, pois tudo tem consequência e cobra seu preço.
Enfim, acredito que você a vida simples com entusiasmo, sem grandes ostentações mas se alterando com tudo que já tem seja o caminho para a felicidade e longevidade de forma saudável e tranquila, mantendo-se útil e até agradável às outras pessoas, mesmo quando sua utilidade estiver supostamente reduzida.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Solidão e estupidez

As vezes, a solidão é justificativa para os atos mais baixos e estupidos do ser humano. Em nome de uma suposta carência, as pessoas são capazes mentir e maltratar seu semelhante. O medo de estar só pode rebaixar o ser humano a um estado nem primitivo, onde a satisfação de uma necessidade imediata justifica atitude. Contraditoriamente, o desespero de estar só enfraquece o solitário e só traz mais solidão para ele, pois muitas vezes uma pessoa solitária é incapaz de dar amor gratuitamente, pois estão tão preocupada em se satisfazer que arrasta o amor de sua vida. Admite e medo não podem ocupar o mesmo coração ao mesmo tempo.
Ser não temos aquilo que desejamos é porque não estamos nos esforçando o suficiente para merecer a recompensa que tanto queremos.
Ninguém é mais responsável pela nossa felicidade do que nos mesmos, procurar um culpado pelas nossas insatisfações não soluciona o problema como o aumenta mais ainda. Não assumir pelos próprios atos é um comportamento tipicamente infantil, mas acusar-se de sempre conter erros demonstra falta de amor consigo mesmo. Quando gostamos de alguém o tratamos bem, por que não agir assim conosco mesmo? Não se trata de procurar um culpado, mas de se buscar a solução; ter foco na solução nos faz avançar mais rapidamente do que a busca e condenação dos supostos culpados por nossas insatisfações. Para deixamos de estar solidários, devemos ser pessoas atraentes p outros, mas quem vai querer estar próximo a uma pessoa amarga e pessimista? Uma pessoa agradável e autêntica dificilmente estará solitária, mas cuidado para não confundir grosseira com sinceridade. Ser agradável não exige esforço, pois se houver esforço não há sinceridade e a outra pessoa perceberá que há algo errado e obscuro. Ninguém é tão ingênuo a ponto de não perceber quando estamos escondendo algo.
Para ser agradável basta agir de forma natural, mas se o coração de uma pessoa está cheia de rancor, medo e tristeza, é isso que transbordará espontaneamente. Como sabemos quem somos, temos medo de admitir essas fraquezas, então agir de forma espontânea seria um desastre, e ficar recolhido é a forma que encontramos de nos proteger de nos mesmos.
Se quiser amor em sua vida, busque o amor. Não fuja da solidão, pois se fugir da solidão, seu esforço e dedicação terá sido tão grande em evitar aquilo que você não quer, que nunca terá o que quer enquanto agir desta forma.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Prazer coletivo

