quarta-feira, 31 de maio de 2017

O vício da vida virtual

A tecnologia pode ser bem útil para facilitar a comunicação entre  pessoas. Está cada vez mais barato sem comunicar com alguém em qualquer parte do mundo. A internet e os aparelhos eletrônicos estão cada vez mais modernos e acessíveis a todas a parcelas da população. Tudo isso facilita o contato entre as pessoas, mesmo que distante fisicamente uma das outras. Tudo isso poderia aproximar cada vez mais as pessoas uma das outras.
Poderia aproximar, mas a facilidade de comunicação está tendo um efeito exatamente o contrário: está diminuindo o contato físico e emocional entre as pessoas. O que deveria ser motivo de aproximar as pessoas enquanto elas estão fisicamente afastadas uma das outras, está  é aumentando a distância emocional entre as pessoas.
O prazer em ver imagens coloridas e ter acesso aos mais diversos tipos de conteúdos escolhidos pelo próprio usuário, faz com que essa tecnologia de comunicação perca sua finalidade inicial que seria a comunicação entre as pessoas. O que deveria aproximar está sendo motivo para afastar.
Não é preciso andar muito para ver alguém entretido com seu aparelho de imagens coloridas e hipnotizantes. A concentração é tanta que esta pessoa não vê quem passa ao seu lado ou acha perda de tempo conversar com um conhecido. Em vez das pessoas fazerem visitas para saber como a outra está, prefere vasculhar as redes sociais para saber o que seus amigos andam fazendo. Nas fotos, as pessoas estão sempre bem de vida e de bem com a vida; as relações amorosas, familiares e sociais estão sempre em alta; a felicidade predomina. Na vida real a realidade é outra.
O mundo virtual é realmente alienante, tira a pessoa da realidade de forma gradativa. Ter acesso a internet para a ser uma necessidade básica, como beber, comer, dormir e fazer sexo. Aliás, até a vida sexual passa a ser afetada. Quantos casais que, ai terminarem de ter relações sexuais, pregam logo seu aparelho para não perder nenhuma novidade de seus grupos sociais?
 Whatssap caiu no gosto popular. Quem não está conectado a ele, está socialmente marginalizado. Assim como em outras redes sociais, no Whatssap só permanece nos grupos que pensar exatamente igual aos demais, qualquer sinal de divergência do pensamento dominante não será tolerado e haverá rejeição a ponto do divergente ter que se retratar publicamente ou ser banido ou exilado do grupo. A liberdade nesses grupos resume-se a: dobrar-se ao pensamento da maioria ou ser sumariamente excluído. Embora seja um aplicativo útil para uma comunicação imediata com grupos de trabalho, de estudos e familiares, se o zap ou zapzap (como é carinhosamente chamado) não for utilizado com limites, ele passa a ser a própria razão de seu uso e não apenas mais um meio de comunicação. Ele, como outras redes sociais e entretenimentos virtuais, também viciam. Não são apenas os jogos eletrônicos, os vídeos pornôs, as novelas e seriados de televisão que causam dependência, Whatssap também dependência semelhante ao uso de entorpecentes.
Esse vício eletrônico faz com que os contatos virtuais percam sua finalidade que seria comunicar, e passa a ter outra finalidade: Exibição pública. Todos que participam dele querem compensar sua baixa autoestima através de imagens de felicidade e sucesso amoroso ou social. As pessoas nunca estiveram tão isoladas, mesmo com tanto acesso a comunicação. A alienação é geral e quase uma regra social não-escrita. E o que sobra além dessa dependência tecnológica? Sobra sexo sem razão e sem satisfação duradoura eo consumo de álcool cada vez mais excessivo. Todas as camadas e faixa etárias da população então envolvidas com o consumo de bebidas alcoólicas, de uma forma ou de outra. E quando o vazio provocado pelo mundo virtual não pode mais ser satisfeito com o consumo de bebida forte, aí chega a vez do uso de drogas pesadas e da consequente violência ligada a ela. Mas como uma população alienada vai conseguir ligar os pontos entre carência emocional, desestrutura familiar, vazio da vida virtual, consumo de bebidas alcoólicas, sexo  promíscuo, uso de entorpecentes e violência?
Com tempo precioso que se perde em ficar se atualizando virtualmente da vida alheia, deixa-se de telefonar para alguém, marcar um encontro ou mesmo fazer uma visita. Além disso, existe tanto a ser feito, exercícios físicos, aulas de dança, artesanato, cursos profissionalizantes, graduações e pós-graduações, viagens, cinema, praia, conhecer novas pessoas, fazer amizade com pessoas de bem com a vida. Existe tanto o que se viver neste curto espaço que existência que temos que, uma hora perdida no mundo virtual torna-se irrecuperável.
Não podemos esquecer que a população continua sendo alienada pelos setores dominantes da sociedade e a capacidade de leitura e interpretação de texto esta muito baixa. Alguém que escreva uma frase sem erros grosseiros de português que logo esta visto como um esnobe que quer humilhar as pessoas. O nível cultural continua a ser nivelado por baixo e qualquer um que pense em melhorar seu nível de pensamento será hostilizado ou ignorado.
Não devemos ser saudosistas e presos ao passado. Se assim fosse, estaríamos sem os benefícios de luz elétrica, em nome do romantismo do jantar a luz de velas, ou ainda estaríamos na época das correspondências de papel entregue pelo carteiro. Uma notícia levava duas até chegar para nós. Mas não devemos nos deixar dominar pela tecnologia a ponto de esquecer compromissos sociais ou perder o interesse pelo trabalho que dá sustento e dignidade ao ser humano.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Seja sem vergonha

Seja uma pessoa sem-vergonha. Isso mesmo. Mas antes que entenda que estou fazendo uma apologia a libertinagem, vamos esclarecer a situação.
Não devemos fazer nada que nos provoque vergonha. Tem pessoas que não fazem nada de errado para terem vergonha de seus próprios atos. Já tem outras que deveriam ter vergonha de suas atitudes mas não estão nem aí. Um corrupto rouba sem o menor constrangimento. Mas quando é pego não assume seus atos, então ele tem vergonha do que faz, mas não se arrepende e tornará a cometer crimes as tiver oportunidade.
Devemos ser claros em nossas atitudes. Nem sempre podemos antecipar todos os nossos planos, pois tem pessoas que só acreditam vendo os resultados. Podemos nos resguardar por precaução mas não por constrangimento. Não devemos viver nas sombras, mas sim nos ambientes onde nossas ideias e atitudes possam ser bem visíveis. Desconfie de pessoas que gostam muito de segredinhos, de te afastar do convívio com outras pessoas, do ciúme, de pessoas que falam mal de tudo e de todos o tempo todo. Pessoas assim não tem a ideias claras e estão tendo pensamentos errados e vão te dar prejuízo mais adiante. Este tipo de gente gosta de se esconder por ter atitudes vergonhosas e sabem que serão desmascaradas se agitam em público e abertamente.
Não tenha motivos para envergonhar-se de suas atitudes. Mão faça nada que te provoque vergonha. Seja sem-vergonha.

Psicologia ou espiritualidade?

Existem duas linhas de pensamento ou crenças que se podem conhecer o ser humano, tanto elas encantam como também podem provocar medo indescritível em que as desconhecem. Trata-se das linhas espirituais e psicológicas. Normalmente elas são estudadas de forma separadas e considerados conhecimentos totalmente incompatíveis entre si. Quem segue uma linha de raciocínio tende a ignorar e até combater ferozmente a outra.
A psicologia é considerada uma linha racional de condução do pensamento. Tende a explicar o comportamento humano como um conjunto de experiências ao longo da vida e heranças genéticas, familiares, culturais, sociais e econômicas. Tudo tem influência no comportamento humano.
A psicologia tenta explicar, de forma racional, utilizando-se de métodos científicos, o comportamento de cada pessoa, assim como suas ações passadas, presentes e futuras. Uma análise psicológica, isenta de emoções, pode traçar uma linha que se inicia no passado da pessoa, passa pelo seu presente e pode concluir antecipadamente o comportamento deste indivíduo no futuro. Ou seja, se alguém sempre se comportou assim, a tendência desta pessoa agir desta ou daquela forma pode ser prevista sem que isso signifique algum tipo de magia. É pura ciência.
Já a espiritualidade lida com a fé em algo que não se vê e, em muitos casos, a ciência não explica. Tende a agir como um consolo de que tudo não passa de provações para que o ser humano mereça o Reino dos Céus depois de uma vida devotada às práticas de suas crenças.
Em algumas religiões ou crenças, a magia se faz presente e seu uso é amplamente utilizado, para o bem ou para o mal.
A ignorância das pessoas tende a chamar de milagre tudo de bom que elas esperam que aconteça e não compreenderem, assim como podem responsabilizar forças espirituais por tudo que acontece. Independente da linha espiritual ou religiosa que a pessoa siga, o mal tende a ser personificado na figura de um demônio, espírito maligno, obsessor, satanás, diabo, almas perdidas, Exu (erradamente confundido com um demônio), entre tantos outros.
Quando alguém responsabiliza uma força espiritual por tudo que acontece, na verdade está isentando-se de ter permitido que a situação chegasse aquele ponto.
A psicologia rejeita essa passividade que alguns religiosos tende a tratar o comportamento do ser humano, responsabilizando a forças espirituais malignas tudo que acontece ou tudo que o ser humano faz de ruim. Assim como a religiosidade crítica a frieza de estudiosos do comportamento humano que tende a simplificar o comportamento humano em simples reações químicas do cérebro e histórico familiar e social. 
Mas este conflito entre a ciência e espiritualidade tem raízes históricas e envolve, em alguns casos, uma intensa luta pelo poder, onde que mais se beneficia são os líderes envolvidos e quem mais perde é a maior parcela da sociedade, que avança sendo vítima de manipulações, tanto de um lado como de outro.
Quem controlar as emoções de alguém pode facilmente controlar essa pessoa ou mesmo uma sociedade. Líderes populistas e carismáticos podem desvirtuar sua próprios talentos e utilizar-se para benefício próprio mesmo que em detrimento do bem alheio.
Tanto a espiritualidade quanto as ciências do comportamento humano lidam com questões serias e de profundo impacto na vida das pessoas. Questões como doenças, morte e a perda de um entre querido, relações conjugais, felicidade, sucesso, prosperidade, força interior, equilíbrio emocional, esperança, sanidade mental, os diversos tipos de violência, homicídio, suicídio, sentimentos e emoções diversas. Tanto uma frente como a outra tem em seus praticantes e defensores os que são mais exaltados e tendem aqueles que são mais equilibrados.
Além do confronto entre as duas vertentes do pensamento humano, ainda tem o conflito entre os praticantes de cada corrente de pensamento entre si. Por exemplo: intolerância religiosa entre as diversas doutrinas e religiões.
Em meus textos e análises, utilizo tanto conceitos científicos e psicológicos, um completando o outro de forma harmônica e coerente. Tratar desses assuntos envolvem muita responsabilidade e os assuntos não devem ser tratados de forma tendenciosa. São assuntos que abordam o que o ser humano tem de mais precioso,o seu verdadeiro Eu, suas emoções, alegrias, esperanças, angustias, tristezas, medos e toda gama de emoções e sentimentos que alguém carregue consigo e que nem sempre consegue lidar ou mesmo suportar sozinho sem orientação.
Tenho mergulhado fundo na mente humana e feito diversos tipos de experiências para aprimorar meus dons e certificar-me de certas análises que eu tenha feito inicialmente.  Sou daqueles que acredita que o ser humano só usa uma pequena parte de seu potencial, o restante está bloqueado por fatores limitantes, tipo:
Em um momento de fragilidade alguém pode ser facilmente manipulado por pessoas mal intencionadas ou mesmo mal conduzidas por pessoas despreparadas. Quem já foi vítima desse tipo de pessoa de índole ou qualificação duvidosa tende a ficar descrente em buscar ajuda, ou pode de tornar radical em suas concepções e fechados às novas ideias.
As pessoas religiosas, em sua maioria, concordam que a fé ele montanhas. Mas quantas dessas pessoas tem o coração puro e os pensamentos livres de confusão para mover uma montanha? É semelhante uma pessoa fazer uma prova de cálculos complexos estando totalmente despreparada e desconcentrada, sua nota será péssima.
Seja psicologia ou religião, os assuntos que lidam são complexos e não basta a pessoa dizer que tem fé e saber alguns trechos de livros religiosos ou ter algum título universitário na área para poder ser classificada como uma pessoa preparada e responsável.
Dizem que a ignorância é uma bênção. De certa forma isso é verdade. Saber demais não é garantia de felicidade. Às vezes, desconhecer a verdade faz com que a pessoa viva sua vida de forma irresponsável e sem saber por que sofre, mas também sem saber o que lhe acontecerá no momento seguinte e sem saber com quem convive. Quando você começa a se instruir demais, a verdade se revela de um jeito que não tem mais volta, você vê as pessoas de forma diferente sem aquele encanto ou ilusão que tanto lhe agradavam. Os acontecimentos vão deixando de te surpreender e a previsibilidade passa a fazer parte de seu cotidiano.
Por isso não dá pra aceitar essa ideia do senso comum que passamos a vida com alguém sem conhece-la direito. As pessoas são o que são e seus comportamentos do passado e do presente lhe dizem qual será seu próximo passo.
Não existe esta história de que alguém mudou depois que casou. Na verdade, as pessoas revelam-se quando se sentem seguras. Então ela não mudou, apenas está mostrando quem realmente é. Seu parceiro (a) que quis se iludir de que tinha encontrado a pessoa ideal, normalmente por conveniência que se deixa enganar, ou porque quer conforto material, ou pela beleza estética de seu parceiro ou pela relação sexual do casal. Quando nos deixamos levar por nossas vontades, tendemos a ignorar a razão e os sentimentos que sempre nos avisam de tudo que pode acontecer.
Só mesmo um perfeito psicopata poderia manipular friamente outra pessoa sem ser descoberto com o tempo. Valorizar excessivamente a cordialidade e formalidade pode servir para esconder a verdadeira natureza de alguém. Deve-se deixar a pessoa livre para que ela se expresse espontaneamente, e até mesmo provocá-la para que ela mostre sua verdadeira natureza, sem tentar impressionar ou ser aceita. Nenhuma pessoa normal consegue disfarçar sua própria natureza por muito tempo sem começar a deixar rastros. A "máscara" vai se houver oportunidade para isso.
Mas quem decide escolher seu próprio caminho, tem que estar preparado para as consequências. As pessoas que você convive estranharão seu novo comportamento. Se for contrário aos valores da maioria deles, você será desmotivado a continuar no seu esforço de mudança. Mas para que tanto esforço para mudar, se saberá que não terá apoio de seus pares? Quem está sofrendo de alguma maneira e não vê perspectivas de melhorias, clama por mudanças; quem passa por longos períodos sentindo fome, medo da violência e da solidão, sofrendo pela falta da saúde, não aguenta mais permanecerem inertes enquanto morre após poucos todos os dias. Mas por que as pessoas precisam deixar chegar ao desespero para optarem em mudar de vida? Talvez por comodismo ou covardia prefira deixar tido como sempre esteve.
Existe uma boa forma de desmarcarar alguém que esteja tentado esconder suas verdadeiras intenções. Basta apresentá-lo a pessoas que gostam de você e nas quais você confie. Quem tiver carinho por você, não vai querer te ver sofrer e se você de oportunidade para lhe dizer o que sentem, você terá uma segunda opinião. E mais importante, quem está mal intencionado não vai querer se apresentar onde tiver pessoas de seu lado nos quais ele não tenha domínio ou influência, ele saberá que não enganará a todos por muito tempo.
Por ser de motivo, pessoas mal-intencionadas tentarão te manter afastada do seu meio social, usando como pretexto o ciúme ou dizendo que está se sentindo discriminado. Mas tudo não passa de ardis para te isolar e assim ele poder agir de forma impune e reduzindo o risco de ser descoberto. Esta descrição serve para se precaver de pessoas mal-intencionadas do ponto de vista psicológico como espiritual. O resultado será o mesmo: sofrimento para a vítima deste tipo de pessoa.