Antigamente, uma relação conjugal era para a vida toda. Casava-se sem estar amando a outra pessoa e aprendia a amá-la com o tempo, ou pelo menos suportá-la, pela sociedade e pela moral e bons costumes.
Então veio a revolução dos costumes da últimas décadas, promovidas pelo cinema e troca de informações pela melhoria dos meios de comunicação cada vez mais ágil e as pessoas começaram a entender que não precisavam seguir as regras ditadas pela sociedade da geração anterior.
Mas ao invés de aproveitar esse viés de liberdade, a sociedade tem invertido seus valores e perdido seu rumo.
Por esta falta de referências, as piedosas desaprenderam a amar coletivamente e o individualismo domina o pensamento coletivo atual.
Muitas pessoas ainda buscam sua felicidade e realização numa relação amorosa com uma única pessoa, assim como existem degenerados que praticam o pensamento de que ninguém é de ninguém e que podem se relacionar intimamente quem quiser no momento em que tem vontade. É comum se admitir amor verdadeiro só de mãe e, para alguns, nem isso mais existe.
Mas eu não concordo com este pensamento e estou na contramão desde senso comum. Hoje em dia já não sinto mais prazer em estar com uma única pessoa, seja ela quem for.
Meu prazer está em estar com mais de uma pessoa. Quando estou com mais de uma pessoa no mesmo momento, sinto uma alegria e uma motivação indescritível, é nesse momento que minha criatividade se manifesta mais acentuadamente.
Isso chega a ser contraditório nos dia de hoje, quando se impera o individualismo e a desconfiança em outro ser humano.
Já dei capacitação profissional e foi muito prazeroso doar conhecimento para olhares atentos e mentes ávidas em aprender o que eu tinha a ensinar. Deixar um registro de nossa passagem por esta existência considero mais importante do que viver alegrias vazias e momentâneas.
Hoje em dia não troco uma reunião social agradável por um encontro a dois. Na coletividade a troca de informações é mais intensa do que na individualidade. O que se diz a dois se perde ali, mas em grupo o que de diz se multiplica.
Numa época dominada pelo individualismo, pensar como penso chega a ser solitário, pois basta dar um pouco de atenção a alguém, para que esta outra pessoa já queira tomar posse e dominar seu objeto de desejo que lhe traz uma sensação de paz e segurança.
Alguns chamam isso de amor, mas nada mais é do que paixão associada ao medo de perder aquilo que nem lhe pertence. A verdadeira paz se encontra no amor e para isso tem que se doar gratuitamente sem esperar nada em troca, apenas pelo prazer de servir a um propósito maior.
Assim como já acredito que o motivo de um casal estar junto não seja o medo de estar só ou a busca pelo prazer carnal, mas o que une um casal deva ser a afinidade de ideias e convergência de interesses numa mesma direção, quando a soma desses interesses fica maior que esta relação a dois e envolve outras pessoas.

domingo, 4 de setembro de 2016

Ideias e relacionamento

Esses dias não tenho escrito meus textos porque me afastei de minha essência e de minhas idéias, me deixei abater temporariamente pelo medo e pela solidão de não ter pessoas afins para compartilhar idéias. Quando deixo de escrever esses textos e de dar continuidade às minha obras de arte é sinal de que me afastei de minha força interior, e que minha fé cai temporariamente. Isso é normal acontecer conosco diante de provações e de novas experiências, mas não se pode deixar abater.
Penso que seja esse um dos grandes problemas das pessoas no que se refere a relacionamentos: abandonar a si mesmo para se adequar a outra pessoa escolhida para se relacionar, renunciando a só mesmo e sua própria essência para começar e manter uma relação onde não há afinidades de ideias, apenas atração física e comodidade de algum conforto material.
Um casal não mantém uma relação por olharem um para o outro e excluírem outras pessoas de seu convívio, mas mantém uma relação duradoura se olharem para s mesma direção, num ponto onde as ideias se encontram.
Quando vejo aquele casal com a vossa muito badalada, cheios de eventos sociais e prazeres apenas, percebo que ali são apenas companheiros de farra. Se este casal parar um instante para conversar um com o outro poderá descobrir que não são suas ideias que os mantém unidos, mas um turbilhão de prazeres momentâneos. Se este mesmo casal fosse preso em um elevador sem outra pessoa presente, é provável que não se suportem; ou se ocorrer um problema de saúde mais grave ou uma crise financeira que inviabilize as prazeres imediatos, essa relação pede acabar mais rápido do que começou.
São as ideias que unem as pessoas e dão rumo às suas vidas, e não alegrias que são momentâneas e até ilusórias. Quando estamos unidos com alguém pela afinidades de ideias, o ciúme não fará parte da relação, pois o ciúme é o medo de perder aquela pessoa que sabemos que realmente não compartilha de ideias semelhantes às nossas. Uma relação não pode durar de forma prazerosa se for mantida com base no medo de perder, o ciúme, a chantagem emocional e até da coerção física ou dependência emocional.
A beleza é passageira, o dinheiro pode acabar e a saúde pode ficar fragilizada, mas uma relação baseada no respeito, afinidade de ideias e no amor, pode durar indefinidamente.
Então é isso, recomeçar a escrever meus textos, reencontrar minha força interior e viver novas e enriquecedoras experiências para aumentar minha força e multiplicar meus talentos. Isso vale para você também.