Enquanto que a maioria pessoas encaram as doenças como algo físico provocado por microorganismos vivos, acidentes, má formação durante a gestação ou mesmo feitiçaria ou inveja, eu vejo de forma mais ampla.
A doença pode se provocada por estes fatores descritos acima, mas eles são só as consequências. A causa esta na alma. O corpo é apenas um meio para manter a razão principal da vida que é garantir um passe livre da alma para a eternidade. Quando o corpo cria dificuldades para que esta ainda cresça, ela castiga esse corpo teimoso se afastando dele. Isso abre caminho para que todo tipo de energia se aproxime dele, sejam elas positivas ou negativas. Geralmente o que prevalece nesses casos são as influências negativas.
Mesmo para quem tem resistência a admitir a existência do mundo espiritual, sabe que uma pessoa de comportamento negativo não vai atrair pessoas descontraídas e de bem com a vida com atitudes grosseiras e reclamações o tempo todo. Assim é a espiritualidade, o que é negativo do tende a atrair coisas negativas, pois a energia estarão vibrando na mesma freqüência.
Minhas análises são análogas ao trabalho de um médico clínico. Este profissional analisa um problema de saúde por todos os ângulos, e não descarta nenhuma possibilidade sem que esteja respaldado por exames médicos. Eu analiso os problemas de forma ampla, analisando não si o problema em si, mas todos os fatores que levaram a pessoa aquela situação, sejam eles fatores familiares, sociais, culturais, econômicos ou mesmo psicológicos e espirituais. Tudo que fazemos deixa rastro, basta refazer os caminhos percorridos e a resposta estará lá em algum lugar, e em algum momento ela aparecerá.
Nada acontece pior acaso, tudo tem uma razão de ser. Admitir que tem problemas e reavaliar o que tem feito de certo e onde estão as falhas são o primeiro passo para encontrar a solução para os mais diversos tipos de problemas.

A ansiedade atrapalha muito a vida da gente, e está associada às nossas vontades. Nossas vontades estão relacionadas com o que queremos e não, necessariamente, ao que precisamos. E quando nossas vontades não são realizadas quando e como queremos ficamos mais ansiosos ainda e mesmo frustrados.
Nossas vontades são fruto de nosso cérebro. O cérebro pode nos enganar, o coração não. O cérebro imagina um cenário e, se não houver controle, essa imagem que pensamos torna-se realidade em nossa cabeça. Por isso, a física quântica diz que a realidade não existe, porque ela acaba sendo apenas ideias formadas em nossas cabeças e que acreditamos serem a realidade pura e simples. 
É no cérebro que se formam os medos e desejos, e toda variedade de pensamentos que nos arrastam para baixo, bem a nível básico da sobrevivência. É lá que a vaidade cria forças e nos faz sentir humilhados quando comparamos boa vidas com a dos outros e eles estão aparentemente melhores que nós.
Não é  o cérebro que deve comandar nossos pensamentos e nem nossa vida, é nossa mente orientada pelo nosso coração. Quando uma pessoa deixa seus pensamentos serem guiados pela sua mente, ela torna-se cada vez mais intuitiva. A intuição é aquele pensamento que nos dá a certeza do que devemos fazer, mesmo que ele não seja agradável para nós e nos coloque em situações que desejaríamos evitar.
Uma pessoa intuitiva é daquele tipo que tem confiança em si mesma e humildade o suficiente para admitir que pode cometer erros e não se acanha em corrigi-los o mais rápido possível e até publicamente, ser necessário. Uma pessoa guiada pelo seu coração não se importa com sua segurança pessoal ou aprovação alheia, sua prioridade é fazer o que julgar necessário, mesmo que a maioria das pessoas sejam contra. Sair da zona de conforto, fazendo tudo como sempre faz é uma forma de saber se é seu cérebro ou sua mente quem guia suas decisões.
O cérebro só se importa com a sobrevivência a nível básico, seja do indivíduo ou de sua espécie. A mente tem como prioridade a evolução do ser humano enquanto espécie pensante. Por isso o medo esta tão atrelado ao pensamento cerebral. O medo nada mais do que a tentativa desesperada de sobreviver a todo custo, seja a sobrevivência individual ou da espécie. O medo é uma reação primitiva de sobrevivência, e é por isso que conseguimos imaginar tantas coisas ruins quando estamos com medo, porque  ele é uma reação primitiva em um cérebro evoluído. É como colocar um chipanzé para dirigir um carro moderno, é essa comparação que pode ser feita quando deixamos nosso cérebro guiar nossos pensamentos: Deixar um instinto básico comandar uma máquina avançada.
Percebam que em momento algum foi mencionado que o cérebro deve ser combatido. Ele não é nosso inimigo, apenas esta fazendo o trabalho dele que é nos manter vivos. Ele é a nossa parte animal. Não devemos castigar nosso cérebro e nem nosso corpo, devemos é disciplina-lo. Não podemos ser rudes e cruéis comigo mesmo. Devemos ser amáveis e entender que todo aprendizado leva tempo para se assimilado. Devemos é evitar situações e hábitos que reforcem o domínio animal do cérebro sobre nossos pensamentos. Devemos ser carinhosos conosco mesmo e ter disciplina para não se entregar a rompantes de fúria ou do medo irracional. Como eu vi em um filme: "O perigo existe, mas o medo é fruto de nossos pensamentos", ou seja, devemos ser cautelosos, mas não deixar que o medo guie nossos passos. Quem deve conduzir nossa vida é nossa mente.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Divagações - parte IV

Cada vez mais o lado emocional vem ganhando espaço e força em minha vida, enquanto que a razão pura e fria vão se afastando. Se alguém me diz que está sentindo dor, fico sem saber o que dizer (não sou médico), mas se alguém me diz que está triste ou quer de alegrar, aí me interesso.
Não tenho ainda a capacidade de fazer curas milagrosas (embora acredito que rogos possamos fazer, só não acreditamos nosso ainda, assim como nossos pensamentos ainda não estão puros para realizar tais prodígios), mas tenho a capacidade de perceber o que as necessidades de cada pessoa e dar a elas o que elas precisam e não apenas o que elas querem. Nem sempre sabemos o que realmente precisamos.
Librar-se do peso dos nossos desejos e vontades e deixar as energias fluírem livremente nos tira o peso das preocupações. De nada adianta ficar angustiado pelo que nem aconteceu. Empregamos tantas energia e esforço para evitar algo que trazemos para junto de nos exatamente o que mais queríamos evitar.
Não adianta ter medo de amar com medo de perder a pessoa amada e sofrer. Melhor é curtir a presença de quem gostamos, por que assim teremos nossas lembranças para nos consular na ausência da pessoa amada, seja de maneira temporária ou permanente. Não devemos perder nenhuma oportunidade de sermos amáveis e gentis, tudo que fazemos só faz aumentar ou diminuir nosso crédito no amor que sentimos.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Divagações - parte III

Sempre digo e repito: Se queremos resultados diferentes, tempos que fazer as coisas de maneira diferente. Não há outra forma de atingir um nível melhor se não arriscamos e ficamos no mesmo lugar, fazendo tudo como sempre fizemos. Não há como chegar na frente seguindo os passos dos outros, fazendo só o que os outros fazem. As alguém tem sucesso, é porque descobriu maneiras de chegar antes e se consolidar como sendo referência para os demais.
As crises são só pretexto para as pessoas se acomodarem e acusarem alguém de seus próprios fracassos. Tem que ter coragem, assumir riscos e responsabilidades, fazer o que gosta, se dedicar ao máximo para atingir a excelência no que você sabe fazer, e ainda perceber se o que você oferece é o que outros pessoas realmente precisam.
Não basta de nossas ideias, mas tem que colocá-las em prática e a serviço dos outros. Sair de limitações dos seus próprios conceitos e ver o mundo de maneira mais ampla de sem ideias pré-concebidas. Encare seus próprios medos e siga em frente. Afaste-se de pessoas de m negativas que do te homem pois baixo. Cuidado com os contestadores que só duvidam de tudo, mas não acrescentam nada de útil de construtivo.

domingo, 21 de maio de 2017

Anticristo

Diante das incertezas políticas, crise econômica, violência generalizada e lata de perspectivas a curto e médio prazo, parece que estamos vivendo um daqueles momentos em que a humanidade está passando por um processo de depuração e que são sempre dolorosos. Podemos citar como exemplo a perseguição aos primeiros cristãos que durou séculos, ou a Guerra de Cem Anos na Europa, ou a Peste Negra que dizimou um terço da população europeia, a Primeira e Segunda Guerras Mundiais, só para citar alguns exemplos.
Tudo isso que foi mencionado formam um terreno fértil para o surgimento de líderes demagógicas e autoritários, ditadores e tiranos, falsos profetas, ou mesmo o Anticristo, como previsto no Apocalipse só apóstolo de Cristo, João Evangelista. Mesmo quem não tenha crenças religiosas será afetado de alguma forma. Guerras e rumores de guerras não são suficientes para converter ninguém, mas evitar praticar atos malignos deve ser obrigação de todos e em todas as épocas.
As aparições de Nossa Senhora e outras mensagens estão sendo semelhantes em seu conteúdo: Orar a Deus muito para passar por este período de provações. Este ano esta sendo emblemático neste sentido, mas não quer dizer que ano que vem tudo voltará a normalidade do que sempre foi. Nada será como antes.
 

Ovos na cesta

Tem um ditado que é um tanto deselegante mas que serve ao que vou dizer: "Não coloque todos os ovos em uma única cesta". Esses ditado pode não se aplicar a todos os casos, mas é especial em relação a relacionamentos familiares, de amizade e entre colegas.
Se fosse um jogo de cassino, seria equivalente dizer:  "É muito perigoso apostar suas as fichas em um único número". Pode-se perder tudo em um único lance.
Não se deve dedicar todo seu carinho e seu amor a uma única pessoa, seja ela mãe, pai, filhos, cônjuges, familiares, namorados, amigos ou colegas. A chances de se decepcionar aumentam a medida que diminuem a quantidade de pessoas para você dedicar todo seu amor e carinho. Assim como você pode sofrer amargamente se perder todo seu objeto de dedicação. Para alguém deixar esta vida basta estar vivo, e a dor da perda pode ser tão insuportável que quem ficou pode perder o juízo, a sua fé pessoal ou o sentido para viver.
Não se deve brincar com assuntos tão sérios quanto os sentimentos, tanto os da própria pessoa quanto de seus semelhantes. A manipulação é algo cheiroso correto corriqueiro na sociedade, tanto os pais com seus filhos, como os casais, colegas, e os mais diversos tipos de autoridades. Manipulação é uma forma desleal de controle dos outros através dos sentimentos. Mas a verdade um dos se revela e aí vem a decepção.
Por isso, é bom gostar do maior número de pessoas, assim você evita se tornar "prisioneiro" do amor por alguém, e ainda diminui a possibilidade de ser manipulado por alguém, pois a tática do manipulador é manter sua vítima afastada do convívio social, assim ele reduz a possibilidade de ser descoberto.
Particularmente, eu desconfio de pessoas caseiras demais que gostam de ficar isoladas com mais alguém. Geralmente são pessoas que justificam sua atitude por assumirem seu ciúme (como se ciúme fosse prova de amor).
O amor é para ser compartilhado e não para ser  vivido de forma escondida escondida.

sábado, 20 de maio de 2017

Transcendência - parte II

Para chegarmos a algum lugar melhor temos que transcender nossos próprios limites. Para pelos além de onde estamos devemos saber em que direção queremos ir.
Podemos até não saber aonde é o final do percurso, afinal, trata-se de um caminho desconhecido nunca antes percorrido por nós, mas devemos te em mente aonde queremos chegar. Mesmo que, ao chegar lá, não seja nada do que imaginamos que seria, mas já teremos saído de onde estamos e não nunca mais sermos os mesmos.
As pessoas podem escolher mudar de vida de vários maneiras, seja através dos estudos, de uma relação conjugal, de mudança de emprego, de uma religião, de cirurgia plástica, de dieta, de mudança de cidade ou qualquer outra maneira que achar melhor. Isso pode ocorrer por conta própria ou por força das circunstâncias, mas uma mudança na vida de uma pessoa faz com que ela veja e dia vida nunca mais será a mesma. Pode até ser melhor ou pior, mas terra atingido uma nova dimensão que irá afetar sua vida como um todo, tanto s nível pessoal, social, conjugal, familiar ou profissional.
Podemos optar em mudar o rumo de nossa vida por estamos insatisfeitos com os resultados que obtemos e decidimos que é hora de mudarmos de vida posta ter novos resultados. Porém, durante este processo de mudança, até o objetivo final pode vir a mudar. Por exemplo: Uma mulher casada esta tentando chamar a atenção do marido que não a valoriza. Então ela decide fazer um curso profissionalizante. Ao longo do curso ela vai descobrindo seus próprios talentos e falando com outras pessoas. Descobre um novo mundo. Se no início ela queria ser valorizada pelo marido, agora o que ela quer é seguir carreira com suas novas aptidões. Tudo pode mudar e irmos por caminhos que sequer imaginamos que existiam.
Mas para termos resultados mais consistentes, devemos transcender os limites de nossos próprios interesses. Pensar grande e assumir os riscos das consequências de cada decisão tomada. Se não tiver o resultado esperado, entender como uma experiência, reavaliar os planos iniciais e ter forças para recomeçar sem se culpar pelos falhas ocorridas.
Devemos também pensar além de nossos interesses imediatistas e mesquinhos. Pensar além da nossos satisfação sexual, das vantagens financeiras  ou do reconhecimento social. E em nível mais elevado, pensar além de nos segurança pessoal, pois tudo que fazemos envolve algum tipo de risco, em maior ou menor grau. Por isso devemos decidir até onde pretendemos e que pelo estamos dispostos a pagar.
Existe um mundo a ser conquistado e os limites estado apenas em nos mesmos. Mas não de pode querer mudanças para que tido permaneça como sempre esteve.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

O céu é o limite

Quanto mais estudo sobre as crenças e ciências, mas eu percebo que nós mesmos criamos nossa realidade. O cérebro não faz a menor distinção entre realidade e ficção. A realidade e a verdade nada mais é, para nós, só que uma interpretação do que entendemos do mundo a nos volta. Quanto mais limitadas foi nos criação e assim nos mantivermos, mais será restrita nossa visão de mundo.
Devemos nos preparar para ver o mundo com crenças e forças renovadas. Deixar os preconceitos de lado e descobrir o mundo com nossa própria visão, e não com conceitos que nos ensinaram e tomamos como verdades. Acha-se incapaz de algo torna-se realidade posta quem acredita nisso, e se um vencedor só depende de acreditar em si mesmo e conhecer os próprios limites, e mesmo assim supera-los.

Elegância

Até a alguns anos, a sociedade admirava a pompa de nobreza e as regras de etiqueta. Era considerado chique ser refinado e se uma pessoa elegante e gentil. As famílias gostavam de agregar ao seu circulo pessoas de fino trato. As festas noturnas eram todas como um evento social e cada um procurava se vestir e se comportar da melhor possível.
Mas quem não podia ir a esses eventos começou a se sentir excluído e a odiar tudo que soasse como esnobe e excludente. Era um misto de admiração e inveja que a maior parte da sociedade cultivava pelas classes mais abastadas.
E desde ódio, a falta de educação e a grosseria se tornou uma bandeira de resistência e afirmação social. Aquela parcela excluída queria provar que era capaz de se divertir também, mas ao nosso deles. A televisão, para ganhar público e audiência, começou a baixar o nível de sua programação cada vez mais, e a grosseria se institucionalizou no país.
Por ignorância, confundiu-se elegância com arrogância, e isso comprometeu toda s uma geração. Desafiar as autoridades passou a ser um lema e uma bandeira. Mas tudo saiu do controle e logo os pais, os professores e as autoridades religiosas também foram desafiadas. Os jovens perderam suas referências e as famílias desestruturaram-se. As meninas perdem-se cada vez mais cedo, abandonam a infância pela maternidade precoce, e os homens trocam seus estudos pelo trabalho para sustentar sua jovem família que ele formou em um momento de irresponsabilidade.
A elegância ajuda a tornar as pessoas mais seguras de si, equilibradas, calmas e sabias. A elegância não se exalta e nem ofende aos outros. Quem é elegante ainda provoca admiração e respeito, e é um exemplo a ser seguido. Pessoas elegantes não gritam e nem gesticulam de forma nervosa ou exagerada, falam pausadamente e ouvem atentamente seu interlocutor. Ser elegante não significa ser uma pessoa entediante ou esnobe, mas pode envergonhar uma pessoa grosseria apenas com sua presença. A elegância consegue o que quer pela autoridade e não pela intimidação. Ser elegante não diminui o outro em nada, só pessoas complexadas sentem-se humilhadas diante da equação do outro.

Complexo de faraó

Quando eu era estudante, eu achava um absurdo um faraó achar-se um deus e querer levar todos os seus tesouros para o túmulo. Como um homem evidentemente mortal poderia achar que seria um deus? Mas depois de tantos anos formado foi que eu compreendo o porquê dele pensar assim.
Numa época em que a maioria da população era de agricultores, pescadores e artesãos analfabetos, vivendo na linha da pobreza e sem um plano de aposentadoria, onde teriam que trabalhar até a hora de morrer, fica fácil eles verem um soberano, com poder e riquezas como um ser superior. Além disso, esse soberano era ensinado desde a sua infância que tinha ascendência divina e que um dia voltaria para seu lugar de origem, junto aos outros deuses, já que o Egito e outras sociedades da época eram politeístas (acreditavam em vários deuses, como até hoje em algumas culturas).
Mas que importância isso tem na sociedade de hoje, tão informatizada? Toda a importância. Embora tenhamos acesso a informação como em nenhuma época da história, as pessoas nunca estiveram tão apáticas com o aprendizado. A indiferença das sociedade pelo conhecimento em geral chega a ser estarrecedor. Temos a chance de aprender muito com o acesso a informação, mas os debates em torno de qualquer tema estão muito empobrecidos.
As celebridades do momento comportam-se como o faraó, sentindo-se imortais e eternas, mas sua fama costuma durar pouco, uma ou duas temporadas, e depois vem no esquecimento do público e são substituídos por outras celebridades temporárias, e o ciclo reinicia-se indefinidamente.
E, assim como os faraós eram enterrados com seus tesouros, muita gente parte desta vida levando para o túmulo todo seu conhecimento e experiência de vida, sem compartilhar suas histórias com as gerações seguintes, condenando estas novas gerações a repetirem erros que poderiam ter sido evitados, se tivessem conhecimento das consequências de seus atos, através de exemplos vividos por outras pessoas. Não deixam um legado, um registro de sua passagem nesta existência, e caem no esquecimento.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Nada será como antes

Estas últimas notícias divulgadas na mídia tem pego o pessoal de surpresa, mas eu já tinha avisado no início do ano que 2017 seria um ano para abalar as estruturas. Se não orarmos muito pedindo forças para superar todas essas dificuldades, o ano equipe vem não será melhor equipe este.
Numa crise como esta, não tem relacionamento que se mantenha e não tem paz interior que dure se ela não estiver baseada em sólidos alicerces. Quem não estiver em paz consigo mesmo e não encontrar rapidamente sua força interior, não chegará inteiro ano que vem, e ainda terá motivos para se lamentar por muitos anos.
O tempo da irresponsabilidade e infantilidade há passou, estamos entrando na era da solidariedade. Viver encastelado em grupos fechados e medíocres que concordam com todas as suas ideias é a melhor maneira de você e esse grupo caírem no precipício. Quem apoia suas ideias prejudiciais a você afirma posta não ganhar sua antipatia não é seu amigo.
Mantenha-se firme, pois as turbulências na economia e na sociedade ainda estão em plena atividade. Nada será como antes. 

quarta-feira, 17 de maio de 2017

MotivAção

Você esta satisfeito com a vida que tem, com os relacionamentos e com seu trabalho?  O que falta para melhorar?
Você está satisfeito com sua renda mensal?  O que acha que você poderia fazer para atingir suas independência financeira?
Você utiliza todos os talentos que tem? Você sabe quais são seus talentos, ou você acha que não tem talento para nada? O que está fazendo para desenvolvê-los?
Você acredita que seu parceiro (a) é a pessoa ideal para você, e que ele (a) te incentivam a crescer? Por que você acha que suas relações não deram certo? Você acredita mesmo que só conhecemos alguém depois do casamento?
Você acredita que ciúmes é prova de amor?
Você acha possível ter uma relação conjugal saudável durante muitos anos até a velhice? Você esta satisfeito com sua vida sexual?
Você chegue ter autocontrole diante de situações que lhe perturbam? Por que você acha que explode tanto de raiva e depois de arrepende de ter passado dos limites e exagerado em suas ofensas?
Você se sente seguro? Ou você aprisionado pelos diversos tipos de medo: violência, desemprego, traições, doenças, dívidas, solidão? Você acha mesmo que tudo isso não tem solução?
Até onde você está disposto (a) a ir para encontrar as respostas para suas perguntas?
As respostas são mais simples do que parecem, mas depende de quanto você estes disposto a investir e renunciar para encontrar sua forças interior. Às vezes, tudo que alguém precisa é de alguém que lhe aponte uma direção para que ele mesmo siga sua jornada.
Mas quando se deseja mudanças, são para que as coisas sejam diferentes, e não continuem como sempre foram.
Meu projeto pretende ajudar as pessoas a responderem estas perguntas, pelo menos parte delas. Quanto mais o tempo passa e estas perguntas permanecem sem resposta, mais oportunidades são perdidas e mais o desespero e descrença em uma vida melhor aumenta.
Nossa vida esta repleta de possibilidades perdidas que não mais retornam. E ao mesmo tempo temos um potencial de realizações infinitos, e a chave para acessa-lo chama-se autoconfiança e motivação, duas coisas que a sociedade nos tira desde cedo, assim como aprendemos a perder a esperança de uma vida melhor depois de certa idade.
O que temos que fazer é reencontrar aquela força interior sufocada e perdida em nós mesmos ao longo dos anos, aprendendo a nos aproximar do que nos eleva e nos afastar de tudo que nos derruba.

domingo, 14 de maio de 2017

O que é ser mãe?

Comemora-se o Dia das Mães. Dia de reunir a família para prestar as homenagens no dia de hoje, em um clima de paz e confraternização que deixa o coração de todos embebidos em uma atmosfera de amor incondicional.
Pelo menos é assim nos comerciais e programas de televisão e no comércio. Tirando-se essa aurea de magia midiática afinal, o que é de mãe? Quando a mulher escolhe conscientemente ser mãe, ela está dando a oportunidade de um espírito encarnar e evoluir. O útero é um portal que liga a vida espiritual com a vida material. Ser mãe é um ofício divino e todo filho é fruto de amor, não importa em que situação ele tenha sido concebido. A vida é um presente que Deus nos dá por empréstimo e a maternidade foi o canal que ele escolheu para o de humano vir a este mundo.
Embora o filho deva sua concepção a sua mãe e a ela deva todo seu respeito, um filho também é uma lição de amor para a própria mãe. É através dele que ela tem a oportunidade de evoluir para uma nunca dimensão de amor e deixar de pensar só em si mesma para se importar com outra vida. Mas como nem tudo é perfeito, já que vivemos em um mundo imperfeito, tem mulher que desconhece o verdadeiro propósito da maternidade e da enorme responsabilidade que ela traz consigo. Tem mulher que tem filho como forma desesperada e segurar alguma relação como um homem que a despesa ou mesmo tem na maternidade uma forma de obter alguma vantagem material, não imaginando as consequências de gerar um filho em seu corpo. Esse é um daqueles caminhos sem volta em que não há espaço para arrependimentos e não há como desistir do pedido e devolver o filho do remetente. Os filhos também nascem para ajudar suas mães a evoluírem espiritualmente.
As mães podem não ser um modelo de perfeição, pois o ser humano veio a este mundo para evoluir. Mas o amor incondicional de uma verdadeira mãe é o que mais próximo temos do amor de Deus.
Perder uma mãe deve ser uma dor insuportável, por isso não devemos perder nenhuma oportunidade de demostrar carinho a todo momento e cobri-la de toda a atenção possível, vivendo cada momento bom que de tornarão lembranças futuramente. Se houver algo que desagrade, procure expressar de forma gentil e não guarde mágoas por alguma falha eventual que sua mãe tenha cometido. Na ânsia de proteger, algumas mães acabam por cometem excessos que nem sempre os filhos compreenderem que é uma demonstração de amor de parte delas. Nem sempre as mães recebem de seus pais o amor idealizado pela sociedade, então elas repassam o que receberam. Assim como você, as mães também aprendem a amar continuamente.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Peregrino

Sinto como se eu fosse um peregrino solitário percorrendo a vastidão de um deserto. As vezes encontro outros peregrinos neste deserto que logo desistem de prosseguir viagem e acomodam-se na falsa sensação se segurança de um oásis no meio desde deserto,e dali não vão mais pra lugar algum. Visualizo este deserto como um lugar de passagem que temos que atravessar e percorrê-lo com o mínimo de bagagem e sem estar preso a uma relação que impeça nosso caminhar.
Assim é a vida de cada um de nós: por mais que queiramos acreditar que ter uma companhia vai preencher i vazio que sentimos, realmente não preenche. O que alivia a sensação de solidão que sentimos é interagir com outro ser humano e deixar que ele leve algo nosso com ele, e ter dele algo conosco, algo do tipo palavras sinceras, carinho e bons sentimentos.
Viemos sozinhos a este mundo e dele vamos sair sozinhos, só o que levaremos serão os sentimentos que cultivamos, e teremos nossas ações ao longo da vida como testemunhas de defesa ou acusação, que nos absolverão ou nos condenarão. Nos apegar a outros pessoas pude ser nossa maior causa para nossa perdição, pois não devemos acreditar na falsa sensação de segurança que uma relação nos traz. Devemos sim gostar de cada uma das pessoas, mas deixá-las livres e estamos livres, unidos apenas pelo respeito e pela convergência de valores e sentimentos. Não se trata de um passe-livre posta traições, mas de confiar de que o que nos pertence ninguém nos tira.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Um novo mundo

Sinto que um novo mundo esta se descortinando a minha frente, repleto de oportunidades inéditas. E é exatamente a possibilidade de realizar vários sonhos que me deixa num paradoxo: a mesma coisa que me faz sonhar é também aquilo que me faz ter que renunciar a desejos antigos; assim como ser uma pessoa melhor me torna mais interessante à percepção alheia, mas me impede de agir de forma a obter prazeres imediatos e passageiros.
Tenho tantos projetos a realizar que não estou tendo mais tempo adquire para escrever. Meu mais novo projeto está fazendo com que eu tenha que aprender, em curto tempo, sobre assuntos que eu nem sequer sabia que existiam. A velocidade com que as ideias invadem meu ser é tão grande que não tenho tempo de me matricular em um curso formal es aprender tudo gradativamente.
Não há tempo para formalidades ou excesso de es ensaios, cada vez mais estou me entregando ai conhecimento intuitivo e deriva seria deixando ele me guiar. Aprender tido de forma autodidata, me valendo de minha experiência de vida e dos talentos naturais que tenho descoberto desenvolvido a todo momento e em casa oportunidade.
Tenho pressa de passar minhas mensagens, quanto mais damos, mais recebemos. Tem muita gente precisando de minhas habilidades, pessoas idosas que tem o tempo contra elas, casais sem saber como se conduzir em suas relações, jovens sem saber que caminho devem seguir na vida para não desperdiçarem sua juventude em caminhos que só lhes trarão prejuízos.
Não tenho a pretensão de achar que sou mais do que sou. Tem muitas pessoas com talentos maiores do que os que tenho, mas que de nada adiantam se não os colocarem a serviço de seus semelhantes. Sair apenas um de humano querendo evoluir o máximo que puder, assim como também me sinto compelido a indicar uma direção a quem em mim confiar e precisar de orientação.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Contestadores II

Recentemente falei com uma pessoa que disse que o que escrevo é bem comum e não tem nada demais, mas o tempo que eu havia falado com ela foi morto pouco para avaliar o que escrevo. Pra mim ficou claro que a opinião desta pessoa não passou de despeito.
Decerto que o valor tem um peso diferente para cada cada pessoa, o que é de fundamental importância para uns, outros simplesmente ignoram. O juízo de valor é muito pessoal para cada um. Nem tudo desperta a mesma paixão em todas as pessoas na mesma intensidade. Tem pessoas que não valorizam o que lhe é caro é caro posta outras pessoas.
Mas cuidado quando este descaso não servirem de desmotivação para você seguir adiante em um projeto em que você tenha investido tempo e esforço. Aceite bem as críticas, mas saiba diligenciar o que é uma crítica fundamentada do que uma simples contestação.
Uma crítica tem embasamento em algum princípio imparcial e não tem a intenção principal de influenciar no resultado final. Um crítico pode aplaudir um trabalho como pode apontar as falhas que ele julgar pertinentes. Um crítico sensato pode reavaliar sua própria opinião se estas mesmas falsas foram corrigidas.
Já uma contestação pode ser simplesmente para forma de alguém desmerecer seu trabalho, sem a intenção de acrescentar nada de útil a sua obra. Um contestador malicioso não visa seu bem nem do seu público, apenas fora de se promover destruindo o trabalho alheio. Um contestador tende a ser intransigente e se for pressionado parte logo posta grosseria.
É melhor manter cautela e preste a atenção no conteúdo de uma crítica mas não se deixe influenciar os pessoas simplesmente negativas. Se alguém discordar de suas ideias, avalie tanto o conteúdo desta crítica como a intenção de quem te criticar. Ser você estiver seguro de suas ideias, não se deixará abater facilmente.
Evite também de ficar falando de seus planos futuros antes que você mesmo esteja seguro do que quer. As pessoas podem não ter noção da dimensão e abrangência do seu trabalho e poderão desmotiva-lo antes mesmo de você concluir uma etapa inicial de seu projeto. Se for pedir algum conselho, que seja com alguém equilibrado e que queira seu bem acima de tudo, nem que para isso tenha que discordar de você.